Especial Pax - O melhor amigo do homem - Dia 2

E aí pessoal, sejam bem-vindos ao segundo dia da Semana Especial Pax. Se vocês estão aterrissando aqui agora e não sabem sobre o que se trata, leiam a resenha que fiz ontem, neste LINK, sobre a obra Pax, de Sara Pennypacker.

Quando falamos em "melhor amigo do homem" logo pensamos em um cachorro, certo? Errado. Sara optou por dar vida a uma raposa-vermelha, um animal selvagem muito inteligente pelo qual ela se apaixonou enquanto fazia as suas pesquisas.

Um dos diferencias dessa espécie é que ela se adapta facilmente, e isto ficou claro no texto, tanto quando Pax foi retirado do seu habitat por Peter e foi criado como um bichinho de estimação, como também quando retornou à natureza e foi obrigado a dar atenção aos seus instintos mais primitivos para aprender a sobreviver.


Pax passou fome, sede, frio, enfrentou perigos e ataques de outros bichos, precisou aprender a caçar e a comer o que tivesse à disposição, quase perdeu a vida por conta das ameaças dos doentes de guerra, mas a única coisa que realmente o preocupava era Peter, e esse sentimento de lealdade para com o seu amigo me tocou de uma maneira que nunca havia acontecido antes.

Por meio da narrativa da autora, tive a impressão de realmente adentrar na mente e no coração de Pax a ponto de enxergar as coisas sob o seu ponto de vista, e isso me deixou extremamente culpada. Explico: Sara deixou claro o quanto Pax era dependente de seu dono. Sua vida girava em torno dele. Pax aguardava ansiosamente Peter chegar da escola para brincar, sabia quando Peter estava chateado e tentava alegrá-lo, lambia suas lágrimas quando eram derramadas e sentia no ar o cheiro exalado pelas fortes emoções, pela raiva e pelos momentos que antecediam à violência, ficando sempre alerta para proteger seu menino. Peter ocupava seus dias com inúmeras atividades. Pax só tinha a ele e só queria saber dele.

Quando me dei conta disso meu mundo caiu, pois comparei meus gatos a Pax. Depois que a Úrsula nasceu, quantas vezes alguns deles ou todos vieram me pedir colo, atenção e carinho e eu recusei por estar dando de mamá, trocando fralda ou fazendo a bebê dormir? Quantas vezes vi nos olhos doces deles o sentimento de tristeza e rejeição? Quantas vezes não me importei, por estar atribulada e com outras coisas na cabeça?

Mas eles também sempre tiveram só a mim e ao meu marido e tínhamos aqui em casa uma rotina estabelecida em que eles possuíam não só imensa liberdade, mas também muita exclusividade. O pior de tudo é que, mesmo recebendo cotidianamente vários nãos, eles continuam nos amando, seguem fieis e tentando reocupar um pedaço dos nossos dias.

Pax, indiretamente, contribuiu para eu resgatar a minha relação com o Bóris, o Mikhail e a Misha, me fez questionar o que eles podem estar pensando ou sentindo, me fez enxergar diferentemente acerca de suas necessidades, e quando uma leitura se faz capaz de abrir os nossos olhos e agrega na nossa vida, isso não tem preço. Então, só tenho a agradecer à Sara e a Pax, essa raposinha mega fofa e corajosa que nos ensina diversas lições.

Tenho certeza de que todos que têm bichinhos em casa ou ama os animais, irá se sensibilizar com essa história.

5 comentários

  1. Oi Mirelle!

    Eu me apaixonei por sua resenha de Pax e claro, vou acompanhar essa semana tão especial.
    Gostei muito de saber mais sobre a obra e sobre o animal escolhido pela autora. A raposa-vermelha é linda demais!

    Bjo bjo^^

    ResponderExcluir
  2. Faz um tempo que estou querendo ler este livro e a cada post novo que vejo sobre ele me da mais vontade ainda de comprar.

    ResponderExcluir
  3. Oi Mirelli também tenho 1 cachorro e um gato que são irmãos mais velhos do meu filho. Tivemos que ter jogo de cintura para nos adaptar. Hoje eles sofrem nas mãos do meu filho mas não se largam. Adorei o post

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Que lindo esse post, você soube expressar muito bem seus sentimentos em relação ao livro e aos personagens. Ainda não li, mas com certeza também vou me identificar e pensar na minha gatinha, que aqui em casa é o centro das atenções, já que adotamos ela com 3 meses e hoje está com quase 5 anos! E a todos os animais que são abandonados, nesse nosso mundo. Sou muito emotiva e tenho certeza que essa leitura vai tocar fundo no meu coração. Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Oi tudo bem..
    Nossa achei super legal essa ideia de fazer um especial do livro que alias tô super curiosa pra ler,e realmente por ter um bichinho e por adorar animais e saber do amor de pax por peter é que fiquei com mais vontade de le-lo.
    Um abraço e muito sucesso :)

    ResponderExcluir