Resenha - A Guardiã de Histórias

Resenha - A Guardiã de Histórias
Sinopse: "Imagine um lugar onde, como livros, os mortos repousam em prateleiras. Cada corpo tem uma história para contar, uma vida disposta em imagens que apenas os Bibliotecários podem ler. Aqui, os mortos são chamados de Histórias, e o vasto domínio em que eles descansam é o Arquivo. Mackenzie Bishop é uma implacável Guardiã, cuja tarefa é impedir Histórias geralmente violentas de acordar e fugir do Arquivo. Naqueles domínios, os mortos jamais devem ser perturbados, mas alguém parece estar, deliberadamente, alterando Histórias e apagando seus trechos essenciais. A menos que Mac consiga juntar as peças restantes, o próprio Arquivo sofrerá as consequências."
O mundo conhecido por Mackenzie Bishop é divido em três cenários distintos: o Exterior, que é onde nós vivemos; os Estreitos, local para onde as Histórias que acordam ficam vagando em busca do caminho de volta para casa; e o Arquivo, uma biblioteca que cataloga a história dos mortos. Trancados e protegidos por portas com fechaduras especiais, cada um desses lugares tem as suas peculiaridades para um guardião, e só podem ser abertos com a chave confiada a cada um deles. 

Desde pequena Mackenzie Bishop foi treinada e preparada por seu avô para se tornar uma Guardiã. Com a doença de Da e sua morte precoce, a menina herdou o título muito cedo e se tornou a mais jovem guardiã antes conhecida. Seu papel é manter em segurança os segredos do Arquivo e impedir que Histórias que acordam se desgarrem e fujam para o mundo exterior. Quando uma História desperta, seu nome e idade são descritos na lista que Mac carrega em seu bolso e seu dever é devolver essas Histórias para o Arquivo e manter essa lista sempre zerada

Contudo, levar uma História até o Retorno não é algo tão fácil como parece, e muitas vezes nossa protagonista precisa usar muito mais do que a lábia para convencê-las, precisa obrigá-las por meio da força física, afinal, quanto mais tempo uma História permanece nos Estreitos, mais chances há de se desgarrarem e de se tornarem agressivas.  

Após a morte de Da, Mackenzie vem desempenhando bem o seu papel, mas com a perda recente de seu irmão caçula, Ben, Mac vê sua família se desestruturar aos poucos. Em busca de um recomeço, tentando fugir das lembranças que a antiga casa possui, seus pais decidem se mudar para o Coronado, um antigo hotel transformado em um edifício residencial. Longe das lembranças de Ben e da melhor amiga Lindsey, a menina se percebe cada vez mais solitária. 

Quando um guardião muda de endereço ele também muda de território e precisa lidar com as Histórias daquele lugar em específico. Até então tudo deveria estar indo conforme o planejado, a não ser pelo fato de Mac se dar conta de que, desde sua chegada ao Coronado, sua lista de tarefas triplicou, parecendo cada vez mais impossível mantê-la em dia.  

Por tratar-se de um lugar muito antigo, o hotel possui muitas lembranças bizarras e mal contadas, uma delas refere-se a um assassinato que Mac descobre ter acontecido décadas atrás em seu próprio quarto, algo que a deixa extremamente inquieta e curiosa. Usando seu dom de ler as lembranças de cada local com seu toque, Mackenzie tenta descobrir pistas sobre o caso, porém, quase todos os vestígios da lembrança parecem ter sido removidos. Sem entender o motivo de alguém ter apagado essas memórias, seu lado investigativo vem à tona e Mackenzie tentará a todo custo descobrir o motivo de tais provas terem sido deletadas

Com a ajuda de Roland, um dos bibliotecários do Arquivo, Mac começa a sondar e desvendar mais mortes que aconteceram no Coronado, todas dentro do mesmo período do assassinato que aconteceu em sua casa. No entanto, quanto mais tentam avançar nas averiguações, mais Histórias começam a acordar, tornando a tarefa de nossa guardiã quase que impossível. Em pouco tempo começa a ficar claro que a dificuldade que o Arquivo está tendo para manter suas Histórias nas gavetas pode estar relacionada as mortes que ocorreram no Coronado.

Quando li a sinopse de A Guardiã de Histórias pela primeira vez, tive a certeza de que prenderia minha atenção desde o inicio e isso certamente aconteceu.
O mundo apresentado pela autora é completamente diferente de tudo que já li. É inteligente, ousado e simplesmente fantástico. Vi-me envolta durante a leitura e consegui imaginar cada situação ocorrida devido à riqueza de detalhes que, em minha opinião, foi descrita na medida certa.  

A narrativa em primeira pessoa nos limitou à perspectiva de Mackenzie e de fragmentos do passado vividos com seu avô. Achei interessante essa escolha da autora, pois permite que o leitor descubra cada minúcia do contexto ao mesmo tempo em que a personagem, nos possibilitando compartilhar das emoções da menina a cada nova revelação

Mackenzie é uma personagem que me conquistou de imediato. Ela é forte, corajosa e não fica de mimimi à toa, pelo contrário, mesmo em meio a duas perdas tão significativas, ela conseguia desempenhar seu papel e guardar o mundo dos mortos, mesmo sabendo que Da e Ben também estavam arquivados ali tão próximo. Outro personagem que ganhou toda a minha simpatia foi Wesley, um rapaz misterioso e divertido que tem muito em comum com Mac. Ambos se se tornam amigos e confidentes rapidamente e isso foi algo que deu ainda mais graça ao enredo. 

Sobre o desfecho da obra, Schwab conseguiu me surpreender e me enganar ao mesmo tempo, já que tive a certeza de que conhecia bem um dos personagens que, ao final, se revelou ser muito diferente. Não posso contar o que houve, só vocês lendo para saber, só posso adiantar que a conclusão do livro foi alucinante. 

Em relação à edição física, a capa remete bem à trama e sua cor lembrou-me de os Estreitos, local onde a protagonista passa grande parte do enredo. A diagramação é simples, as folhas são amareladas e as letras estão em um tamanho agradável para a leitura. A minha única reclamação é em relação a revisão que deixou um pouco a desejar. 

A Guardiã de Histórias foi para mim uma grata surpresa, cheia de mistérios, segredos e muita emoção, com uma composição que fugiu do óbvio e conseguiu me prender até a última página. Trata-se de uma escrita diferente e extremamente viciante. Leiam, vocês não irão se arrepender. 

A Guardiã de Histórias - Victoria Schwab
Livro 01
Série The Archived
Editora Bertrand Brasil
322 páginas
Comprar: Saraiva / Amazon
Nota 5 

3 comentários

  1. Oi Glaucia!

    Eu havia visto a capa deste livro não me lembro onde e até gostei, mas não cheguei a ler a sinopse. Lendo sua resenha agora, percebo que deixei passar um belo enredo e que, com certeza, tbm me encantaria pela obra.

    Parabéns pela resenha. Vc conseguiu me deixar curiosa, e c;laro que quero conhecer Mac tbm!

    Bjo bjo^^

    ResponderExcluir
  2. Esse livro tem tudo pra me agradar também, adoro esses histórias um pouco diferente que foge do habitual, com certeza este livro vai pra minha listinha de compras rsrs.

    ResponderExcluir
  3. Amei a premissa e a capa!!
    Achei o máximo ter todo esse clima literário, bibliotecários, e o que acontece com as almas é bem bacana e diferente!
    Quero muito ler!
    bjão
    elvisgatao.blogspot.com

    ResponderExcluir