Vamos debater - Preconceito Literário

Vamos debater - Preconceito Literário
E aí pessoal, hoje eu vou falar sobre um assunto que simplesmente me tira do sério: o preconceito literário.

Eu estou simplesmente cansada de ver pessoas julgando, criticando, rotulando e apontando não só livros que consideram como subliteratura ou de péssima qualidade, como quem os lê.

Nem todos os livros vieram ao mundo para instruir ou mudar as nossas vidas. Alguns servem mesmo apenas para nos divertir ou acalentar a nossa alma, e isso não os faz ser melhores ou piores do que os outros. 

Fala sério, quem sou eu, quem é você, para apontar o dedo para um livro dizendo que ele é ruim e não deve ser lido?

Que critérios são utilizados para mensurar a qualidade, o conteúdo do texto ou da história, ou se ela é boa ou ruim? Do jeito que escuto falar por aí, até parece que existe uma listagem oficial, pregada na parede da Academia Brasileira de Letras e nas Faculdades de Letras, com itens que condenam um livro a se tornar um reles "Xing Ling", ou, em outras palavras, uma cópia barata de um clássico literário.

"Ah, esse livro não discute o sistema prisional sob a ótica da teoria sistêmica estudada por Fritjof Capra". - Não deve ser lido!

"Ah, esse outro aqui, não aborda a alegoria da Caverna de Platão." - Não deve ser comercializado, quiçá, posto numa vitrine de uma livraria, pois isso é uma afronta aos grandes escritores!

Ok, fui bem irônica e extremista nos exemplos que dei acima, mas vocês entenderam onde quis chegar, né?

Grande prova de que isso não funciona são as fanfics que, normalmente, são escritas de forma completamente amadora, sem nenhuma estrutura ou revisão gramatical, e estouram entre os entusiastas.

Infelizmente, ao categorizar o que é ou não é considerado literatura, os preconceituosos colocam ainda mais obstáculos entre um possível leitor e o livro pelo qual ele veio a se interessar, ao invés de fazer o contrário. Não pensem que enfiar um Machado de Assis goela abaixo em alguém que não curte o estilo ou possui pouco contato com a literatura, será uma tática bem sucedida. O tiro muitas vezes costuma sair pela culatra.

De tempos em tempos, vemos grandes polêmicas pelo mundo literário e, geralmente, as grandes estrelas são livros que fazem muito sucesso, e que pelo visto, apertam os calos de alguns. Quem aqui se lembra das brigas relacionadas à Harry Potter, Crepúsculo, os livros do Dan Brown, A Cabana, Cinquenta Tons de Cinza e os livros de colorir?

O mais triste de tudo foi ver milhares de pessoas que os leram e os amaram ficarem com vergonha de admitir isso, por causa do julgamento alheio.

Os implicantes de plantão esquecem que todo livro é livro, que todo livro merece ser lido e que é muito mais saudável e enriquecedor ler um livro do que assistir a uma novela ou ficar o dia inteiro em frente à TV. E não digo isso por discriminação, mas sim porque sabemos que ler estimula a imaginação, a concentração, enriquece o nosso vocabulário e nos faz conhecer coisas e viajar por diversos universos antes inalcançáveis, sem contar que aproxima as pessoas.

Por mais que alguns não pensem assim, não existe livro ruim, existem gostos pessoais diversificados. O que pode não ser bom para mim, pode ser para você, e isso é indiscutível.

Para quem não sabe, os alvos da moda agora têm sido os livros escritos por youtubers ou pessoas famosas. Qual é o problema de eu querer ler um livro da Kéfera ou do Christian Figueiredo? E se eu gostar, isso me diminui frente aos demais? Me dá algum status de idiota? Me faz perder pontos de inteligência?

O que eu leio não me define! Só porque eu gosto de Cinquenta Tons, não significa que eu seja adepta de BDSM, e mesmo se fosse, ninguém teria nada a ver com isso. Do mesmo modo que o fato de eu adorar certos jogos de guerra ou mais violentos, não faz com que eu saia matando gente por aí!

Alguns esquecem que todos os livros, sem exceção, podem ser agentes de mudança. Por meio deles, uma pessoa que nunca gostou de ler, pode curtir e vir a se aventurar por outros gêneros e autores, até se descobrir um bibliófilo. Assim como uma pessoa que começou lendo Eu fico loko, pode vir a se interessar por Shakespeare e, pasmem, vir a gostar dos dois! E por que não? Por que um precisa necessariamente excluir o outro?

No mundo literário não deveria ter competição entre os autores. Existe mercado para todos e existe público para todos. O sucesso de um não deveria incomodar o outro que, talvez, não venda tanto e considere a sua história "melhor".

Na minha opinião, morando num país que não valoriza a leitura, em que temos diversos analfabetos e analfabetos funcionais, em que o mercado literário está quase falido, deveríamos ficar felizes ao ver tantas pessoas se interessando por um livro, indo comprá-lo e devorando as suas páginas, talvez pedindo por mais.

Portanto, leiam sem vergonha, leiam sem medo de ser feliz, até porque, será somente lendo que cada um de vocês poderá discernir o que gostam e o que os desagrada, independente do que cada um fala. Isso se chama desenvolver o senso crítico e aprimorar o seu gosto pessoal literário, e isso, só vocês poderão fazer por si mesmos!

Vamos debater? Gostaria de saber o que vocês pensam sobre este assunto. Digam aí nos comentários.

