Resenha - A Garota do Calendário: Abril

Sinopse: "Mia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. Ela tem um ano para pagar o agiota que está ameaçando a vida de seu pai por causa de uma dívida de jogo. Um milhão de dólares, para ser mais exato. A missão de Mia é simples: trabalhar como acompanhante de luxo na empresa de sua tia e pagar mensalmente a dívida. Um mês em uma nova cidade com um homem rico, com quem ela não precisa transar se não quiser? Dinheiro fácil. Parte do plano é manter o seu coração selado e os olhos na recompensa. Ao menos era assim que deveria ser... O cliente de abril é o astro do beisebol Mason Murphy, de Boston, que precisa de Mia a seu lado para melhorar sua imagem com os patrocinadores. Mason não está acostumado a ouvir “não” de mulher alguma, e Mia vai representar o desafio supremo para ele."
ATENÇÃO! Este livro possui cenas de sexo e linguajar obsceno. Não recomendado para os menores de idade. Leiam a resenha por sua conta e risco! 
 
ALERTA! Esta resenha pode conter spoilers dos livros anteriores da série. Leiam por sua conta e risco!

Nesse quarto volume da série A Garota do Calendário, Mia saiu de Chicago e foi para Boston. Seu cliente da vez é o arremessador do time de beisebol Red Sox, Mason Murphy. O jovem está vendo a sua carreira deslanchar, mas a sua imagem não está muito boa diante dos patrocinadores, já que ele é sempre associado a festas, mulheres e confusão. A função de Mia é fingir ser a namorada de Mason durante o mês de abril e ajudá-lo a se redimir perante à sociedade.

Esse é com certeza o trabalho dos sonhos da garota. O Red Sox é seu time favorito e ela poderá passar os seus dias usando jeans e camiseta, ao invés aqueles vestidos de grife que já estava habituada. O problema é que Mason não é uma pessoa muito fácil de lidar. Um tanto quanto inconsequente e machista, Mace não sabe como tratar bem uma mulher e não aceita ouvir um não como resposta. Porém, conforme Mia vai o conhecendo, mais vai percebendo que tudo isso não passa de uma fachada.

Mason e sua relações públicas, Rachel, são perdidamente apaixonados um pelo outro, entretanto, nenhum deles dá o braço a torcer em nome dessa paixão. Enquanto Mace é o cara das festas e bebidas, Rachel é toda certinha, um verdadeiro anjo. Apesar de Mia ter sido contratada apenas melhorar a imagem de Mace, não custa nada dar uma forcinha para o jogador ficar com a Rachel, certo? Assim sendo, Mia usará de todas as suas armas para unir esse casal, mas a sua missão não será nada fácil como ela imaginava...

Querem saber o que vai acontecer? Então não deixem de ler!

***

Após ter recuperado as minhas esperanças com a série em Março, resolvi não criar expectativas para Abril e esperei para ver onde ia dar, curioso para saber se a obra iria me surpreender positiva ou negativamente. Apesar de Abril não ser ruim, com certeza decaiu em comparação ao volume anterior.

Em Abril, Audrey Carlan deu uma amenizada em seu repertório de caras perfeitos e excêntricos para trazer um homem mais "comum" à trama. Mason tem inúmeros defeitos e, com a ajuda de Mia, vai tentar consertá-los. É a primeira vez que vejo Mia realmente sendo útil para alguma coisa. Seu trabalho de cupido, apesar de abusar de uns métodos não muito eficazes, também foi bastante interessante e me vi torcendo por Mace e Rachel.

O que me incomodou aqui foi novamente a afloração do lado libertino de Mia, do seu fogo na pepeca! Eu entendo que ela é uma mulher que gosta de sexo e necessita dele para ser feliz, mas caramba. Ela ficava com tesão o tempo todo e passou grande parte do livro com a calcinha molhada, pensando em se tocar, fora o fato de que momentos íntimos de outras pessoas eram invadidos por Mia, que parecia estar agindo como uma voyeur. Miga, sua louca, melhore!

Para piorar, um personagem de um dos exemplares anteriores que detestei muito está de volta para, literalmente, apagar o fogo de Mia. Ele surge, eles transam loucamente, e vai embora, sem nenhum acréscimo para a história. Senti que faltou ideias para Carlan desenvolver na narrativa e, sendo assim, penso que ela resolveu repetir a fórmula de Março, porém, utilizando um outro personagem não tão amado. Foi bem sem graça, devo confessar.

Quanto ao desfecho, foi empolgante, em certos aspectos, e recebemos uma grande lição sobre a influência das nossas ações na nossa vida amorosa. Audrey, por meio de Mia, provou que se amamos alguém de verdade, devemos correr riscos, contudo, sem nunca perdermos a nossa verdadeira essência. Achei a mensagem belíssima, mas não foi o suficiente para fazer o texto valer a pena.

A edição física está mais uma vez no padrão da série e essa capa é a que achei menos bonita até agora. O tom do vestido está um pouco escuro demais, de forma que se perde no fundo da imagem. A diagramação é simples, as páginas são amareladas e a fonte é grande. A revisão está ótima, mas encontrei alguns errinhos bobos no decorrer da leitura. Nada que prejudique o entendimento, mas poderiam ter sido evitados.

A Garota do Calendário: Abril é mais uma nuance na montanha-russa que essa coleção é. Espero que Maio eleve novamente os ânimos e me arrebate, já que é o melhor mês do ano (eu nasci em maio, então... Haha). Mesmo não tendo gostado tanto assim, eu deixo aqui minha recomendação. Agora que li um terço da série, com certeza vou terminar.

A Garota do Calendário: Abril - Audrey Carlan
Livro 04
Série A Garota do Calendário
Editora Verus

160 páginas
Comprar: Saraiva / Amazon
Nota 3

4 comentários

  1. Oi, Leonardo!
    Suas resenha sobre a série, são sempre muito bem elaboradas e esclarecedoras. Mas como sempre comento, não tenho interesse em ler, não é um estilo de leitura que eu goste e as premissas não me atraem. Desejo uma boa leitura para você, na continuidade da série. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Oi Leonardo!
    Não li esta série, já li resenhas que parecem valer a pena, mas já li algumas que me deixaram desanimada, então não sei se vou começar a ler a série.

    ResponderExcluir
  3. gente essa série tá parecendo uma montanha russa! um é bom o outro não o outro mais ou menos
    como eu disse na outra resenha por enquanto não tô afim de ler essa série. mas, pode ser que eu mude de ideia com o tempo (ou fique ainda mais abusada de tanto ver o nome dela por ai)

    ResponderExcluir
  4. Li o de Janeiro e estava gostando até chegar no final e ler as resenhas dos próximos livros...percebi que não era o tipo de história que gosto. Me lembrou a coleção "Angélica - Marquesa dos Anjos"...eu detestava a Angélica...Pronto fiquei bloqueada. Ainda estou analisando se vou continuar com a leitura desta série. Gostei do seu blog! Parabéns!

    ResponderExcluir