Resenha - O ano em que te conheci

Resenha - O ano em que te conheci
Sinopse: "Bem-vindos ao mundo imperfeito de Jasmine e Matt. Vizinhos, eles não têm o menor interesse em tornarem-se amigos e nunca haviam se falado antes. Estavam sempre ocupados demais com suas carreiras para manter qualquer tipo de contato. Jasmine, mesmo sem nunca tê-lo encontrado, tem motivos para não suportar Matt. Ambos estão em uma licença forçada do trabalho e sofrendo com seus dramas familiares. Eles precisam de ajuda. Na véspera de Ano-Novo, os olhares de Jasmine e Matt se encontram de forma inusitada pela primeira vez. Eles têm muito tempo livre e precisam rever seus conceitos para poder seguir em frente. Conforme as estações do ano passam, uma amizade improvável lentamente começa a florescer. Uma história dramática, original e divertida como só Cecelia Ahern é capaz de escrever."
Jasmine, apesar de ter nome de planta, nunca foi uma flor de pessoa. Obrigada a ter tido que encarar as dificuldades da vida desde pequena em razão da morte precoce da mãe, das negligências do pai e da necessidade de ter que cuidar de sua irmã mais velha, com Síndrome de Down, desenvolveu uma mania por controle de maneira exacerbada, fazendo com que se tornasse muito egoísta e fechada para o mundo. Tudo tinha que sair conforme a sua vontade e os seus planos, caso contrário, o caos na Terra se instalava.

Com pouco mais de 30 anos, Jasmine tinha a vida que havia pedido a Deus. Muito bem sucedida profissionalmente, iniciou sua carreira criando empresas do zero e depois vendendo-as por muitos dígitos. Morava numa casa linda, em um bairro sossegado; e não tinha namorado, pois era muitooo ocupada; e nem queria ter filhos, desde criança sempre soube disso.

Jasmine vivia para a Heather e para o trabalho. Era lá que tudo fazia sentido. Quando é que ela poderia imaginar que seria demitida da sua própria empresa e posta em licença remunerada sem poder ser contratada por nenhuma outra firma pelo período de 1 ano????

A mulher quase surtou! Nunca se viu tão perdida, tão sem rumo, tão sozinha. Curiosamente, o véu que a cegava pareceu cair, e a cada dia que Jasmine acordava em sua cama, sem compromisso algum, percebia um detalhe sobre si mesma e a respeito dos outros que lhe escapara por tanto tempo.

Foi assim que começou a vigiar Matt, seu vizinho da frente, por quem nutria um ódio mortal. Eles estavam no mesmo barco, compartilhando a fossa por motivos diferentes e isso enojava Jasmine. Ela não queria ser como Matt e precisava dar a volta por cima, mas será que é possível se refazer quando não permitimos ser ajudados?

Querem saber o que vai acontecer? Então leiam!

***

Sou apaixonada por Cecelia Ahern desde que li A vez da minha vida. Assim como Jojo Moyes, acho que ela tem a capacidade de escrever sobre o cotidiano de maneira delicada e inspiradora, sem ser clichê ou melosa demais, algo que não suporto.

Quando soube do lançamento de O ano em que te conheci, me joguei na leitura sem nem mesmo saber sobre o que se tratava, e me surpreendi demais, a começar pela narrativa, que é diferente. Apesar de ser escrita em primeira pessoa, Jasmine não fala conosco, mas sim com Matt, o tempo todo, e conta a ele como foi o ano em que o conheceu e tudo o que aconteceu com ela nesse período.

Seu relato, que se inicia de maneira muito raivosa e ressentida, vai se transformando ao longo das páginas conforme as estações do ano vão chegando, até finalizar de maneira muito esperançosa, tocando o meu coração.

"Para poder voar, é preciso limpar a merda das próprias asas. O primeiro passo é identificar merda. Pronto."

