Semana Cidades de Papel - Resenha - Filme Cidades de Papel - Dia 1

Resenha - Filme Cidades de Papel
Sinopse: "Cidades de Papel" é uma história sobre amadurecimento, centrada em Quentin e em sua enigmática vizinha, Margo, que gostava tanto de mistérios, que acabou se tornando um. Depois de levá-lo a uma noite de aventuras pela cidade, Margo desaparece, deixando para trás pistas para Quentin decifrar. A busca coloca Quentin e seus amigos em uma jornada eletrizante. Para encontrá-la, Quentin deve entender o verdadeiro significado de amizade – e de amor."

E aí pessoal, hoje se inicia a Semana Especial Cidades de Papel, em homenagem à estreia do filme que ocorrerá no dia 09/07/2015, nos cinemas do Brasil.

Entre os dias 07 a 13 de julho, trarei posts exclusivos falando sobre essa história tão especial, com direito a sorteios maravilhosos. Então vocês não podem ficar de fora!

Vamos à resenha do filme:

Quentin acreditava que cada um tinha o seu pequeno milagre. O dele era Margo, a garota da casa ao lado, com quem cresceu e de quem foi muito amigo durante a infância. Mas, no decorrer da adolescência, ambos se afastaram e Margo se tornou intocável, inatingível, quase um mito, alimentando, assim, a imagem fantasiosa que o garoto tinha por ela, por quem sempre foi apaixonado.

Q era o típico adolescente perfeitinho. Nunca tinha matado aula, só tirava notas altas, sonhava em cursar medicina depois que terminasse o colégio e, aos 30 anos, queria casar e ter filhos. Seus planos pareciam estar bem encaminhados, já que Quentin evitava correr riscos. Porém, certa noite, sua vida virou de pernas para o ar, quando Margo invadiu o seu quarto e pediu a ajuda para realizar uma missão.

Tudo o que Q sempre quis é que Margo precisasse dele, que voltassem a ter aquela conexão que tinham quando eram crianças, por isso, mesmo que meio a contragosto, decidiu ajudá-la e, juntos, percorreram as ruas de Orlando, em plena madrugada, pregando peças e se divertindo como Q nunca tinha antes. Ele ainda não sabia, mas as coisas nunca mais seriam iguais depois daquela noite.

Entretanto, como tudo que é bom acaba cedo, Quentin sofreu uma grande decepção quando percebeu que Margo havia sumido. Onde será que a menina tinha ido parar? E por que ela tinha desaparecido daquele jeito, logo depois deles terem se reaproximado tanto?

Margo sempre foi uma aficionada por mistérios e, inconscientemente, acabou se tornando um, já que Quentin se convenceu de que a garota havia deixado pistas para ele, e que sua nova incumbência seria encontrá-la, e Q não sossegaria até conseguir.

Assim, uma "caça ao tesouro" foi iniciada, e Quentin e seus amigos embarcaram numa grande e libertadora aventura que lhes renderia muito mais do que um pote de ouro no final do arco-íris.

Querem saber o que vai acontecer? Então assistam!

***

Fui assistir ao filme muito temerosa, com receio de não gostar, afinal, sabemos das decepções que podem rolar nas adaptações literárias, principalmente quando se trata de um livro que amamos tanto, no meu caso, Cidades de Papel é o meu favorito escrito por John Green.

De início, conhecemos Quentin e a fixação que ele tem pela vizinha desde a infância. Gostei do artifício utilizado pelo longa de inseri-lo como narrador para nos ambientarmos na história, até o momento em que a aventura se inicia.

No decorrer da trama, podemos acompanhar a jornada de Q e dos seus amigos em busca de Margo, quando, na verdade, estão à procura deles mesmos, redescobrindo significados a respeito da amizade, do amor e do que é realmente importante para sermos felizes.

Apesar de, na minha opinião, terem exagerado um pouco no romance apresentado nas telonas, que não é o foco original da obra, os produtores fizeram um excelente trabalho ao darem um tom mais maduro ao filme, no momento em que conseguiram inserir as várias mensagens reflexivas feitas no livro pelo autor sem, claro, se esquecer das inúmeras cenas de humor que me fizeram cair na risada, como, por exemplo, a viagem de carro feita pelos amigos até o Estado de Nova York.

Confesso que quando divulgaram a lista do elenco que iria atuar no longa, fiquei um pouco desgostosa, porque, na minha cabeça, nenhum dos atores se parecia com os personagens do livro. Entretanto, gostei da química existente entre Nat e Cara. A relação criada entre os dois não foi nada forçada e muito menos vulgarizada, como costumamos ver nos filmes adolescentes.

