Resenha - Baía da Esperança

Sinopse: "Seis anos depois de ter saído da Inglaterra, a melancólica e reservada Liza McCullen é a responsável por um barco de observação de baleias e golfinhos em Silver Bay, na Austrália, onde também administra com a tia, Kathleen, o Hotel Baía da Esperança, que já viu dias melhores. Hospedado no hotel de Liza, Mike Dormer está lá a negócios: depende dele o pontapé inicial do projeto de um resort de luxo. Enquanto sua noiva, em Londres, finaliza os planos do casamento, Mike tem de conseguir a licença para a construção do empreendimento, algo que terá profundo impacto na fauna de Silver Bay e consequências drásticas para a vida dos moradores, inclusive a de Liza, que guarda um grande segredo e correrá perigo caso precise se mudar dali. Quando o mundo de Mike e Liza colidem de forma irremediável, eles precisam encarar os próprios medos para salvar o que amam. Com personagens cativantes em um cenário encantador, Baía da Esperança é um romance comovente e irresistível, repleto do humor e da generosidade que marcam as obras de Jojo Moyes. Jojo Moyes ocupa hoje as principais listas de mais vendidos do Brasil com seus títulos Como eu era antes de você e Depois de você. Como eu era antes de você, um dos maiores sucessos da autora, chega em junho aos cinemas em adaptação estrelada por Emilia Clarke (Game of Thrones) e Sam Claflin (Jogos Vorazes), com roteiro da própria Jojo Moyes. Quinto livro de Jojo Moyes, Baía da Esperança, antes publicado pela editora Bertrand Brasil, tem agora nova edição, lançada pela editora Intrínseca."
Mike era o típico homem de negócios bem sucedido: frio, racional, ambicioso, habituado ao luxo e ao conforto e certo de que todos sempre tinham o seu preço e que o dinheiro era capaz de comprar tudo.

Sua vida não podia estar melhor. Fazia pouco tempo que havia sido promovido a sócio minoritário na empresa na qual trabalhava e estava de casamento marcado com a bela filha do chefe, Vanessa. Sem contar que encabeçava um projeto audacioso e de muitas cifras que lhe traria prestígio e o deixaria ainda mais perto de alcançar todos os seus objetivos, mas, para isso, Mike primeiro precisava convencer os investidores de que construir um mega hotel em Silver Bay era um bom negócio e lucro na certa.

Para isso, viajou para a Austrália e se hospedou na Baía da Esperança, um hotel decrépito gerenciado pela famosa Dama dos Tubarões, Kate, que ficou conhecida assim depois de pescar sozinha, aos 17 anos, o maior tubarão-cinza da região, batendo vários recordes.

Mike se sentia literalmente um peixe fora d'água naquele lugar, composto por pessoas muito simples e que carregavam no peito um amor devoto àquele pedaço de chão e mar. Sua tarefa consistia em recolher informações e negociar com a administração local para conseguir autorização para iniciar as obras.

Porém, quanto mais tempo ele ficava em Silver Bay, entre aquela gente, mais Mike percebia que trazer tal desenvolvimento para a área seria um grande erro. Será que pela primeira vez os sentimentos de Mike falarão mais alto do que a sua razão?

Liza era mãe solteira. Desde que fugira de Londres com Hannah ainda pequena, se refugiara na hospedaria da tia com o intuito de recomeçar. Quando se deu por conta, já havia se tornado mais uma baleeira, atividade muito comum naquelas baías, que consistia em levar turistas para observar baleias e golfinhos e alto-mar. Tudo o que Liza mais gostava era de estar em meio àqueles animais. Eles lhe proporcionavam paz e conforto ao sofrimento eterno que carregava no peito.

Mas o seu sossego estava com os dias contados desde que Mike havia pisado em Silver Bay. Com a iminência da construção daquele resort bem ao lado do estabelecimento da tia ela tinha a certeza de que todos perderiam a sua tranquilidade, que a Baía da Esperança ia falir e as baleias e os golfinhos ficariam ameaçados pelos novos hóspedes e pelos esportes aquáticos que aquele novo empreendimento queria implementar. Liza não podia permitir que nada disso acontecesse, caso contrário, teria que ser obrigada a se mudar de novo com a filha para outro lugar, algo que ela não queria.

Será que Liza e os baleeiros conseguirão conscientizar as pessoas acerca da importância de se preservar os animais silvestres? Ou a estupidez humana vencerá novamente?

Querem saber o que vai acontecer? Então leiam!

***

Baía da Esperança é uma obra publicada em 2006, originalmente pela Editora Bertrand Brasil, que foi relançada este ano pela Editora Intrínseca com uma capa diva que se assemelha aos outros títulos da autora. Sou fã inveterada de Jojo Moyes, então é só questão de tempo até que eu consiga ler tudo o que ela já escreveu. Uma das coisas que mais admiro nos seus textos é o simples intuito de nos contar uma história, sem pretensão de ter grandes morais ou acontecimentos. Quando leio um livro de Jojo, tenho a sensação de estar escutando algo contado pela minha avó, de um causo ocorrido com algum conhecido seu, pois sim, as tramas de Jojo e, principalmente seus personagens, são extremamente plausíveis e palpáveis, e não podia ser diferente com Baía da Esperança.

