Resenha - A Queda dos Reinos

Resenha - A Queda dos Reinos
Sinopse: "Nos três reinos de Mítica, a magia estava esquecida desde tempos imemoriais. Depois de séculos de uma paz mantida a muito custo, certa agitação começa a emergir. Enquanto os governantes lutam cegamente pelo poder, seus súditos têm suas vidas brutalmente transformadas com a eclosão repentina da guerra. É assim que o destino de quatro jovens - três herdeiros e um rebelde - acabam interligados para sempre. Cleo, Jonas, Lucia e Magnus vão ter de lutar, cada um à sua maneira, em um mundo revirado pela guerra, onde imperam traições inesperadas, assassinatos brutais, alianças secretas e paixões arrebatadoras."
A magia já foi bastante comum em Mítica, entretanto, desde a guerra que culminou na morte das duas deusas rivais, Cleiona e Valoria, mil anos atrás, as pessoas que dominam o elementia - capacidade de controlar os quatro elementos: fogo, água, ar e terra - vêm sumindo gradativamente. Em algumas localidades do continente elas até passaram a ser caçadas, como é o caso do reino Limeros.

Uma terra gélida no extremo norte de Mítica, Limeros é governada pelo rei Gaius Damora, o Rei Sanguinário, que rege usando o medo para subjugar todos que se opõem a ele, e que persegue os bruxos - pessoas capazes de usar elementia. Seu filho, Magnus, caminha sobre os mesmos passos do pai e guarda um importante segredo, assim como sua irmã, Lucia, que é uma das poucas pessoas de sua terra que ainda adora a deusa Valoria.

Em Auranos, uma região próspera, o rei Corvin Bellos proporciona uma boa vida para seu povo e suas filhas, Emília e Cleiona. Emília, a mais velha e a herdeira do trono, comporta-se como uma digna princesa, já Cleiona - que recebeu o nome da deusa que seus súditos adoram - não é devota à deusa e não crê na magia como a sua irmã, e ainda vive aprontando, sendo uma constante dor de cabeça para seu pai.

Espremida entre os dois reinos se encontra Paelsia, uma nação que vem definhando ao passar dos anos em um chão estéril. Abandonada por seus vizinhos, a população do lugar vende seus saborosos vinhos - a única coisa que cresce em seu solo - a preços miseráveis para conseguir o mínimo para sobreviver, e muitos não resistem à chegada do inverno. Ainda assim, essas pessoas acreditam que seu líder, Hugo Basilius - a quem adoram como um deus -, irá mudar seus destinos. Porém, alguns estão fartos de esperar, como Jonas Agallon, que faria tudo por seus conterrâneos, até invadir os reinos próximos.

O plano de Jonas não tardará a se realizar, um conflito entre os três reinos está próximo a eclodir, afetando a vida de todos. Inflamadas por seus objetivos, a maioria dos habitantes de Mítica só pensa em conquistá-los, ao invés de se unirem em busca da Tétrade, o objeto que pode impedir a morte do continente, que vem se tornando um mundo inabitável ao longo dos anos com a ausência da magia.

Querem saber o que acontece? Então corram para ler o livro!



***

Eu nunca havia ouvido falar de Morgan Rhodes e de seu trabalho até o dia em que a Mirelle me apresentou Maré Congelada, o quarto volume da saga A Queda dos Reinos - mesmo nome do livro dessa resenha -, e me encantei pela capa e pela sinopse. Amo histórias que envolvem a manipulação dos quatro elementos da natureza e que se passam no período medieval, e não perdi a oportunidade de mergulhar nessa.

Para minha surpresa, A Queda dos Reinos não é uma obra sobre grupos de pessoas que controlam os elementos e que os usam em batalhas épicas. Isso acontece na história, o uso dos elementos está lá, não se enganem, mas a trama é muito mais complexa. Até porque, como eu disse acima, a magia está se esvaindo de Mítica, então, como poderiam ter magos voando, andando sobre as águas, cuspindo fogo e erguendo montanhas por todos os lados?

No meu ponto de vista, A Queda dos Reinos é como As Crônicas do Gelo e Fogo, só que melhor.

Não entrarei em detalhes sobre a minha opinião quanto ao livro do George Martin, essa resenha não é para isso, mas eu os comparo porque ambos têm elementos fantásticos, conflitos de poderes, guerra entre reinos e disputa política. Ah, sem falar que aqui também morre muita gente, então aconselho a vocês não se apegarem muito aos personagens.

Quanto ao lado político do livro da Morgan, não é tão incrível como no do George - devo reconhecer que ele cria enredos mirabolantes nesse campo -, mas eu gostei de a autora ter explorado essa vertente, porque escrever sobre reinos em uma época medieval sem brigas políticas não existe, não pode haver apenas atritos de espadas, tem que ter todo um conflito por trás, envolvendo todos os reinos e mostrando as consequências que as decisões dos líderes trarão aos seus povos.

