Resenha - 1 milhão de motivos para casar

Resenha - 1 milhão de motivos para casar
Sinopse: "Quatro milhões de libras. Para Jessica Wild, este é um valor que ela nunca mesmo, em seus sonhos mais loucos, conseguiria ter. Porém, é mais ou menos o quanto ganha quando sua amiga Grace morre e a deixa como herdeira. O único obstáculo entre Jess e a fortuna é um detalhezinho no testamento: seu nome aparece como Sra. Jessica Milton. A questão é que... bem... Grace sempre perguntava sobre a vida amorosa de Jess. Ela, por sua vez, descrente no amor e na felicidade conjugal, acabou inventando um namorado — que viria a se tornar seu marido — de mentira. O sortudo foi Anthony Milton, seu chefe. E agora Jess se vê em um beco sem saída: a única maneira de conseguir a herança é se casar com Anthony. Em cinquenta dias. E sem que ele saiba o verdadeiro motivo. Jessica então terá de usar todas as manobras possíveis para conseguir o sucesso da nova empreitada: o Projeto Casamento."

Jessica era uma jovem ambiciosa e trabalhadora que tinha aversão à compromisso e romance. Cresceu ouvindo da sua avó, que foi quem a criou depois que sua mãe faleceu, que os homens não prestavam, que nos abandonavam na primeira oportunidade e que não podíamos, jamais, depender deles ou mudar as nossas vidas por causa deles.

Em razão disso, mantinha-se solteira, e fazia muitoooo tempo que não era chamada para um encontro. Mas isso não a incomodava, ao contrário. Pelo menos não até Grace se tornar obsessiva com a sua vida amorosa.

Jess conheceu Grace na casa de repouso onde a sua avó morava. Ela era uma senhora muito querida, porém solitária, que a tratava como se fosse a neta que não teve. Depois que sua avó morreu, Jess continuou visitando o local e se tornou muito próxima de Grace. Ambas passavam horas conversando, trocando confidências, vendo filmes juntas, enquanto Grace se recordava dos tempos de ouro e insistia com Jessica sobre o quanto era importante se casar, ter uma família e encontrar o amor verdadeiro, tudo no qual a garota não acreditava.

Todas as vezes que Jess botava os pés na clínica Sunnymead, Grace a olhava esperançosa, perguntando se já havia arranjado um namorado, ao passo que Jessica desconversava ou dizia um "não". Mas, certo dia, Jessica descobriu que sua amiga estava muito doente e, num ímpeto para animá-la, decidiu mentir e disse que havia sido convidada para sair, por nada mais, nada menos do que Anthony Milton, seu chefe, e dono de uma das agências publicitárias mais renomadas de Londres.

Uma história foi levando à outra e, quando Jess percebeu, já tinha inventado que tinha se casado às escondidas com aquele bom partido, deixando Grace explodindo de felicidade. Mas como todos vocês bem sabem, a mentira tem pernas curtas, e Jessica não sabia a furada na qual estava se metendo.

Grace, infelizmente, não resistiu e partiu, deixando Jess como sua única beneficiária no testamento. Jessica, ou melhor, a "Sra. Milton", era agora herdeira de 4 milhões de libras, mas só poderia receber o dinheiro se comprovasse ser casada com Anthony, e num prazo máximo de 50 dias.

Como Jess irá se virar nessa grande confusão? Deverá assumir ao advogado da falecida a sua grande farsa, perdendo a possibilidade de viver como milionária, quitar as dívidas e morar numa mansão, ou deve dar um jeito de conquistar o chefe e fazê-lo cair de amores por ela, casando-se em tempo de herdar a bolada?

Querem saber o que vai acontecer? Então leiam!

***

Decidi ler 1 milhão de motivos para casar depois de ter enfrentado uma leitura tediosa e chata de um livro que abandonei. Definitivamente, precisava relaxar e não podia ter feito escolha melhor. Depois de tanto tempo sem ler chick-lit, tinha quase me esquecido do quanto amo esse gênero. Que absurdo! Logo nas primeiras páginas, já pude me encantar com a narrativa em primeira pessoa escrita por Gemma - irmã de Sophie Kinsella - tão absurdamente deliciosa e divertidamente maluquinha.

Jessica é a típica mulher moderna que não permite se apaixonar. Acha que usar roupas da moda e um pouco mais justas é ser vulgar e que passar batom a deixa oferecida. Portanto, quando a sua amiga Helen, com quem divide o apartamento, sugere uma transformação total, com direito a corte e pintura de cabelo, depilação e um guarda-roupas novo, tudo para atrair a atenção do seu chefe, Jess surta.
"Passar batom não reduz o seu QI. Sair com um cara não transforma você em uma criatura patética que não pode viver sem homem."
Mas Jessica não tinha mais nada a fazer a não ser topar e entrar de cabeça no "Projeto Casamento" e assumir o risco de perder o emprego e de ser humilhada publicamente, afinal, precisava honrar a memória de Grace e, de quebra, botar a mão nos 4 milhões de libras, ela só não imaginava que seria nos termos tão contrários às suas ideologias.

