Resenha - O que eu quero para mim

Resenha - O que eu quero para mim
Sinopse: "Alice é independente, bem-sucedida profissionalmente e muito ambiciosa. Além do sucesso no trabalho, tem um namorado que é o sonho de qualquer mulher: lindo, apaixonado, louco para se casar e ter filhos. Mas ela não é qualquer mulher, e acha que a carreira vem antes de tudo. Então, quando Casseano a coloca contra a parede e exige mais espaço em sua vida, os dois entram em um impasse e acabam se separando. Em poucos dias, Alice sente que o fim do relacionamento está sendo mais duro do que esperava. Para piorar, o trabalho entra em crise e sua sócia, preocupada com a saúde da amiga, a obriga a se afastar por um tempo. As férias a ajudarão a arejar a cabeça e voltar mais produtiva. Com tudo dando errado ao mesmo tempo, Alice aceita a sugestão e compra uma passagem para Londres. Chegando lá, mergulha numa profunda jornada de autodescobrimento e percebe o que realmente importa para ela.O que eu quero pra mim é um romance inspirador, que fala sobre a importância de conhecer a si mesmo e descobrir as próprias necessidades antes de trilhar de forma plena o caminho do amor."
Tudo ia bem na vida de Alice. A jovem havia se tornado uma empresária de sucesso no mercado de leilões do Rio de Janeiro, realizou o sonho de ter o seu imóvel próprio, um apartamento localizado no segundo andar de um galpão, que tinha uma atmosfera industrial que a lembrava do tempo em que morou em Nova York; e dinheiro, ou a falta dele, deixou de ser um problema em sua vida. Para completar, tinha um namorado lindo, inteligente e romântico, que a amava de verdade.

E daí que Alice era relapsa com a sua saúde, que se alimentava e dormia mal, que estava magra e apática demais e fumava um cigarro atrás do outro? E o que tinha demais se a garota não queria se comprometer, ter uma família e morar junto com Casseano?

O problema é que Casseano não pensava do mesmo jeito que a namorada. Ele sabia que Alice carregava marcas profundas em seu coração, devido à traição do pai, que abandonou a família e, por conta disso, fez a sua mãe adoecer. Mas, por mais que ele tentasse convencer Alice de que era diferente, e de que ambos seriam muito felizes juntos, ela custava a se convencer disso.

Quando o namorado lhe deu um ultimato, querendo se mudar para o apartamento dela, Alice surtou e o afastou, causando o rompimento da relação. Para piorar a situação, se meteu numa grande confusão em um leilão milionário que estava realizando, prejudicando a imagem da sua empresa. Aborrecida, sua sócia praticamente a obrigou a tirar férias e a sumir do país por um tempo, com o intuito de esperar a poeira baixar. Alice decidiu, então, ir visitar Luana em Londres, sua querida amiga que há tanto não via.

Luana, ao contrário de Alice, era muito bem casada, com um típico irlandês. Eamon era arquiteto, alto, lindo e tinha cabelos ruivos maravilhosos. Eles se conheceram na época em que Luana morava nos Estados Unidos, e se apaixonaram perdidamente. Portanto, quando Eamon voltou para a Europa, levou Luana junto com ele.

No início, tudo foram flores. Luana se adaptou bem à Irlanda e adorou os sogros, mas, rapidamente, se entediou com a vida que levava, e as coisas ficaram ainda mais difíceis quando descobriu que estava grávida. Luana era uma mulher muito ambiciosa, que tinha o sonho de ser uma grande artista, e não se contentava em ser mãe e esposa.

Decidida a correr atrás dos seus objetivos, fez as malas e foi embora para Londres, deixando para trás a sua família "perfeita".

Agora, Alice e Luana, juntas, terão que enfrentar difíceis obstáculos e escolher, de uma vez por todas, o que querem para si.

Querem saber o que vai acontecer? Então leiam!

***

O que eu quero para mim é o mais novo romance escrito pela aclamada autora nacional, Lycia Barros, e publicado pela Editora Arqueiro. Narrado em terceira pessoa, acompanhamos a jornada de autodescoberta de personagens que carregam dentro de si mágoas profundas, responsáveis por encaminhá-los a rumos de sofrimento, vidas vazias e sem sentido e desconexão com Deus.

