Resenha - A Garota do Calendário: Março

Resenha - A Garota do Calendário: Março
Sinopse: "Mia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. Ela tem um ano para pagar o agiota que está ameaçando a vida de seu pai por causa de uma dívida de jogo. Um milhão de dólares, para ser mais exato. A missão de Mia é simples: trabalhar como acompanhante de luxo na empresa de sua tia e pagar mensalmente a dívida. Um mês em uma nova cidade com um homem rico, com quem ela não precisa transar se não quiser? Dinheiro fácil. Parte do plano é manter o seu coração selado e os olhos na recompensa. Ao menos era assim que deveria ser... Mia vai passar o mês de março em Chicago com o empresário Anthony Fasano, que a contrata para fingir ser noiva dele. A princípio Mia não entende por que um homem tão lindo e másculo precisa de uma falsa noiva, mas ela está prestes a descobrir."
ATENÇÃO! Este livro possui cenas de sexo e linguajar obsceno. Não recomendado para os menores de idade. Leiam a resenha por sua conta e risco! 

ALERTA! Esta resenha pode conter spoilers dos livros anteriores da série. Leiam por sua conta e risco!

Antes de partir para seu próximo cliente, Mia foi até Vegas enfrentar cara a cara o causador do seu tormento: seu ex-namorado, Blaine. O agiota exigiu que a próxima parcela da dívida fosse paga pessoalmente por Mia, de forma a tentar tirar a garota do sério, mas a bela acompanhante não se deixou balançar pelas ameaças do ex. Pelo contrário, Mia ficou ainda mais determinada a seguir adiante com seu plano.

Após a visita a Blaine, Mia partiu para Chicago, onde conheceria seu próximo cliente, Tony Fasano. Tony é o caçula de uma família tradicional italiana e preside a rede de restaurantes da mesma. Sua mãe, Mona Fasano, sonha em vê-lo casado e lhe dando muitos netos, mesmo que três de suas quatro filhas já tenham seus próprios filhos. A matriarca colocou toda pressão da continuação da linhagem em cima do caçula e Tony quer aplacar os anseios dela.

A verdade é que Tony é gay. Desde a faculdade ele está em um relacionamento com Hector, um amigo da família e advogado das empresas Fasano. Tony tem medo da reação da mãe caso ele se assuma, fora que essa bomba poderia prejudicar sua carreira de boxeador e de presidente do seu empreendimento, já que a mídia cairia com tudo em cima dele quando essa fofoca estourasse. Nesse sentido, a função de Mia é fingir ser a noiva de Tony durante o mês de março, para que ele finalmente agrade a mãe.

O problema é que Hector não está nada satisfeito com tudo isso. Ele sonha com o momento em que Tony irá assumi-lo e ter Mia ali só mostra que isso está longe de acontecer. O jovem rapaz sofre todos os dias em ter que esconder seu amor por Tony, mas Mia está convicta em virar o jogo. Usando todas as suas armas, a acompanhante fará o que puder para mostrar a Tony que a verdade o libertará e que ele precisa fazer isso logo, antes que perca Hector para sempre. Mas será Tony capaz de revelar o seu segredo mais secreto e colocar toda a sua vida em risco?

Querem saber o que vai acontecer? Então não deixem de ler!

***

Depois que li Fevereiro e odiei com todas as minhas forças, minhas expectativas para com Março estavam baixíssimas. Porém, na Bienal em São Paulo eu não tinha nada para ler e um exemplar de Março estava ali dando sopa. Resolvi encarar, como quem não quer nada, e me surpreendi com o que encontrei. Acho que consegui restaurar a minha fé na série depois desse volume.

A escrita de Audrey Carlan está mais envolvente nesse terceiro exemplar. Me vi devorando a obra em uma única sentada, sem pausas. A autora conseguiu me cativar com a história de Tony e Hector e me fazer torcer pela felicidade dos dois, cada vez mais. E acima de tudo, conseguiu redimir Mia de seus atos condenáveis.

Em Fevereiro, Mia caiu demais no meu conceito e até lhe dei um apelidinho que não vale a pena mencionar. Suas atitudes um tanto libertinas em demasia me incomodaram e nem posso dizer que aqui ela está diferente, porque não está, mas ficou um tanto mais resguardada. Adoro mulheres com a mente mais aberta e livres de certos pudores, só que às vezes Mia mostrava isso em excesso e ia totalmente contra os seus próprios princípios.

Como a série é erótica, é certo que teremos sexo no decorrer dos livros. Só que como o cliente do mês é gay, não sabia como Audrey faria para inserir isso no contexto da trama. Então, me espantei quando a autora trouxe de volta um personagem tão amado para passar uma noite com Mia e dar aquele toque mais quente ao enredo. As cenas dos dois juntos foram intensas e na medida certa.

Sobre Tony e Hector, só tenho a dizer que me apaixonei por eles. Mia fez algo útil nesse período e conseguiu aproximar ainda mais o casal e dar uma grande lição acerca de preconceito e do fato de que não devemos esconder quem realmente somos, e sobre como isso afeta a nossa felicidade. Impossível de não se encantar

Meu único problema com o Março foi o final. A autora criou todo um drama em cima dessa revelação de Tony e o desfecho foi um tanto quanto simplório demais. Sei que pela coleção ser gigante, as narrativas acabam sendo curtas e Audrey fica impossibilitada de se aprofundar em seus textos, mesmo assim, achei que a autora poderia ter ido por um outro caminho nesse caso, que teria me agradado muito mais. Uma pena, porque esse volume tinha o potencial para ser um dos meus favoritos.

A edição física segue o padrão dos anteriores. O vestido da capa não é um dos meus preferidos, mas também não é o pior da série. As páginas são amareladas, a fonte é grande e a diagramação é simples. A revisão está impecável. Não me lembro de ter encontrado erros.

A Garota do Calendário: Março foi uma leitura satisfatória, que me fez ter ânimo para seguir adiante. Em breve conto para vocês o que achei das próximas obras. Agora deixo aqui a minha recomendação e o pedido para que leiam livres de prejulgamentos!

A Garota do Calendário: Março - Audrey Carlan
Livro 03
Série A Garota do Calendário
Editora Verus
144 páginas
Comprar: Saraiva / Amazon
Nota 4

4 comentários

  1. Olá!
    Minha opinião foi igualzinha a sua!!!
    Fevereiro tb n me agradou em nada, mas Março me fez qrer continuar a ler a série!
    Ótima resenha, parabéns!

    Bjoooos
    muitospedacinhosdemim.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. assim eu sei que vc disse que era para ler ser prejulgamentos, mas eu não consigo
    eu não tenho problema com ser um livro erótico.
    mas a motivação da mia, sei lá, faz com que eu fique meio pé atrás! sem falar que são livros demais para pouca história
    não sei, acho que só leria se eu ganhasse (ou se eu descobrisse que o pai e o ex dela sofresse muito)

    ResponderExcluir
  3. Oi, tudo bem?
    Não tenho interesse nenhum na leitura dessa série,a premissa não me chama a atenção. Mas para os fãs do gênero e da autora, deve ser uma boa leitura. Ótima resenha. Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Amo esses filmes de epoca e sou viciada nas adaptações de Jane Austen. Adoro esse filme mais o meu favorito sempre vai sem Orgulho e Preconceito.

    ResponderExcluir