Por causa da premissa da história, vocês devem estar pensando que o livro se trata de uma caça ao marido, certo? No entanto, este não foi o único foco da autora. Gemma tentou trabalhar os preconceitos existentes no conceito de "ser mulher", abordando tanto a fala das pessoas que tentam nos objetificar, quanto daquelas que pensam que precisamos ser superiores aos homens.

Durante todo o texto, Jess quebra inúmeros paradigmas e isso faz com que ela repense o que acha certo para si mesma e o que a faz feliz, sem se importar mais com que os outros pensam dela. E claro que, para chegar a algumas conclusões, a personagem acaba passando por situações humilhantes e hilárias, típicas de uma comédia romântica que eu simplesmente adoro!

Além disso, a autora nos convidou a refletir a respeito do casamento e dos motivos que levam uma pessoa se casar. É necessário mesmo haver paixão? Não seria mais conveniente não se casar por amor e evitar muitas decepções? Por que esse instituto, tão antigo, está falido, e por que ocorrem tantos divórcios nos dias de hoje?
"Antigamente, casamento tinha a ver com dinheiro, posse de terra, fundo genético, até diplomacia internacional. Naquele tempo, as pessoas sabiam muito bem o que esperar de um casamento, concorda? Agora todo mundo espera estrelas e arco-íris; não é de se admirar que todos acabem tão decepcionados."
O que ficou claro para mim no enredo é que o importante é fugirmos de rótulos, até porque, o que pode ser certo para alguns, é errado para outros. Não existe nada pior do que vivermos uma vida falsa, sob pretextos que ferem a nós mesmos só porque achamos que devemos ser alguém diferente ou representar um papel para atingir os nossos objetivos.

Por mais que eu tenha gostado da obra e tenha me divertido bastante, fiquei um pouco decepcionada com o final. A autora se preocupou demais em amarrar as pontas soltas ao invés de criar uma moral para a história, fazendo com que todos se dessem bem, mesmo aqueles que tinham errado, e muito.

1 milhão de motivos para casar faz parte de uma trilogia e os volumes seguintes já foram lançados lá fora. Resta saber quando a Editora Record irá publicá-las no Brasil. Para quem curte ficar por dentro das curiosidades acerca da criação dos livros, saibam que este foi inspirado em uma das obras de Oscar Wilde e surgiu de uma brincadeira que Gemma fazia com as suas amigas quando criança, chamada "O que você faria?". A ideia era formular perguntas absurdas e dar respostas nada triviais. E, ao pensar na possibilidade de criar uma protagonista que se visse numa sinuca de bico, entre o amor e o dinheiro, Gemma escreveu essa história muito engraçada para a gente.

Para quem é fã de chick-lit, tenho certeza de que irão se deliciar com essa leitura leve, descontraída e ao mesmo tempo reflexiva sobre os dilemas do amor.

1 milhão de motivos para casar - Gemma Townley
Editora Record
392 páginas 
Comprar: Saraiva

4 comentários

  1. Mi,amo chick-lits e esse com certeza não ficará de fora ,estou curiosíssima para ver tudo o que Jessica terá que passar,depois de sua enorme mentira sobre estar casada,gosto muito de saber que preconceitos sobre ser mulher fazem parte da temática da estória,estou enfim ansiosa para embarcar nesse projeto casamento.Beijinhos!!!!

    ResponderExcluir
  2. O livro parece ser bom, o que mais me chama a atenção é a autora ter quebrado vários paradigmas e ter demonstrado como é o preconceito que nós sofremos, muitas vezes, por ser mulher. A leitura parece ser bem leve e divertida, não leio muito livros assim, mas de vez em quando é bom para dar uma relaxada e se divertir.

    ResponderExcluir
  3. Tenho visto muitas pessoas falarem bem desse livro, mas eu sinceramente não tive saco de ler...E nem pretendo hahaha
    Romances, em especial chicklits, nao fazem a minha cabeça e normalmente me deixam bem entediada, empurrando a leitura com a barriga

    ResponderExcluir
  4. O livro é muito bom. A narrativa é ótima, divertida e bastante fácil de visualizar a história. Sinto como se conhecesse cada personagem. A leitura flui... Vale a pena tirar um tempinho para a história de Jessica Wiiiild. ;)

    ResponderExcluir