Resenha - 100 Dicas Simples para Prevenir o Alzheimer

Resenha - 100 Dicas Simples para Prevenir o Alzheimer
Sinopse: "100 atitudes simples que podemos tomar para tornar nosso cérebro mais resistente e protegido contra as doenças neurodegenerativas associadas à idade. Muitas pessoas acreditam que não há nada que se possa fazer para prevenir o Alzheimer. Mas os cientistas estão provando que isso não é verdade. Estudos recentes mostram que, com o estímulo certo, as chances de demência se reduzem de forma drástica. A cura ainda não existe, mas a ciência vem mostrando que a prevenção pode evitar o aparecimento dos sintomas. Ao descobrir que carrega o gene que aumenta as chances de desenvolver a doença, a jornalista americana Jean Carper passou a buscar formas de neutralizar essa ameaça. Assim, descobriu que atitudes surpreendentemente simples podem reduzir de forma considerável a probabilidade de desenvolver o Alzheimer, a perda de memória associada à idade e outras formas de demência. Neste livro, a autora apresenta 100 dicas de como você pode se proteger desde já, independentemente de sua idade, de uma das doenças que mais intrigam a medicina. Pequenas ações diárias, em muitos casos prazerosas, podem fazer toda a diferença para que você envelheça de forma lúcida e saudável: Beba, mas com moderação – dependendo da quantidade, o álcool pode estimular ou destruir neurônios. Tome ácido fólico – esse tipo de vitamina B pode adiar o declínio da memória em até cinco anos. Cuide bem do seu coração – aquilo que destrói seu coração também destrói sua memória. Pratique meditação – essa é uma forma relaxante de aumentar e tonificar o cérebro. Cuidado com o ômega-6 – essa gordura encontrada em fast-foods causa inflamação e morte das células cerebrais. Beba chá – ele pode prevenir o AVC e a perda de memória, além de revitalizar neurônios quase mortos."
Oi pessoal, hoje trago para vocês uma resenha de um livro diferente, que fala sobre uma doença que assola grande parte da população atualmente. Nesse sentido, acho importante tratar o assunto publicamente como uma forma de conscientizar mais pessoas e de, quem sabe, tentar prevenir esse mal.

Para quem não sabe, Alzheimer é uma palavra latina que significa “privado da mente”, uma terminologia bem aplicada já que esta é a forma mais comum de demência que, em 60% a 80% dos casos, o cérebro sofre uma deterioração e atrofia lenta.

100 Dicas Simples para Prevenir o Alzheimer surgiu do interesse da autora em pesquisar o assunto, tendo em vista o seu histórico familiar, já que sua mãe teve Alzheimer. Além disso, após um exame rotineiro, Jean descobriu que era portadora do gene ApoE4, comum às pessoas que desenvolvem tal moléstia. Deste modo, Jean começou uma busca por informações que a ajudassem a não adoecer.

Ao reunir 100 dicas ela decidiu escrever esta obra para que esse conhecimento estivesse à disposição de todos que carregam o mesmo gene, ou daqueles que possuem familiares que sofrem da mesma doença, possibilitando a sua compreensão e, consequentemente, oportunizando que mais pessoas sejam ajudadas.

Querem saber mais sobre o assunto? Então corram para ler o livro!

***

A primeira publicação sobre o Alzheimer ocorreu em 1906 quando o médico Alois Alzheimer relatou o caso de uma paciente sua que, aos 51 anos e saudável, passou a apresentar uma perda progressiva de memória. Segundo a Associação Brasileira de Alzheimer (ABRAZ), estima-se que haja 35,6 milhões de pessoas no mundo com a doença, sendo 1,2 milhões no Brasil, em que a maior parte dos casos ainda não foi descoberto.

Isso ocorre, na maioria das vezes, pela dificuldade de se determinar a patologia, já que não existe um diagnóstico preciso - a menos que se estude o cérebro da pessoa, o que só pode ocorrer quando ela morre - e muitas vezes a moléstia é confundida com outras enfermidades.

Para identificarem o Alzheimer os médicos recorrem à verificação de algumas lesões cerebrais características de seus portadores, sendo as duas principais o acúmulo da proteína beta-amiloide e o emaranhado de novelos da proteína tau. O gene ApoE4 - que nós podemos descobrir se carregamos com um simples exame de sangue - também é outro forte fator, contudo, como disse a autora Jean Carper, ser portador do mesmo não significa que você terá Alzheimer, há pessoas que o tem e não desenvolveram tal disfunção, como há aqueles que não o carregam e passaram a sofrer deste mal.