Neste volume, de início, não sabia muito bem o que esperar, já que a escrita de Jojo começa lenta por ela ter se dado ao trabalho de nos ambientar nos dilemas e no passado de cada personagem, o que foi ótimo para criarmos empatia para com eles, mas logo percebi a genialidade da autora ao conectar os protagonistas a um contexto de suma importância para a realidade na qual estamos vivendo: os problemas ambientais. Isso é outra coisa que amo nas obras de Moyes, junto de belas e delicadas narrativas sempre há verdadeiras lições a serem aprendidas.

Em Baía da Esperança, somos convidados a veranear em uma das praias mais bonitas e isoladas da Austrália. Parecia que eu estava realmente pisando naquelas areias, sentindo o cheiro de maresia, o vento no rosto e a emoção de ver e ouvir uma baleia jubarte pela primeira vez. Aliás, posso destacar que esse é um dos grandes diferenciais do enredo que vai arrebatar os amantes de animais marinhos como eu.

Foi incrível presenciar como a Jojo conseguiu inserir esses elementos, aproveitando o seu texto para nos alertar a respeito dos riscos que essas espécies correm quando ficam à mercê do ser humano. Isso sem contar o fato do quanto precisamos começar a batalhar para protegermos eles de nós mesmos se não quisermos que cada vez mais animais entrem em extinção ou sofram por nossa causa.

Falando nisso, não tenho nem palavras para descrever o quanto me comovi com uma passagem de quando um filhote de baleia encalhou na areia por culpa de uma rede de pesca fantasma que estava sendo levada pela correnteza em alto mar. Eu chorava, chorava muito com a descrição não só daquela cena, mas também das que se decorreram dessa, revelando a mortandade de bichos por conta da ignorância humana. Como é que muita gente não se sensibiliza com essa problemática?

Quanto aos personagens, preciso dizer que a autora parece ter um dom para dar vida a crianças. Hannah é de longe a minha protagonista favorita! Delicada, amável e corajosa, ao mesmo tempo em que é frágil, insegura e cheia de traumas, nos faz literalmente querer pegá-la no colo. Mike também caiu nas minhas graças e ficou claro desde o início de que ele serviria de bode expiatório e que pagaria de herói ao final. Já Liza é uma mulher durona e arredia, e que esconde um segredo que foi capaz de afundá-la. Kate, por sua vez, é uma senhora que não aparenta a idade que tem, que nunca teve filhos e nem nasceu para se casar, e que é dura na queda. 

Escrito em capítulos intercalados, Baía da Esperança fala primordialmente sobre o amor, não só o amor romântico, mas também o amor fraterno, sentido entre pais e filhos, família, amigos e também à natureza, e por que não? Além disso, Moyes também aborda o direito que temos de nos reinventar e recomeçar, independente da idade, e nos atenta acerca dos perigos que as grandes corporações vêm trazendo ao comércio familiar e local.

Apesar de ter amado a obra, achei que a Jojo pecou ao tratar o segredo escondido por Liza. Ela cozinhou esse mistério por tanto tempo que, quando foi revelado, não me causou nenhum espanto ou comoção. Eu simplesmente fiquei esperando para ver como tudo seria resolvido. No final todas as pontas foram amarradas e adorei testemunhar o crescimento de cada personagem e a guinada que cada um deu em suas vidas.

Baía da Esperança é um livro que nos emociona e que nos faz pensar e é mais um que entrou para a minha lista de favoritos da vida. Super, superrr recomendo a vocês!

Baía da Esperança - Jojo Moyes
Editora Intrínseca
301 páginas
Comprar: Saraiva / Amazon
Nota 5

3 comentários

  1. Que resenha maravilhosa! Eu gosto muito da Jojo mesmo tendo lido apenas um livro dela, Um mais Um. O que mais gosto é que ela traz personagens gente como a gente, que fazem parte da nossa realidade. Não idealiza pessoas, ensinamentos, nada do tipo. Ela só faz com que a escrita flua e que no final se transforme em um completo aprendizado.
    Estou louca para ler este livro.
    Beijo, Visite o Leitora Encantada

    ResponderExcluir
  2. Oi, tudo bem?
    Ainda não li nenhum livro da autora, mas sempre encontro comentários apaixonados sobre suas obras. E as capas são sempre umas graças. Essa está tão delicada! Amei sua resenha, parabéns por descrever tão bem e com tanta sinceridade, o enredo da obra. Sim, pretendo ler! Dica anotada. Obrigada. Beijinhos.

    ResponderExcluir
  3. gente, acredita que eu ainda não li nenhum livro da Jojo?
    essa capa está linda e uma coisa que eu acho impressionante é que combina com as outras obras dela
    parabéns pela resenha, nem todo mundo ia dizer que a autora "cozinhou o segredo"
    pergunta: qual livro vc recomendaria eu começar a ler Jojo?

    ResponderExcluir