Porém, achei que faltou exporem mais a fundo a personalidade complexa e a instabilidade emocional de Margo, que a tornam tão única. Ademais, não gostei da modificação que fizeram no final da história, deixando-a mais leve e "fofinha". Na minha opinião, o amor de Quentin e Margo deveria ter permanecido platônico, já que a garota nada mais é do que um catalisador para todas as mudanças que se sucedem na vida de Q.

Afora isso, tive uma surpresa muito positiva com os intérpretes de Radar e de Ben, melhores amigos de Quentin, que simplesmente arrasaram nos episódios de comédia e deram um reforço muito importante à atuação de Nat Wolff.

Para aqueles leitores que, assim como eu, se preocuparam com a fidedignidade da adaptação, se tranquilizem. Os roteiristas foram incríveis ao inserirem diversas passagens do enredo de maneira literal a ponto de termos transcrições de falas e de pensamentos. Todavia, é óbvio que nenhuma adaptação é 100% fiel à sua obra de origem. Nesse caso, alguns trechos do livro faltaram, enquanto outros tantos que não existiam foram colocados, mas nada que prejudicasse a trama. Quanto a isso, vou falar mais detalhadamente no post de amanhã.

Cidades de Papel fala sobre a coragem que temos que ter para viver as nossas vidas como queremos, nos libertando dos rótulos impostos pela sociedade e do que os outros esperam de nós. Nossa maior dificuldade se torna fugir dessas "cidades de papel" e abandonar os papéis que costumamos interpretar em prol de um "equilíbrio social" pré-ensaiado. Ademais, naturalmente podemos contar com uma pitada de drama adolescente, romance e muita aventura, algo que, certamente, irá agradar aos telespectadores das mais variadas idades. 

Para quem tem interesse de saber mais detalhes sobre esse excelente livro, publicado pela Editora Intrínseca, leiam a resenha que fiz dele AQUI.

* Agradeço ao Espaço/Z por ter me proporcionado assistir ao filme em primeira mão, numa cabine de imprensa. 

Título original:  Paper Towns
Roteiro: John Green, Michael H. Weber e Scott Neustadter
Direção:  Jake Schreier
105 minutos

TRAILER


28 comentários

  1. Eu tentei ler os livro de John Green mas ate hoje não conseguir ler um inteiro, resolvi deixar um pouco e tentar novamente daqui um tempo, irei assistir sim ao filme e estou bem ansiosa, talvez isso seja o que preciso para conseguir ler Cidade de papel

    ResponderExcluir
  2. Mi,gosto muito da estória de Quenti e Margo,uma amizade de infância que se transforma em um amor platônico de Q por Margo durante a adolescência quando não são mais próximos um do outro,amei saber que no filme Q é o narrador e também a sutileza de que na verdade eles quando saem em busca de Margo,eles vão em busca de si mesmos e redescobrindo significados a respeito da amizade e do amor e do que é realmente importante para sermos felizes,gostei de saber do romance apesar de não ser o foco principal da estória e claro do humor que não poderia faltar ,que bom que a química entre Nat e Cara foi positiva,já suspeitava uma mudança no final ,tornando a cena do romance fofa e não apenas platônica,o legal é a mensagem de vivermos as nossas vidas como queremos nos libertando dos rótulos da sociedade e do que os outros esperam de nós.Que chique ,assistir o filme em primeira mão em cabine de imprensa.Beijos!!!

    ResponderExcluir
  3. Oi, o único livro do John Green que li foi A Culpa é das Estrelas, não sabia que o livro passa uma mensagem dessas. Na verdade, nem sabia direito sobre o que o livro fala. Fiquei querendo ler agora, gosto bastante de livros que nos passem isso, além de que a história não é centrada no casal. Bjus.

    ResponderExcluir
  4. só de ler já fico emocionada

    ResponderExcluir
  5. Oi!Eu simplesmente quero muito ler o livro.Eu tenho minhas manias de ler o livro depois ver o filme :)

    ResponderExcluir
  6. Eu já assisti e ameeei *.* Os atores foram escolhidos a dedo.

