Dica de leitura - Toda luz que não podemos ver

Dica de leitura - Toda luz que não podemos ver
Sinopse: "Marie-Laure vive em Paris, perto do Museu de História Natural, onde seu pai é o chaveiro responsável por cuidar de milhares de fechaduras. Quando a menina fica cega, aos seis anos, o pai constrói uma maquete em miniatura do bairro onde moram para que ela seja capaz de memorizar os caminhos. Na ocupação nazista em Paris, pai e filha fogem para a cidade de Saint-Malo e levam consigo o que talvez seja o mais valioso tesouro do museu. Em uma região de minas na Alemanha, o órfão Werner cresce com a irmã mais nova, encantado pelo rádio que certo dia encontram em uma pilha de lixo. Com a prática, acaba se tornando especialista no aparelho, talento que lhe vale uma vaga em uma escola nazista e, logo depois, uma missão especial: descobrir a fonte das transmissões de rádio responsáveis pela chegada dos Aliados na Normandia. Cada vez mais consciente dos custos humanos de seu trabalho, o rapaz é enviado então para Saint-Malo, onde seu caminho cruza o de Marie-Laure, enquanto ambos tentam sobreviver à Segunda Guerra Mundial.Uma história arrebatadora contada de forma fascinante. Com incrível habilidade para combinar lirismo e uma observação atenta dos horrores da guerra, o premiado autor Anthony Doerr constrói, em Toda luz que não podemos ver, um tocante romance sobre o que há além do mundo visível."
Adicione ao Skoob AQUI.


Leiam um trecho do livro AQUI.

E aí pessoal, hoje trago para vocês uma dica de leitura de um livro que é uma das apostas da Editora Intrínseca para esse ano. Conheçam Toda luz que não podemos ver, do autor premiadíssimo Anthony Doerr.

Desde pequena, me descobri uma apaixonada por tudo o que envolve as Grandes Guerras. Comecei lendo O Diário de Anne Frank aos 9 anos e, desde então, procuro consumir todas as obras literárias e cinematográficas que abrangem o assunto quando o tempo me permite.

E por que desse meu fascínio? Talvez por eu adorar estudar a mente humana e me interessar pelas motivações que levaram alguns líderes a cometerem tantas atrocidades. Mas também, porque aprender sobre as Grandes Guerras faz com que a gente não esqueça dos períodos negros vividos pela humanidade, servindo de alerta para que não permitamos que ocorram novamente.

É incrível como a cada livro lido ou filme visto, eu descubro uma nova particularidade ou nuance sobre a história mundial. Me sinto como se estivesse tecendo uma colcha de retalhos que está longe de ser preenchida em sua totalidade.

Entretanto, principalmente quando se trata de ficção baseada em fatos históricos, é muito difícil de nos depararmos com um enredo original, que traga elementos novos, até então não explorados no mercado literário ou nos cinemas.

Pode-se dizer que esta foi uma das preocupações de Doerr ao escrever Toda luz que não podemos ver. Por mais que a trama possua como panorama de fundo a Segunda Guerra Mundial, o autor empenhou-se em desenvolver "um romance sobre a bondade no tempo em que o mal se movia insanamente pelo mundo", trazendo um grande diferencial à sua narrativa na medida em que explorou as periferias do conflito e o que há além do mundo visível,  desejando compreender as pessoas de carne e osso envolvidas na guerra, que tiveram as suas vidas afetadas e os seus sonhos despedaçados.

Toda luz que não podemos ver levou 10 anos para ser escrito, e foi o grande vencedor do prêmio de ficção da edição 2015 do Pulitzer, além de ter sido finalista do National Book Award em 2014. Fonte. Mal posso esperar para lê-lo, pois tenho certeza de que vou adorar.

Gostaria de aproveitar o post para indicar outros exemplares, lançados igualmente pela Editora Intrínseca, que possuem a mesma temática e que me arrebataram!

A começar pelo clássico e inesquecível A Menina que roubava livros, de Markus Zusak. Sem mentira, eu nunca chorei tanto na vida como quando li esse livro. O autor inovou em sua obra ao colocar a morte como narradora da trama, e retratou uma belíssima história de amizade e compaixão entre uma família alemã e um refugiado judeu. A Menina que roubava livros foi adaptado para as telonas e vocês podem conferir a minha resenha do filme AQUI.