Gostei muito da forma como Cecelia relacionou os nossos problemas com o microssistema e o funcionamento de um jardim, algo que ilustrou perfeitamente o momento pelo qual Jasmine estava vivenciando, e não foi à toa que a autora decidiu dar esse nome a ela. Um dos primeiros insights que a protagonista teve foi do quanto seu quintal estava estéril e abandonado, simbolizando inteiramente o âmago do seu ser. Quando ela decide mudar a situação do gramado em frente à sua casa, é quando vemos a sua primeira tentativa de modificar a sua vida, e é lindo de ver todas as etapas pelas quais ela vai passando até presenciarmos o seu jardim no ápice de beleza e esplendor, assim como Jasmine.

"Milagres só crescem onde vocês os planta."

Mas o motivo pelo qual esse livro me pegou de jeito foi pelo fato de Ahern ter inserido na trama uma personagem com Síndrome de Down. Eu não tenho ninguém com essa doença em minha família ou em meu círculo pessoal de amigos, e não sei explicar o porquê, mas nutro um carinho especial por quem tem Síndrome de Down e Autismo. Sempre acho que eles são mal entendidos e não valorizados por quem são, vistos apenas por trás do rótulo que suas doenças significam.

Na obra, Heather, irmã de Jasmine, é uma mulher excepcional, no melhor dos sentidos, que vive nos dando lições o tempo todo e que mostra que a síndrome não a representa, apenas faz parte de uma faceta de quem ela é. Heather é uma das maiores responsáveis por Jasmine ser tão controladora e muitas vezes imatura, e será essencial para as mudanças que estão por vir no desenvolvimento do enredo.

Se tudo isso não fosse o suficiente para me arrebatar, Cecelia ainda criou Matt, um personagem que a princípio nós deveríamos detestar, mas que, assim como Jasmine, percebemos que o julgamos errado, e aí vemos mais uma mensagem, de que como é fácil tirarmos conclusões precipitadas acerca de quem mal conhecemos, e que as verdadeiras amizades e ajudas podem surgir de onde menos esperamos.

Agradeci imensamente pela autora não ter criado um relacionamento romântico entre Jasmine e Matt, pois isso teria estragado a história. A força do texto se deu pelas descobertas feitas por ambos os personagens e seu consequente amadurecimento, uma jornada vivida em dupla, mas que acabou contando com colaboradores incríveis, que foram ganhando voz aos poucos.

O ano em que te conheci me reforçou a ideia de que não devemos tentar controlar tudo o que nos cerca e que, às vezes, o grande segredo da vida consiste em desacelerar, cuidar do jardim e ver as flores nascer.

O ano em que te conheci - Cecelia Ahern
Editora Novo Conceito
336 páginas
Comprar: Saraiva / Amazon
Nota 5

6 comentários

  1. Necessito ler e não faço a menor ideia de quando conseguirei! Difícil vida de leitora. hahaha

    Beijos,
    Postando Trechos

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Acho a capa desse livro tão linda! Gostaria muito de ler, pois a premissa é muito interessante. Adorei sua resenha, percebe-se uma leitura com uma bonita mensagem e muito reflexiva. Muito boa essa dica de leitura. Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Eu ja estava apaixonada desde que vi a capa. Agora com a resenha. Virou amor pra ontem. Preciso ler urgente

    ResponderExcluir
  4. Eu tenho um livro da autora para ler, porém até hoje não me deu vontade de começar a leitura.
    Porém, tenho curiosidade para ler este livro.

    ResponderExcluir
  5. Oi Mirelle!

    Tbm amo a autora, mas meu primeiro contato com ela foi PS eu te amo. Adoro esse livro e todos os outros que já li! Estou doida por esse livro mas ainda não consegui comprá-lo... quem sabe consigo na Bienal.

    Adorei sua resenha, Cecelia é maravilhosa neh?

    Bjo bjo^^

    ResponderExcluir
  6. Oi tudo bem..
    Nunca li nada da Cecelia ,mas se essa obra dela pode ser comparada a algo da Jojo Moyes,é porque o livro é realmente bom,é realmente bom ter umtema tao importante como a sindrome de down ,que pra sem sincera nunca li nada que tivesse o tema na historia,adorei a resenha aguçou bastante minha curiosidade.
    Um abraço e muito sucesso :)

    ResponderExcluir