Resenha - Sal: Trilogia do Sal Profundo

Resenha - Sal: Trilogia do Sal Profundo
Sinopse: "Quando Tarl é capturado e escravizado para trabalhar no Sal Profundo, seu filho Hari promete resgatá-lo. Corajoso e inteligente, este cruza o caminho da bela Pérola e de sua talentosa criada, Folha de Chá. Hari e Pérola logo percebem que, juntos, devem descobrir os segredos do Sal Profundo. E esta longa jornada por terras ermas se torna muito mais do que uma missão para salvar Tarl — afinal, o mundo está à beira de um terror sem precedentes."

Antes da chegada da Companhia, a região das Tocas era uma próspera cidade chamada Pertence. A população vivia em paz e se sustentava da agricultura e de pequenos negócios marítimos. Quando a Companhia chegou, com sua imensa frota de navios e grande poder bélico, não havia muito o que os locais pudessem fazer. Primeiro, eles encantaram a população com presentes e mercadorias trazidas de seu mundo. Aos poucos, nada mais pertencia ao povo. A Companhia havia se instalado e os cidadãos de Pertence se tornaram mão de obra escrava.

Muitos anos mais tarde, com Pertence completamente destruída, a Toca Sangrenta era atacada pelos Chicotes. Eles vieram atrás de escravos para trabalhar para a Companhia, o que segundo os soldados, era uma honra, mas os locais sabiam que não era exatamente assim. Por trás do lema “A Companhia se importa”, jaziam mentiras e uma passagem sem retorno ao sofrimento de uma vida de trabalhos forçados. As Tocas viviam em situação de miséria, mas pelo menos lá, eles eram livres.

Quando ouviram os cães, Tarl e o filho Hari já sabiam que os Chicotes estavam a caminho. Tentaram alertar os homens para que fugissem, mas apesar de seus esforços, cerca de 90 acabaram sendo capturados. Dentre eles estava Tarl, que após uma tentativa frustrada de fuga, foi sentenciado a trabalhar no Sal Profundo, de onde nenhum homem retorna.

Hari escapou por pouco ao tentar salvar o pai. Se pego, certamente teria sido morto. Sua cabeça agora estava a prêmio e mesmo precisando correr por sua vida, ele pretendia cumprir sua promessa. Ele encontraria o pai e o libertaria do Sal Profundo. Munido de algumas lascas de carne seca e água para o início da jornada, Hari deixou as Tocas com destino às colinas, de onde esperava encontrar um caminho por terra até o Sal.

Pérola, a filha do Presidente Bowles, foi prometida ao velho proprietário de Sal, Ottmar. Todavia, a jovem Pérola se negava a ter este destino. Com a ajuda de sua criada, ela escapou da mansão onde crescera rumando para um destino incerto. Após atravessar os muros que protegiam a cidade e chegar às colinas, Pérola e Folha de Chá encontraram um garoto das Tocas, cuja origem era óbvia devido à cor de sua pele. Ela não sabia, mas apesar de viverem em mundos separados, Pérola e Hari possuíam algo em comum. Algo que os uniria em uma jornada que poderia mudar o destino dos povos daquele território.

***

Sal não é uma grande história, mas é boa, bem construída e bastante original. Com uma premissa interessante, o livro segue o modelo das narrativas em terceira pessoa com as quais estávamos habituados nos anos 90. Enredos mais simples, livros mais curtos, mas nem por isso de qualidade inferior. Entretanto, temo que esta narrativa "mais ou menos" detalhada não cative muito o público juvenil atual por dificultar a entrada do leitor em seu universo fictício.

A trama, apesar dos pormenores fantásticos adicionados a ela, é bastante familiar: Um povo desenvolvido desbrava mares e chega a uma terra rica em recursos e cuja população local não possui muitos conhecimentos ou poder bélico, sendo assim facilmente conquistada, perdendo o direito sobre suas terras e sobre sua liberdade. Soa familiar?

Hari e Pérola são especiais. Eles foram ensinados desde pequenos a entrar na mente dos animais e de outras pessoas. Por isso são perceptivos e persuasivos, o que acaba a ajudá-los em uma realidade onde ambos não são aceitos e possuem suas vidas ameaçadas. Hari é um menino negro criado em meio à miséria e possui um sentimento de revolta, enquanto Pérola foi criada junto à riqueza da população branca que chegou com a Companhia. Mundos distintos que se colidem sob um mesmo objetivo: acabar com a opressão estabelecida pelo povo conquistador.

Tenho um sentimento dúbio em relação a esta obra. Ao mesmo tempo em que gostei e acredito que algumas pessoas possam considerá-la extraordinária, também creio que quem está acostumado aos universos mais profundamente detalhados, com tramas intensas e com muitos personagens, fugas e emoção, pode vir a se decepcionar.

O Sal Profundo é um mistério à parte. Sem fornecer muitos detalhes, o que podemos supor é que se trata de uma mina riquíssima em algum minério altamente radioativo. Bem, isso do ponto de vista lógico, já que a mina possui incontáveis lendas sobre seres místicos que se alimentam dos escravos que ali trabalham ou os enlouquecem. O fato é que, quem foi para o Sal Profundo, nunca retornou, e Hari pretende acabar com esta realidade.

A capa de Sal é linda, emborrachada e com uma mistura de roxo e tons de verde vibrante muito boa. Porém, sempre que olho para o lobo, sinto sono. Sou eu ou ele quem parece estar indo para o mundo dos sonhos daqui a pouquinho? Graficamente, o interior do exemplar possui uma aparência de livro antigo, com diferentes tons na impressão das fontes de uma página para outra. O espaçamento é simples e as páginas são amareladas. A leitura é bastante rápida e fácil, especialmente para o público juvenil. O livro também possui um mapa para situar o leitor sobre os caminhos percorridos pelos personagens.

Sal é o primeiro livro da trilogia do Sal Profundo, de Maurice Gee. Estou curiosa para saber o que o autor nos trará nas sequências, mas se vocês não gostam de continuações, não tem problema. Sal pode perfeitamente ser lido como um volume único. O enredo principal possui começo, meio e fim, sem pontas soltas que demandem necessariamente uma continuidade. 

Sal - Maurice Gee
Livro 01
Trilogia do Sal Profundo
Editora Bertrand Brasil
196 páginas
Comprar: Saraiva

3 comentários

  1. Esse livro é bem do jeito que gosto, menos detalhes e mais estória. Me pareceu uma trama bem montada, fiquei com vontade de ler ainda mais sabendo que pode ser lido como livro único, gosto de ler sempre as resenhas para poder comprar sem arrependimento e esse já me conquistou.
    Beijos meninas
    Mila
    http://scraplivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Essa história é recheada de aventuras e me parece muito bem estruturada com personagens que vão desde aqueles com poderes especiais aos que podemos de perto falarmos normais e assim deve ser o universo de aventuras de HÁRI E PÉROLA !Bjs!!!

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia o livro, mas acho que eu iria gostar pois ele be do jeito que eu gosto, então ele esta na minha lista de futuras leituras. Tambem adorei a capa, obrigado pela dica

    ResponderExcluir