    ResponderExcluir
  7. Oi, Mi. Ótima crítica. Tivemos uma opnião bem parecida sobre o filme, principalmente sobre a personalidade da Margo. Ainda não aceito todas aquelas mudanças nela haha http://crushforbooks.blogspot.com.br/2015/07/critica-cidades-de-papel.html

    ResponderExcluir
  8. Oi Mi, ainda não tinha visto este trailer! Adorei! Como disse nos comentários anteriores, só pelo trailer dá para ver que é um filme que vai passar uma mensagem ótima de auto-descobrimento e liberdade. Mas antes de assisti-lo quero ler o livro, para não perder nada!

    Beijos,
    Joi Cardoso
    Estante Diagonal

    ResponderExcluir
  9. Oi Mi, já tinha visto o trailer e ficado curiosa a respeito do filme, porém só pretendo assistir após concluir a leitura do livro, pois tenho medo de me decepcionar, mas assim como o livro, o filme parece ser muito bom :)

    ResponderExcluir
  10. Estou gostando muito do livro...na metade ainda!!!

    ResponderExcluir
  11. Amei a resenha , já vi o trailer e adorei e pelo que eu vi o filme vai passar uma mensagem ótima

    ResponderExcluir
  12. Amei a resenha , já vi o trailer e adorei e pelo que eu vi o filme vai passar uma mensagem ótima

    ResponderExcluir
  13. Oi Mi! Adoreeeeei! Eu simplesmente estou amando e quero muito ler o livro Bjos

    ResponderExcluir
  14. Deu mais vontade ainda de ler o livro, ainda mais depois de ler a resenha, assistir o trailer e assistir as entrevistas do Green.

    ResponderExcluir
  15. A entrevista que o Green deu para o Papel Pop fala muito do que você disse no texto, do significado do filme, de você conseguir enxergar a pessoa de quem você está tão afim como realmente uma pessoa e não como algo que está distante de você, "em um pedestal" como ele mesmo disse. Gostei bastante da resenha. Abraços.

    ResponderExcluir
  16. Oi Mi xD

    Concordo com você. Quando foi divulgado os atores que iriam interpretar os personagens, fiquei meio desgostoso, como você mesmo falou, pois realmente não era o que eu esperava.. Sinceramente, achei a Delenvigne meio ''aguadinha'' demais sabe, para um papel de uma personagem com personalidade tão forte como Margô.
    Fiquei bem tranquilo quando você escreveu que os roteiristas fieis na adaptação. Uma coisa que me perturba muito é quando não tem aquela cena épica do livro no filme. Mas enfim, para mais opiniões irei assistir ao filme, o que ainda não tive oportunidade de fazer.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  17. Oi, o único livro do John Green que li foi A Culpa é das Estrelas, não sabia que o livro passa uma mensagem dessas.

    ResponderExcluir
  18. Gosto muito da Cara, mas não acho ela uma das melhores atrizes, porém, no papel da Margo achei que ela se saiu muito bem, e gostei da escolha da Nat pro papel na minha visão ninguém poderia ter feito um trabalho melhor.

    ResponderExcluir
  19. Vou ver na quarta, Mi! Que ansiedade!!

    ResponderExcluir
  20. Oi, Mi.

    Estou bem empolgada em assistir ao filme e agora ainda mais depois de saber que ele tem mais romance que o livro e que o final foi mais legal. Espero em breve poder assistir. \o/

    Beijos.

    ResponderExcluir
  21. Amei o livro, estou doida para assistir o filme e essa sua resenha me deixou ainda mais curiosa em conferi essa história na telona.

    ResponderExcluir
  22. Infelizmente ainda não li o livro e por isso não quero ver o filme, mas confesso que estou super ansiosa para conhecer Cidades de Papel...

    ResponderExcluir
  23. Vou ler primeiro pra depois ir ver filme, estou mega ansiosa.

    ResponderExcluir
  24. Gostei muito do filme só náo gostei do final foi meio tenso po eu acho que os dois deviam ter ficado juntos po ele. Ficou sem ninguém e os amigos tudo com suas namorada ele só mas ele viu que os amigod eram importantes

    ResponderExcluir
  25. Eu adorei ler essa historia, eu gostei quase tanto quanto A CULPA É DAS ESTRELAS. Me fez pensar em muitas coisas e mudar minhas perspectivas de vida, tudo parece tão diferente depois de ler ele. É um livro que (particularmente) me apaixonei e recomendo a todos. Relerei ele varias vezes ainda. Adorei seu blog, já deixei em meus favoritos.

    Meu blog: www.umcontainer.com

    ResponderExcluir
  26. Já li o livro, achei o melhor livro do John Green! AMEI sua resenha!

    ResponderExcluir