Alice tem um problema mal resolvido com o seu pai, e isso fez com que ela não confiasse nos homens e nem no casamento, já que viu o quanto a sua mãe sofreu quando foi traída, a ponto de adoecer. Nesse sentido, focou-se em sua carreira e passou a viver uma vida de codependência, preocupando-se muito mais com a necessidade dos outros e esquecendo-se de si mesma.

Luana era uma jovem completamente egoísta e egocêntrica, que só enxergava o seu próprio umbigo e que, por causa de sua cegueira, negligenciou o marido maravilhoso que tinha e não deu o amor de mãe ao filho, que tanto merecia.

Curiosamente, ao contrário das meninas, tanto Casseano quanto Eamon eram homens que prezavam demais seus relacionamentos, e que não compreendiam a obsessão que as suas respectivas mulheres tinham pela carreira. Será que é mesmo impossível equilibrar vida familiar com a profissional? Será que é mesmo tão degradante ou retrógrada uma mulher se casar, cuidar da casa e dos filhos, principalmente numa época em que diversos discursos feministas apregoam pela completa independência do sexo feminino?

Nem Alice, nem Luana sabiam as respostas. A impressão que tive é que ambas lutavam contra os sentimentos conflitantes que guardavam no peito, porque, por mais que quisessem ser donas de si mesmas e batessem o pé afirmando o quanto eram felizes com o caminho que tinham escolhido, sabiam que faltava algo em suas vidas, e que não estavam completas e nem em paz consigo mesmas.  

Mas, afinal, como saber o que queremos para nós?

Compreendo o quão difícil é saber o que queremos, ainda mais para os jovens, nos dias de hoje, que possuem tantas opções à sua frente e que custam a compreender o real significado da felicidade, do amor e da vida plena, já que o nosso mundo está tão alienado, dependente da tecnologia e carecendo de valores morais básicos, que são esquecidos dentro dos lares. 

Mas uma coisa eu aprendi nesses trinta anos de vida. Podemos até não saber o que queremos, mas por meio das experiências, fica fácil pontuarmos o que NÃO queremos e o que nos faz mal, e isso já é um ótimo ponto de partida. Só temos que ser sinceros conosco mesmo e termos coragem para mudar o que precisa ser mudado.

Enquanto lia o livro, fiquei encantada com a viagem de Alice à Londres. Foi tão delicioso passear pela cidade, visitar Stratford-upon-Avon e conhecer mais dos costumes locais. A escrita de Lycia é deliciosa, fluida, e muito divertida. Tive a impressão de ver um pouco da autora na trama, na medida em que as personagens são tão cheias de vida e opinião própria, e não medem esforços para lutarem pelos seus ideais.

Lycia conseguiu me surpreender quando não escolheu o destino "padrão" para os seus personagens. Quando Alice e Casseano, Luana e Eamon terminaram, achei que novos casais seriam formados ou que as meninas cairiam na gandaia. Entretanto, no final percebi qual era a intenção da autora e o quanto ela foi importante para o crescimento e a redenção dos seus protagonistas. 

O que eu quero para mim nos ensina preciosas lições, como: nunca é tarde para recomeçar, basta a gente querer, mas, para que isso aconteça, precisamos primeiro nos perdoar e nos livrar de hábitos perniciosos, que prejudicam as nossas vidas, e entender que nem tudo está ao nosso alcance ou acontece do jeito que queremos. Devemos confiar que a vida é sábia e nos dará o que merecemos, no tempo certo, desde que façamos a nossa parte.

O que eu quero para mim - Lycia Barros
Editora Arqueiro
208 páginas 
Comprar: Saraiva

11 comentários

  1. Mi,esse romance é magnífico pois trata do autoconhecimento,do que realmente se quer e assim serão a trajetória de Alice e Luana,amo saber que parte da estória será em Londres,gosto muito da escrita da Lycia e das lições e recomeços de suas estórias,entrou para a lista com certeza.Beijos!!!!