Um filme que fala claramente sobre esse assunto e que mostra o drama vivenciado por uma família que vê a mãe, uma cientista brilhante, deteriorando dia a dia é Para sempre Alice. Vale a pena conferir.

Um dos grandes problemas do Alzheimer é que ainda não existe cura, mas isso não esmoreceu a autora quando tomou conhecimento a respeito de sua condição. Ao contrário, isso motivou Carper a realizar uma profunda pesquisa sobre a área, procurando o que poderia fazer para evitar ao máximo que adoecesse, e quando conseguiu reunir 100 tópicos sobre o tema, resolveu compilá-los em um volume para que mais pessoas pudessem se beneficiar de suas descobertas.

O mais impressionante é que, com base nos escritos da Jean, ficou claro que os fatores que aumentam os riscos de se ter Alzheimer, bem como as formas de preveni-lo são tão simples, que podem até parecer bobos. São coisas que muitos fazem no dia a dia e não temos ideia de que isso pode estar nos aproximando ou nos distanciando dessa enfermidade.

Com uma escrita bastante didática e capítulos curtos, a autora explana sobre os seus achados, tendo o cuidado de referenciar onde conseguiu cada informação, para que tenhamos segurança em suas palavras.

Para vocês terem uma ideia do que há no exemplar e do que podem começar ou deixar de fazer, fiquem sabendo que o estresse, o consumo de fast foods, o sedentarismo, o isolamento, batidas na cabeça, a alta taxa do colesterol LDL, e o hábito de beber muito são alguns exemplos de fatores que aumentam o risco de desenvolver o Alzheimer.

Já a prática de atividade física, o consumo de peixes ricos em ômega-3, de verduras e legumes de cores fortes, estudar, jogar videogame, e o ato de sermos sociáveis e termos um grande círculo de relacionamentos são elementos que reduzem as chances de adquirirmos tal enfermidade.

Precisamos tomar cuidado para não entrarmos em pânico ao ler o livro, principalmente os hipocondríacos, porque o número de coisas que fazemos diariamente e que podem nos prejudicar é grande. Dependendo do que for, podemos elevar o risco em mais de 300%! Não surtem, como a Jean repete em todos os capítulos, nunca é tarde ou cedo demais para mudarmos os nossos hábitos. Além do mais, a autora também deixa bem claro que seguir todas as suas dicas não afasta a possibilidade de termos Alzheimer.

Isso é até meio irônico, pois a quantidade de coisas que podemos fazer para reduzir essa probabilidade é imensa, e mesmo assim a ameaça sempre existirá. A gente lê o livro se perguntando: "como eu ainda posso ter essa doença mesmo depois de seguir todas essas dicas, levando em conta os resultados apresentados pela autora?"

Para os leitores determinados a fazer a lição de casa, ao final da obra a Jean ainda sugere um Plano Anti-Alzheimer. Ela compila todas as 100 dicas em 4 tópicos para nos ajudar a iniciar essa caminhada. Vocês podem até iniciar a leitura por esse plano e depois partirem para a verificação de cada uma das dicas com mais calma, para conhecê-las em detalhes.

Uma coisa que gostei bastante foi o cuidado da Sextante em fazer as devidas alterações no texto. Exemplo: a Jean aponta alguns sites para ajudarem o leitor a conhecer mais sobre a doença, e a Editora teve a atenção de substituir os endereços norte-americanos por brasileiros, citando a ABRAZ: Associação Brasileira de Alzheimer (www.abraz.org.br) e a APAZ: Associação de Parentes e Amigos de Pessoas com Alzheimer (www.apaz.org.br). A Sextante também alterou os sites de exercícios mentais que a autora sugeriu por outros nacionais, todavia, rodei atrás deles no livro e não os encontrei novamente para elencar aqui.

100 Dicas Simples para Prevenir o Alzheimer não é desses que você pode ler em uma sentada, essa obra precisa ser mastigada e digerida aos poucos para que o leitor absorva ao máximo seus ensinamentos. Se vocês não têm nenhum caso de Alzheimer em sua família, mas conhecem quem tenha, podem indicá-lo ou dar de presente sem medo, pois essa leitura é essencial. E vocês podem lê-la também mesmo assim, porque todos estamos sujeitos a desenvolver essa patologia, tenhamos o gene ApoE4 ou não, pratiquemos as dicas aqui apresentadas ou não.