Ainda sobre a Segunda Guerra Mundial, temos o inigualável livro Os Óculos de Heidegger, de Thaisa Frank. Nele descobri sobre a existência da Operação Postal, organizada pela SS e realizada por prisioneiros de guerra, de diversas nacionalidades, que eram mantidos vivos, mas em cativeiro, com o intuito de responder às cartas dos mortos dos campos de concentração. Fiquei simplesmente chocada quando obtive ciência a respeito dessas atividades realizadas durante a invasão nazista. Saibam maiores detalhes sobre o enredo AQUI.

Voltando um pouco no tempo, tive o prazer de ler A garota que você deixou para trás, de Jojo Moyes, que remonta à Primeira Guerra Mundial e aos inúmeros roubos de obras de artes cometidas pelos nazis que, em sua grande maioria, nunca foram restituídas. Confesso que não imaginava que isso tivesse existido e, recentemente, vi um filme excelente chamado A Dama Dourada que fala justamente sobre uma austríaca que teve o patrimônio depenado, lutando para reaver o quadro de sua tia, Adele Bloch-Bauer, pintado por Gustav Klimt, que foi parar no museu de Belvedere, em Viena. Para quem quiser saber mais sobre a emocionante história de A garota que você deixou para trás, leiam a resenha AQUI.

E vocês, têm algum livro ou filme para recomendar sobre a Primeira e a Segunda Guerra Mundial? Digam aí nos comentários ;)

5 comentários

  1. Mi,amo livros que falam sobre as Grandes Guerras,principalmente a Segunda Guerra Mundial e esse parece incrível,um pai fazer uma miniatura de cidade para sua para sua filha cega,nossa ,realmente emocionante...Gosto também de ler todas as histórias desse período ,nos ajuda a encarar os problemas como menores, nos fortalecendo a seguir em frente ,afastando tudo de errado.Amo livros que nos dão ideia de bondade,em meio a tanta coisa ruim.Realmente 10 anos,é um tempo bem longo,acredito que esse possua muita coisa interessante.Gosto muito de A menina que roubava livros,Os óculos de Heideger ainda não li,assim como o da Jojo ,A garota que você deixou para trás.Um livro que recomendaria seria o livro ,na verdade uma série que infelizmente não foi toda lançada no Brasil,apenas o primeiro livro dividido em dois que é O Cavaleiro de Bronze,da Paullina Simons.Mil beijinhos!!!!

    ResponderExcluir
  2. Oi Mi, tudo bem? Eu só li "A Menina Que Roubava Livros" e não gostei tanto quanto algumas pessoas, mas achei genial a morte narrando a história, só não consegui me envolver tanto. É interessante quanto um período tão conturbado da história mundial pode produzir tanto conteúdo diferente, tantas visões e tantas curiosidades e fatos sobre a guerra.

    Quero muito ler "Toda Luz Que Não Podemos Ver", também tenho bastante vontade de ler "O Menino do Pijama Listrado" e "O Diário de Anne Frank".

    Beijinhos,

    Rafaella Lima

    ResponderExcluir
  3. Amo livros dessa temática.
    E A menina que roubava livros é meu amorzinho, nossa <3
    Otimo post *.*

    Beijinhos :*
    Sankas Books

    ResponderExcluir
  4. Oi, Mi.

    Adorei a dica! Não tinha lido nada sobre esse livro, mas já tinha me encantado pela capa. Fiquei ainda mais curiosa. Adoro histórias que abordam esse período, A Menina que Roubava livros é um clássico. Amei, amei. Fiquei bem curiosa para ler ;)

    Beijocas,
    www.segredosentreamigas.com.br

    ResponderExcluir
  5. Eu amei a premissa desse livro, estou louca para lê-lo!!!
    Também sou encantada pela A Menina que roubava livros, reli ele semana passada <3
    Outros livros que amei foram O menino do pijama listrado e A vida em tons de cinza, incríveis!
    bjoos

    ResponderExcluir