8 comentários

  1. Mi,não concordo com preconceito de forma alguma,afinal gostos e diferenças são para serem respeitados,muito menos com o literário já que a linguagem é livre e feita para dialogar com pessoas de todos os possíveis idiomas.Cada um tem o direito de ler o que quiser. E não é através do que lemos que podemos julgar uma pessoa ,na verdade não podemos julgar ninguém.Concordo com você ,ler aproxima pessoas e nos faz viajar por universos e lugares,antes inalcançáveis.Sim, o gosto das pessoas podem ser bastante ecléticos.O meu é.Gosto desde um Machado de Assis,passando por Sheakespeare,Jane Austen,chegando aos chick-lits,sick-lits,romances contemporâneos e de época,Grandes Guerras,distopias e quiçá.Mil beijinhos!!!!

    ResponderExcluir
  2. É realmente triste que até no nosso mundo literário onde achávamos que estávamos seguros das críticas, começaram a aparecer pessoas preconceituosas que acham que sabem quem você é com base em livros que você lê e que passam a te discriminar por isso. É realmente muito triste.
    Estante de uma Fangirl

    ResponderExcluir
  3. É Triste saber q até no Nosso Mundo Literário estão aparecendo pessoas preconceituosas, a gente realmente n aguenta quando uma pessoa fala q aquele livro é aquilo, q é aquilo outro e por isso n pode ser lido. Gostei mt do seu debate Mi n só o seu debate como os comentários da Aciclea e da Daniele, e Mi a gente itende como vc se sente pois a gente tb é Amante de Livros. #SemPreconceitoNoMundoLiterário

    ResponderExcluir
  4. É mi já sofri com isso, no meu colégio todo mundo gosta de ler livros como fala sério, fazendo meu filme, etc, porém meu estilo é diferente do deles eu gosto mais de percy Jackson, Harry Potter, livros de ficção , magia, ação e um pouco de romance. E sempre gostei de ler meus livros nas trocas de períodos, quando acabo uma prova, quando acobo um exercício, mas tive de desistir desse costume pois toda vez que eu puxava um dos meu livros da mochila era julgada em claro e bom som! Acho isso ridículo e acho que cada um tem o direito de ler e gostar do que quiser sem ser julgado por pessoas preconceituosas!

    ResponderExcluir
  5. Oi Mi, compartilho mto da tua opinião, inclusive por coincidência publiquei um post lá no blog tbm! Dando até exemplos parecidos. Se quiser conferir ^^

    Beijos Joi Cardoso
    http://www.estantediagonal.com.br/2015/10/folheando-sobre-o-preconceito-na.html

    ResponderExcluir
  6. Oii Mi, tudo bem?

    Gostei bastante do seu post/desabafo e concordo totalmente com ele. Um outro dia aí no Facebook, uma autora perguntou o que as pessoas achavam desses livros de youtubers e obteve uma resposta no mínimo totalmente preconceituosa, que chamava esses autores de pseudo-autores ou coisa assim, e falou algo sobre quem lia esse tipo de livro.

    Enfim, acho que todo livro nos ensina alguma coisa, mesmo que nos ensine que não gostamos desse estilo de livro. E concordo, em um país em que a literatura não é valorizada, as pessoas deveriam incentivar quem esteja lendo, independente do que seja, e não crítica-lo porque esse não é o livro certo de se ler.

    E daí que determinado livro é dito "modinha"? Não é bom ver pessoas que antes não se interessariam em ler, pegando esse determinado livro, lendo, gostando e indicando para outras pessoas. Lembro que na época que saiu "A Culpa é das Estrelas" e "Cinquenta Tons de Cinza" eu vi vários conhecidos meus, que não são leitores assíduos, com os livros em mãos, comentando a respeito e disseminando a literatura.

    E o mais triste de tudo é ver alguns blogueiros sendo preconceituosos quanto aos livros nacionais, e até alguns autores achando que seu livro é melhor do que o do fulano. Concordo com você, gostar de um determinado estilo de livro, não impede de gostar de outros.

    Muito bom o post e desculpa pelo comentário gigantesco, mas sempre tenho muito a falar sobre esse assunto.

    Beijinhos,

    Rafaella Lima // Vamos Falar de Livros?

    ResponderExcluir
  7. Miiiii, parabéns, A R R A S O U!!!!
    Concordo com TUDO, plenamente!!!!
    Eu leio de tudo, não tenho preconceito, mas tenho gosto.
    Obvio que nem tudo me agrada, mas isso é tão normal.
    Por exemplo, gostei de Cinquenta tons de cinza, no entanto, não curto muito aqueles eróticos da harlequin.
    E aí sou uma devassa ou discriminadora por isso??
    Nada a ver né? Se a gente não tiver liberdade para ler um livro com OS nossos olhos, trabalhando A nossa mente, então não sei o quão livres podemos ser!
    bjs

    ResponderExcluir
  8. Olá!Mi
    Se tomarmos como base que preconceito é um conceito prévio ao conhecimento o sujeito não pode definir como ruim algo que não leu.Se leu ,poderá ter ideia da pobreza ou riqueza da obra .Pode até não fazer o seu gênero, achar cansativo ou chato,mas tem noção que foi bem escrito.Acredito que cada pessoa goste mais desse ou daquele gênero literário,mas acho forte demais definir alguém por esse aspecto.O que eu leio não me define.Podemos ler por vários motivos posso ler,por exemplo Gibi,Mangá,pra fazer pesquisa,pra me divertir,sem que alguém possa me definir a partir desse fato.Lógico que uma pessoa que ler youtubers pode vir a gostar de Shakespeare.Tudo depende de qual forma lhe foi apresentado o livro .Shakespeare pode ser usado desde o fundamental até o nível acadêmico.

    ResponderExcluir