100 Dicas Simples para Prevenir o Alzheimer - Jean Carper
Editora Sextante
288 páginas
Comprar: Saraiva / Amazon
Nota 5

20 comentários

  1. Oi Laplace,
    que livro bacana!
    Muito interessante e fiquei morrendo de vontade de lê-lo!
    Mas eu tenho muito medo de ter Alzheimer, então acho que ficaria com medo lendo o livro também kkkkkk
    vou anotar aqui, e assim que der, tentarei ler!!
    Será que tem no kindle??
    bjss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana!
      Tem sim no Kindle, o link está aí em cima no final da resenha. :)

      Excluir
  2. Nossa, que livro útil! De verdade, é um daqueles que nos faz pensar porque ninguém tinha escrito antes. Eu morro de medo de sofrer ou ver alguém que eu amo sofrer com Alzheimer, e já decorei algumas dessas dicas pra implantar comigo e quem sabe também com outras pessoas da minha família. Mas não garanto que não vou ficar paranoica, já que sou "um pouco" hipocondríaca...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luciana!
      O livro é mesmo muito útil, e o mais legal das dicas é que elas não se aplicam apenas ao Alzheimer, servem para melhorar nossa saúde de uma forma geral.

      Excluir
  3. Oi Laplace, que legal a escolha do livro. Atualmente estou trabalhando na área da saúde e vejo muitas pessoas que tem algum tipo de contato com a doença. Com certeza o livro é uma forma de conscientização. Espero lê-lo em breve.
    Beijos
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Priscila!
      O livro é muito útil mesmo, é desses que é bom lermos, independente do histórico familiar.

      Excluir
  4. Que livro legaaal, bem diferente do que a gente tá acostumado a ler né? Achei super interessante e criativa a ideia do livro.. Infelizmente o Alzheimer vem pegando de surpresa uma grande parte da população, tenho muito medo tanto por mim quando por meus familiares! =X

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, PLLBR!
      Sim, o livro é bem diferente do que estamos acostumados, e o Alzheimer anda desenfreado mesmo. O jeito é tentar prolongar e estar preparado caso ele apareça. :(

      Excluir
  5. Confesso que esse não é o tipo de livro que está na minha lista de leituras.
    Mas o assunto abordado é sim importante demais.
    E acredito que quem sofre disso ou tenha algum conhecido ou até quem curte esses assuntos, o livro é uma boa pedida.
    Beijos,
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Caroline!
      É mesmo, é uma dica essencial para qualquer um que tenha um caso na família, esse livro ajudará muito.

      Excluir
  6. Oi Laplace!

    Gosto mais de ler livros com a temática fantástica, mas esse gênero tbm me agrada, pois é um assunto de utilidade pública, certo?
    Não sabia muito sobre a doença e sua resenha, além de ser perfeita para indicação do livro, também serviu para sanar algumas de minhas dúvidas.
    Vou adicioná-lo na minha lista de desejados e espero ter a oportunidade de lê-lo em breve!

    Bjo bjo^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana!
      Obrigado, e sim, é de utilidade pública mesmo. Boa leitura!

      Excluir
  7. Laplace!
    Quero demais poder ler esse livro, pois como a autora, mainha tem Alzheimer e tenho o maior receio de também ficar com a doença futuramente, mas ainda não fiz esse tal teste, nem sei se tem aqui no BRasil.
    Quero ler para aproveitar todas as boas dicas dadas pela autora.
    Adorei a resenha bem explicativa.
    “Para saber uma verdade qualquer a meu respeito, é preciso que eu passe pelo outro.” (Jean-Paul Sartre)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rudynalva!
      Também não sei dizer se esse teste existe aqui no Brasil, acredito que sim. As dicas da autora são ótimas mesmo e úteis a todos nós, independente de termos o caso na família ou não.

      Excluir
  8. Muito bonita a iniciativa de quem idealizou este livro, muitas pessoas que lerem ele podem, talvez, identificar a doença em alguém e assim buscar ajuda facilitando o tratamento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lennon!
      Verdade, eu já conhecia livros de ficção sobre o tema, mas de não-ficção, reunindo várias dicas, esse foi o primeiro.

      Excluir
  9. Olá.
    Muito interessante esse livro. Um tema importante e bem triste. Tenho uma madrinha que está sofrendo dessa doença e não é nada fácil. Não sei se leria esse livro, mas de qualquer forma, deve ser bem informativo.
    Obrigada. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Márcia!
      É uma situação difícil mesmo, e sim, o livro é bem informativo.

      Excluir
  10. Não conhecia esse livro, e apesar de não fazer meu estilo de leitura, fiquei com vontade de ler!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Theresa!
      O livro é muito útil, independente de ter o caso na família ou não, vale a pena ler.

      Excluir