A Queda dos Reinos é narrado em terceira pessoa e acompanhamos os passos de Cleiona (Cleo), Jonas, Magnus e Lucia, e em alguns poucos casos, somos guiados por outros personagens. Algo que me agradou na obra da Morgan foi a humanidade atribuída às pessoas. Quem acompanha minhas resenhas sabe o quanto reprovo personagens perfeitos e aprecio aqueles com falhas e, aqui, mesmo os que aparentam ser mais puros já tomaram decisões egoístas, erradas e atitudes extremas devido aos seus sentimentos.

Agora também teve algo que me incomodou neles: a superioridade que os adolescentes possuem sobre as pessoas mais velhas. Mais da metade dos personagens está na faixa etária entre 15 e 18 anos, e em muitas ocasiões eles parecem ser mais inteligentes e fortes que os adultos, até mesmo que os reis e as bruxas. Em mais de uma situação as crianças colocaram os adultos contra a parede e os deixaram desnorteados e derrotados.

Eu sei que para o público da Morgan é interessante dar tanto destaque a personagens tão novos, no entanto, imagino que algumas das atitudes que foram tomadas condiziam mais com gente mais maduras. O comportamento, a fala e a atitude deles me fez esquecer várias vezes que eu estava acompanhando jovens. Se o livro não me lembrasse constantemente de suas idades, ao término da leitura eu teria esquecido completamente.

Ainda sobre as falas, algumas - não muitas - me pareceram meio incoerentes com o período da narrativa. Tem certas palavras e jeitos de se comunicar que simplesmente não se enquadram em uma história medieval e transmitem um ar irreal ao texto. Eu também esperava alguns diálogos e cenas que não ocorreram. A Morgan elabora demais cada personagem, se aprofunda sobre seus conflitos e a respeito de como as consequências de seus atos os afetam, isso é bastante bom, mas sinto que faltou desenvolver alguma coisa.

Como quando ocorreu a última empreitada da Cleo. Tinha que ter um diálogo com o Aron! Devido ao que ela fez e ao laço do contexto que prendia os dois, nós tínhamos que ter visto essa conversa, mas a autora apenas passou por cima disso. Em contrapartida, há alguns capítulos que eu descartaria do enredo, como aqueles dedicados aos vigilantes.

Eu sei que eles são muito importante para o universo de A Queda dos Reinos, isso é indiscutível, mas eu penso que eles poderiam ter sido guardados para os próximos volumes, assim, aprenderíamos sobre eles através dos demais personagens, como de fato aconteceu, portanto, não havia necessidade de visitarmos o Santuário agora, já que participação deles é muito pequena no decorrer das páginas. Houve inclusive momentos que eu os esqueci, e quando surgia um novo capítulo protagonizado pelos vigilantes me passou pela cabeça algo como: “Ah é, esses caras estão nessa história também”.

Apesar dos pesares, A Queda dos Reinos é um bom livro e confesso que estou curioso para saber com o que iremos nos deparar após o gancho que o final do primeiro volume deixou. E, podem ter certeza, eu trarei a resenha da continuação para vocês.

A Queda dos Reinos - Morgan Rhodes

Livro 01
Série A Queda dos Reinos
Editora Seguinte
400 páginas
Comprar: Saraiva / Amazon
Nota 4

6 comentários

  1. Oi Laplace!

    Eu tbm adorei a capa e tenho este livro na estante, mas ainda não o li. Ganhei a versão prova de editora em um sorteio e como são vários livros, preferi deixar para ler depois que tivesse todos.... ledo engano, ainda nem consegui comprar o segundo! rsrsrsrsrsrs

    Gostei muito da sua resenha, só me deixou mais curiosa com o enredo. Gostei ainda mais da comparação com GoT.

    Bjo bjo^^

    ResponderExcluir
  2. Oi Ana Paula!

    Obrigado! Corre para conseguir os demais volumes, porque a história só melhora, viu. Eu li o segundo (vai sair resenha dele aqui também) e a trama deu uma melhorada grande, estou muito ansioso para ler os volumes seguintes.

    ResponderExcluir
  3. Confesso que esta história não tinha me interessado muito, mas adorei sua resenha quem sabe um dia dou uma chance. rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Naiara!
      Obrigado, pensa mesmo em dar uma chance, vale a pena.

      Excluir
  4. Eu também não conhecia a série, só de nome, na verdade.
    Mas gostei muito da sua resenha, parece ser um mundo bem original e viciante, além de não ter tantas mortes como Guerra de tronos, que eu não leio exatamente por isso kkk
    bjss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Ana!
      O livro é muito bom mesmo, mas lamento te informar: tem muita morte sim no livro. kkkkkk

      Excluir