Resenha - Maré Congelada

Sinopse: "As disputas pela Tétrade, quatro cristais mágicos capazes de conferir poderes inimagináveis a quem os encontrar, continua. Amara roubou o cristal da água, Jonas conseguiu o da terra, Felix enganou os rebeldes para ficar com o cristal do ar, e Lucia está com o do fogo. Mas nem todos sabem como libertar a magia da Tétrade, e apenas a princesa feiticeira conquistou poder até agora, aliando-se ao deus do fogo que libertou de seu cristal. Gaius, o Rei Sanguinário, também não desistiu de encontrar os cristais. Ele está mais sedento por poder do que nunca, especialmente agora que não conta mais com a ajuda da imortal Melenia nem com o apoio de Magnus, o herdeiro que o traiu para poupar a vida da princesa Cleo. Para conquistar todo o mundo conhecido, Gaius resolve atravessar o mar gelado até Kraeshia, e tentar um acordo com o imperador perverso de lá. No caminho, o rei vai encontrar muitas dificuldades e inimigos, como Amara, princesa de Kraeshia, que tem seus próprios planos para conquistar o poder."
ALERTA! Esta resenha pode conter spoilers dos livros anteriores. Leiam por sua conta e risco!

Jonas está quase morto, com o ferimento em seu ombro - causado por Felix - em estado cada vez pior, o antigo líder rebelde tem os seus dias contados, porém, releva o fato e o omite de Lysandra, para que ambos possam descobrir o paradeiro de Cleo e assassinar o Rei Sanguinário, que está de viagem marcada para longe de Auranos.

Buscando por novas estratégias para conduzir e garantir a sobrevivência de seu governo, Gaius confia que Magnus descobrirá para onde foi a princesa Lucia Damora. Pai e filho só não sabem que a antes adorável e inofensiva herdeira do trono de Mítica se tornara uma destemida e sombria feiticeira, que dita as próprias ordens, e não só está a procura da verdade sobre o seu passado, como almeja ajudar Kyan, o Deus do Fogo, a libertar os outros deuses e eliminar os vigilantes.

Na gelada Limeros, em paralelo à busca da irmã, Magnus precisa governar sua antiga terra natal sob os olhares reprovadores do conselho, e ainda lidar com o amor que sente - e com o qual luta contra - pela princesa de Auranos. Cleo está na mesma situação, negando seu amor pelo filho do Rei Sanguinário, e desesperada para conseguir os quatro cristais da Tétrade para que possa, enfim, vingar sua família e assumir o seu lugar de direito no trono.

Enquanto eles brigam por seus objetivos em Mítica, a princesa Amara retorna para o Império Kraeshiano, na posse do cristal da água, onde terá que rever o pai e os irmãos que a rejeitam, que não imaginam que ela matou o herdeiro mais novo de Kraeshia, Ashur, e que estão ansiosos para expandirem o Império cada vez mais, conquistando novas terras.

Querem saber mais? Então corram para ler o livro!

***

Esse livro me causou emoções de uma forma que poucos conseguiram até então. Embora tenha concluído a leitura, pensar em Maré Congelada ainda me remete ao fatídico capítulo 18, do qual tanto falei em minhas redes sociais enquanto lia. E digo mais, nunca desejei tanto a morte de um personagem como estou torcendo para que aconteça até o término dessa saga.

A trama se inicia quase que imediatamente onde A Ascensão das Trevas nos deixou. Nesse sentido, acompanhamos a adaptação dos personagens perante a forma como as coisas acabaram no volume anterior. Não será fácil para eles neste exemplar, eu lhes garanto isso, e todos parecem mais determinados do que nunca a concluir seus objetivos e pôr logo um fim em toda essa história. E por "essa história" eu me refiro à obra mesmo.

Enquanto navegava pelas resenhas que costumo procurar sempre que faço uma leitura, encontrei algumas que criticavam o estiramento que a Morgan deu à série, transformando a tetralogia originalmente planejada em seis livros. Devo concordar que talvez a autora esteja se tornando cansativa e repetitiva em alguns pontos, todavia, de uma forma geral, a narrativa ainda é bastante envolvente, e continuo curioso para saber como as coisas irão terminar.

A expansão que a saga tem nesse volume é gigante, a começar pelo mapa do mundo, que está bem maior aqui. Não nos limitamos apenas aos três territórios de Mítica, agora existem vários outros reinos que, eu espero, façam uma participação cada vez maior nos próximos tomos, e não fiquem apenas servindo de espectadores.

Dentre esses reinos nós temos Kraeshia, que conhecemos ainda em A Primavera Rebelde, e que vem ganhando cada vez mais notoriedade. As coisas estão esquentando por lá, e embora o foco do enredo seja Mítica e sua magia, imagino que o Império dos Cortas ainda irá abalar bastante o mundo.

