Resenha - Uma noite com Audrey Hepburn

Resenha - Uma noite com Audrey Hepburn
Sinopse: "A atriz Libby Lomax encontrou seu refúgio no mundo dos filmes clássicos, nos quais as deusas imortais favoritas da tela parecem oferecer muito mais romance do que a vida real. Depois de um dia terrível no set de filmagens, onde ela passou a maior vergonha de todos os tempos na frente do elenco inteiro e, pior, do astro sexy e notório bad boy Dillon OHara, tudo o que Libby consegue fazer é se jogar no sofá e assistir a Bonequinha de luxo pela milionésima vez. De repente, ela se surpreende ao ver a estrela do cinema, Audrey Hepburn, sentada bem ao seu lado, em seu vestidinho preto, clássicos óculos escuros e cigarrilha vintage, cheia de conselhos para dar. Mas será que Libby realmente é capaz de transformar sua vida de fracasso em um incrível blockbuster? Talvez, com um pouquinho da ajuda mágica de Audrey, ela até consiga."
Liberty Lomax não é uma garota de sorte. Abandonada pelo pai quando pequena, vivendo com uma mãe negligente que só sabia explorá-la, cresceu à sombra da irmã, uma jovem petulante, esnobe, fútil, que só queria ser famosa, custasse o que custasse.

Libby passou a vida toda entre audições de espetáculos, televisão e cinema, disputando pequenas pontas e participações insignificantes apenas para satisfazer a sua agente, que por acaso era a sua mãe. Mas ela sabia que não havia nascido para isso, apesar de nunca ter feito nada para mudar a sua sina. O que ela gostava mesmo era de fazer bijuterias e de assistir a clássicos do cinema, gosto este herdado por seu pai, uma das poucas coisas boas deixadas à filha.

Até que Libby parecia estar passando por uma boa maré, já que finalmente havia conseguido alugar o seu próprio apartamento, conseguido móveis de um almoxarifado do estúdio em Pinewood para decorá-lo, que Olly, seu melhor amigo, lhe levaria mais tarde; e diria sua primeira fala, depois de cinco anos, em um seriado para o qual foi contratada para ser um ET verruguento.

Só que é claro que tudo tinha que dar errado, e em grande estilo Hollywoodiano.

Em apenas um dia Libby conheceu um ator famosérrimo que fez suas pernas tremerem e deu o maior vexame na frente dele, botou fogo no próprio cabelo e foi demitida. Além disso, o seu senhorio achou que seria melhor dividir seu já pequeno apartamento em dois, para lucrar com mais um inquilino e, assim, Libby se viu em um cubículo com parede de gesso e sem banheiro. Para piorar, os móveis que escolheu com tanto cuidado foram trocados por outros caindo aos pedaços e, ao final do dia, Libby estava em uma lata de sardinha, sozinha, cheia de caixas, com um único móvel composto por um sofá gigante Chesterfield fedendo à cachorro, com o cabelo mais parecendo um esfregão de privada.

Então, não podemos julgá-la por ter visto Audrey Hepburn em pessoa, ou em fantasma, bem na sua frente, certo?

Audrey sempre foi a sua diva. Desde criança Libby fantasiava sobre as conversas que as duas teriam e os conselhos que receberia de sua fada madrinha. E pelo visto seu desejo se realizou, já que as visitas de Audrey ao seu apartamento se tornaram frequentes.

Mas afinal, o que está acontecendo com Libby? Será que ela conseguirá dar um jeito nessa confusão que se tornou a sua vida?

Querem saber o que vai acontecer? Então leiam!

***

O livro me ganhou pela capa e por trazer em sua história esta pessoa tão icônica que é Audrey Hepburn, de quem me tornei fã depois de assistir ao filme Sabrina. Achei a premissa da obra fantástica e estava louca para saber como o enredo seria desenvolvido pela autora.

De início, senti um certo estranhamento com a narrativa, em primeira pessoa. A trama começa em 1999, quando a protagonista tinha somente 13 anos, e achei o texto tão adulto que não consegui associar a uma adolescente falando. Depois, pula para quando Libby já tem 29 anos, e nada na escrita de Lucy muda, me fazendo questionar a falta de amadurecimento da personagem ou uma mudança significativa em sua vida após um salto tão grande de tempo. Entretanto, na medida em que fui avançando na leitura, percebi que talvez a autora tenha feito isso de propósito, já que fica claro a estagnação na qual Libby se encontra.

Afora isso, preciso dizer que me matei de rir com este texto. Sou fanática por chick-lits e este não ficou nem um pouco aquém dos que costumam me agradar, já que possui humor, drama e romance na medida certa. Tá certo que Sophie Kinsella tem o hábito de construir personagens desastradas, mas tá para nascer alguém tão azarado quanto Libby.

As minhas cenas favoritas são, claro, as estreladas por Audrey Hepburn. Lucy foi muito criativa ao desenvolver os diálogos entre as personagens e as interações de Audrey com a tecnologia do século XXI, pela qual ficou fascinada. Ademais, as características marcantes da atriz estão tão presentes que juramos que ela voltou dos mortos de algum modo.

Odiei com todas as minhas força a família de Libby, eles representam tudo o que abomino em um ser humano, e amei demais Nora e Olly, seus melhores amigos. Pena que eles tiveram uma pequena participação no decorrer das páginas.

Quanto ao final, se eu não tivesse pesquisado e descoberto se tratar de uma trilogia, teria simplesmente surtado, porque ele acaba totalmente em aberto e não acontece exatamente o que eu queria. Só espero que a Editora não tarde a trazer a continuação, que será com Marilyn Monroe, para eu poder descobrir o que vai acontecer com Libby.

Uma noite com Audrey Hepburn é um livro para quem quer se divertir e passar o tempo. Tenho certeza de que muitos irão se identificar com os dilemas da protagonista, uma mulher que se acha feia, gorda, que não serve para nada e que nunca acredita que tem o direito de ser plenamente feliz, fazendo o que o seu coração mandar.

Leiam e embarquem nessa aventura cheia de emoções. Quem sabe depois disso vocês não recebem uma visita inesperada?

Uma noite com Audrey Hepburn - Lucy Holliday
Livro 01
Editora Harper Collins
272 páginas
Comprar: Saraiva / Amazon
Nota 4

3 comentários

  1. Nossa a história parece ser muito divertida, adorei o enredo e fiquei bem curiosa para ler.

    Eu fui pesquisar e parece que já lançaram o segundo e a capa é tão linda quanto esta.

    ResponderExcluir
  2. Oi Mirelle!!!!

    Olha, não sou fã do gênero, mas gostei tanto da sua resenha que fiquei mega curiosa para lê-lo! Confesso que nunca compraria pela capa, mesmo com o nome da Audrey em destaque (Tbm amo Sabrina! Época boa neh? rsrsrsrsr).

    Vou adicioná-lo na minha lista de desejados e espero ter a oportunidade de lê-lo em breve!

    Bjo bjo^^

    ResponderExcluir
  3. Amei a resenha e estou super afim de lê-lo!!!
    Parece ser bem divertido, além de trazer um fundo reflexivo, e também curto muito a Audrey!
    Imagine com a Marilyn então? Loucura total! kkkkkk
    bjos

    ResponderExcluir