    ResponderExcluir
  2. Adorei a resenha!
    Não conhecia este livro mas a história parece ser muito boa, adoro livros que abordam o tema do auto-descobrimento e que me fazem refletir, e dão lições, então adicionei em minha lista de leitura.

    ResponderExcluir
  3. Estou doido para ler esse livro da Lycia, gostei de todas as obras que ela escreveu até então. A única coisa que acho ruim é que seus livros acabam muito rapidamente, quando a gente vê já está no final. kkkkk

    Autor de A Página Certa
    www.laplacecavalcanti.com

    ResponderExcluir
  4. Mi!
    Difícil de verdade sabermos o que queremos para nós, principalmente quando nas curvas do caminho, o destino age de forma a nos levar muitas vezes por caminhos que não queremos cruzar.
    Agora é como falou, sabemos o que não queremos para nós, pelo menos agora aos 50 anos, sei bem o que não quero...e o que mais quero é saúde e bem estar.
    Adoro livros com ensinamentos de vida.
    Bom final de semana!
    “Cada qual sabe amar a seu modo; o modo, pouco importa; o essencial é que saiba amar.”(Machado de Assis)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participem do nosso Top Comentarista!

    ResponderExcluir
  5. O livro me interessou por nos trazer uma lição e porque podemos nos identificar com a personagem, ou com seus sentimentos, ou os acontecimentos. Tenho certeza de que esse livro remete o leitor à uma grande reflexão sobre si mesmo. Bjus.

    ResponderExcluir
  6. OI!
    Gostei muito da resenha ainda não conheço a escrita da Lycia mas fiquei super curiosa para ler algo dela, adorei o tema do livro principalmente por temos uma jornada de autoconhecimento e acredito que para saber o que queremos, devemos começar descobrindo o que não queremos !!!

    ResponderExcluir
  7. Eu conheci a Lycia através do seu blog, mas nunca li nenhum livro dela pq nunca acho por aqui, mas vou dar uma olhada nas resenhas de outros livros e fazer uma comprinhas de obras da Lycia rsrsrs. Eu a acompanho pelas redes sociais e dá para ver que ela é uma pessoa incrível!! Gostei muito da sinopse e resenha de O que eu quero para mim, parece ser do tipo de leitura que provoca uma autodescoberta.

    ResponderExcluir
  8. Eu não conhecia a autora,
    achei encantador ser o inverso: normalmente o que a gente vê é o homem não querer comprometimento.
    e também legal ela não formar novos casais nem cairem na farra ia ser clichê demais. realmente, deve ser uma viagem ao autodescobrimento
    ah, adorei a mensagem do saber o que não quer é um ponto de partida

    ResponderExcluir
  9. AAAh, a Lycia Barros é minha autora preferida da vida!
    Amoooo demais os livros dela, mas infelizmente ainda não pude ler esse =(
    li só os 5 primeiros capítulos disponibilizados pela Amazon e já me apaixonei, queria mais e mais, rsrsrsrs
    A capa eu achei meio feia, sabe? Esperava mais, but ok, capa não diz muita coisa na história.
    Eu achei a Alice chata e ao mesmo tempo sofrida. kkkkk
    bjs

    ResponderExcluir
  10. Oi, Mirelle! Tudo beleza?

    Que resenha incrível!
    Assim como Alice também sonho em viajar para a Irlanda e Londres e, quem sabe algum dia eu não já para lá, hein? Hehehe!
    Adorei o livro e já estou encantado com sua resenha!
    Vou comprar ainda hoje este livro que é lindo! <3

    Beijos!
    Danny
    Irmãos Livreiros

    ResponderExcluir
  11. Oii Mi, tudo bem?

    Achei a sua resenha maravilhosa, principalmente sobre a parte de que saber o que queremos para a nossa vida é difícil, mas saber o que não queremos já é um bom começo. A ambientação do livro é incrível, amo Londres e se sentir tão dentro da história assim é uma delícia. Tanto a Alice e a Luana parecem mulheres do mundo real, que possuem dúvidas, incertezas, medo e tudo o mais. Gosto muito da mensagem que o livro passa!!

    Beijinhos,

    Rafaella Lima // Vamos Falar de Livros?

    ResponderExcluir