Alguns personagens já conhecidos ganharam ainda mais espaço aqui. Felix foi o que mais me surpreendeu, eu sabia que o veríamos novamente, contudo, o antigo aliado de Jonas ganhou destaque a ponto de protagonizar alguns capítulos. O mesmo vale para Amara, essa garota não tem freios, estou certo de que suas decisões imprudentes - supostamente calculadas - ainda lhe trarão grandes problemas.

Já o nosso quarteto de protagonistas, que acompanhamos desde o início, finalmente saiu da inércia. Eles realizaram muitos feitos no decorrer da saga, entretanto, de A Ascensão das Trevas para cá meio que andavam em círculos, sem chegarem a lugar algum, com exceção de Lucia, que desde o princípio tem sido a personagem que mais se desenvolveu. Uma prova de sua evolução é a capa de Maré Congelada, que traz a princesa Damora, enquanto que em todas as anteriores ilustravam Jonas. Pelo menos eu suponho que seja ele.

Magnus e Cleo, finalmente - F-I-N-A-L-M-E-N-T-E!!! -, estão chegando em algum lugar, além de, claro, continuarem trocando farpas um com o outro. Os embates deles são ótimos, mas, por favor, Morgan, nós os acompanhamos desde que eles casaram contra a própria vontade, então, obrigado por lhes dar um papel mais importante nesse volume. Ambos me surpreenderam em suas atitudes.

Jonas... Ah, Jonas! Enquanto os outros três protagonistas iniciais contribuem melhor para com a trama, Jonas Agallon parece meio perdido, às vezes é como se a autora estivesse enrolando até chegar o momento em que o fracassado líder rebelde somará de alguma forma. Ele dá voltas e voltas sem chegar a lugar nenhum, e até hoje não me conformo com o total descaso dele quanto ao paradeiro de sua família.

Até onde sei eles foram feitos prisioneiros pelo rei Gaius em Paelsia, e mesmo que não fossem, mesmo que tenham escapado, não me recordo disso ser mencionado ao longo da série. Também, pelo que tenho conhecimento, não estão mortos. Somos relembrados constantemente dos entes queridos dos demais personagens, até dos secundários, outrossim, a família de Jonas Agallon foi ignorada por completo.

Apesar dos pesares, a saga ganhou um novo fôlego com o final de Maré Congelada, e espero que a autora não retroceda no livro seguinte e volte a debater questões já encerradas neste. Se a Morgan seguir nesse ritmo, A Queda dos Reinos promete um desfecho emocionante, de muita ação e, possivelmente, muito mais mortes para superarmos.

Maré Congelada - Morgan Rhodes
Livro 04
Série A Queda dos Reinos
Editora Seguinte
424 páginas
Comprar: Saraiva / Amazon
Nota 5

6 comentários

  1. Tenho bastante interesse na Série A Queda dos Reinos.
    Parece ser uma história muito bem construída e com personagens bem desenvolvidos.
    Pelos comentários que ando lendo, a história do início ao fim, consegue prender o leitor de uma formal magistral.
    Sua resenha referente ao quarto livro, me deixou com ainda mais curiosidade.
    Espero ter a oportunidade de conhecer essas obras em breve.
    Gosto muito das capas dos livros <3
    Beijos,
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
  2. Oi Laplace, me parte o coração não poder ler a resenha por não ter lido o livro anterior ainda. O jeito é correr atrás do tempo perdido e conferir a obra né.
    Beijos
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  3. Oi Laplace!

    Vi seu vídeo sobre o fatídico cap. 18 e não posse deixar de concordar com vc! rsrsrsrs

    Infelizmente, ainda não li essa série, mas quero, adoro fantasia e as capas são lindas demais!

    Bjo bjo^^

    ResponderExcluir
  4. Laplace!
    Não li o livro e nenhum da série ainda, porém gosto muito do contexto explicitado por você e do gênero do livro.
    Tudo que remete a magos e feitiços é comigo mesma.
    Gosto de suas resenhas detalhadas e com sua impressão sobre o livro, mostra seus sentimentos genuínos.
    “Desejo a você e a sua família um Natal de Luz! Abençoado e repleto de alegrias. Boas Festas!”
    (Priscilla Rodighiero)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de DEZEMBRO ESPECIAL livros + BRINDES e 4 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  5. Essa série parece ser muito boa. Eu sou muito fã de fantasia e gênero semelhantes e parece ser bem no meu estilo. A trama se mostrou muito bem articulada, e gostei bastante da capa.
    Um abraço!

    http://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/
    Participe dos SORTEIOS de Natal que estão rolando lá no blog!

    ResponderExcluir
  6. Olá, ja tinha ouvido falar da série, mas, nunca soube realmente do que se tratava, mas fiquei um pouco interessada em relação a serie, parece ser muito boa, gosto de coisas que envolva feitiços, coisas do mundo sobrenatural, e esses cristais dos elementos me lembra muito uma outra série que eu gostava muito, que tbm fala sobre os poderes dos elementos e etc ! mas só de pensar nos 4 livros e mais 2 que estão vindo, me desencoraja um pouco hahaha, mas quem sabe eu realmente leia um livro, é um gênero que eu gosto bastante !!

    ResponderExcluir