Resenha - Azul da cor do mar

Resenha - Azul da cor do mar
Sinopse: "ACASO, DESTINO ou LOUCURA? No caso de Rafaela, Pode ser tudo isso junto. Para alguém como ela, nada é impossível. Rafaela sonha desde a adolescência com o garoto que viu uma vez, perto do mar, carregando uma mochila xadrez... A idéia fixa não a impediu, porém, de ser uma menina alegre e muito decidida. Ela quer ser jornalista, e seu sonho está se concretizando: Rafaela Vilas Boas (um nome tão imponente para alguém tão desajeitado) conseguiu um estágio no melhor jornal de Minas Gerais. Mas, como estamos falando de Rafa, alguma coisa tinha que dar errado. O jornal é mesmo incrível, mas seu colega de trabalho, Bernardo, não é a pessoa mais simpática do Mundo. Em meio a reportagens arriscadas – e alguns tropeços -, Bernardo acaba percebendo, contra a sua vontade, que Rafaela leva jeito para a coisa... E que eles formam uma dupla de tirar o fôlego. Mas e a mochila? E o garoto, o envelope, as cartas? Um dia a estabanada Rafaela vai ter que se libertar dessa obsessão."

Rafaela Vilas Boas sempre foi uma menina que soube o que quis. Crescida junto a três irmãos mais velhos, trogloditas e superprotetores, aprendeu a lidar com o universo masculino desde cedo, tirando de letra as provocações e caras feias que podiam surgir no seu caminho.

Seu sonho era ser jornalista investigativa e, por não abrir mão de seus ideais, se tornou a ovelha negra da família. Mas com muito estudo, empenho e determinação, aos 21 anos conseguiu um estágio num dos maiores jornais de Belo Horizonte, provando a todos ser boa no que faz. Rafaela estaria nas alturas se não fosse por um pequeno porém: ela teria que ser a sombra de Bernardo Venturini, um homem que, apesar de muito bonito, tinha o rei na barriga e a destratou desde o primeiro momento em que a viu.

Como seria possível para Rafaela trabalhar com uma pessoa que parecia detestá-la tanto, e de maneira gratuita?

Com o tempo, Rafaela iria descobrir que Bernardo não era tão má pessoa quanto tentava aparentar, e que escondia segredos tão íntimos quanto os dela.

Querem saber o que vai acontecer? Então leiam!

***

Azul da cor do mar era o único livro escrito por Marina Carvalho que, até então, eu não tinha lido, e não sei por que esperei tanto por isso! A história, narrada em primeira pessoa por Rafa, tem uma escrita bem juvenil e completamente divertida. Me senti numa trama de chick-lit enquanto lia, porque, minha nossa, Rafa consegue ser mais desastrada e sem noção do que eu. Até nas cenas que, teoricamente, deveriam ser mais dramáticas e tensas, me matei rindo. Então Marina está de parabéns, porque a sua estreia na comédia romântica foi sensacional!

Tenho certeza de que essa é uma obra com a qual muitos dos jovens vão se identificar, afinal, não trata apenas dos sonhos profissionais do estudante que está em busca do seu primeiro emprego e tem a ânsia de se mostrar capaz e competente no local de trabalho. Em Azul da cor do mar, a autora também aborda as ilusões infantis que custamos a abrir mão depois que crescemos, e as paixões mal resolvidas que nos impedem de seguir em frente.

Rafa, à primeira vista, pode passar a impressão de ser uma menina fútil e extremamente vaidosa, sempre preocupada com a sua aparência e com as roupas que veste. Mas por que uma mulher devia se descuidar da imagem ou ser menos feminina por causa de opiniões alheias? Rafaela pode muito bem ser vaidosa e inteligente, feminina e muito valente. Temos que entender que uma característica não exclui a outra, por mais preconceito que às vezes enfrentamos, principalmente vindo dos homens que não entendem esse nosso lado, não devemos mudar por causa dos outros. Ouviu bem, Bernardo? hihi.

Falando nesse gato, maravilhoso, que segundo Rafaela, lembra muito o Chris Hemsworth, não posso deixar de dizer que, apesar de toda marra e desaforamento, ganhou meu coração. Aliás, a Marina tem essa mágica nos dedos. Até hoje, não teve um personagem masculino que ela escreveu que não me fez morrer de amores. Eles podem ter as piores características possíveis, mas por serem tão humanos, me causam mais empatia do que suas personagens femininas. Vai entender?!

Na trama, a relação tempestuosa entre Rafa e é o que dá o charme e o clímax ao livro. Mas nem só como gato e rato vivem esses dois. Por mais que eles tentem se detestar, a amizade e a intimidade que vai nascendo da convivência diária e dos rolos em que ambos se metem é tão linda, que é óbvio que ficamos torcendo por mais. O problema é que Rafaela não dá o braço a torcer, não só por ser orgulhosa e por não querer se dobrar aos caprichos de Bernardo, reconhecendo sua paixonite por ele, mas, principalmente, por causa do Garoto da Mochila Xadrez, que assombra as suas lembranças feito um fantasminha camarada que se nega a ir embora, minando qualquer tipo de envolvimento amoroso que a garota possa vir a querer ter.

Mas falando em confusões, uma das coisas que mais gostei no enredo de Azul da cor do mar, foram os trabalhos investigativos realizados por essa dupla de jornalistas curiosos e destemidos. Marina deu um show à parte nas cenas em que Rafa e sobem o morro do Aglomerado da Serra para se encontrarem com o Biju, o traficante mais procurado de todos os tempos, ou quando perseguem um médico acusado de abusar de suas pacientes.

Quanto à edição do livro, apesar de não ter gostado do fato da Editora Novo Conceito ter trocado o título da história arbitrariamente, eles capricharam na diagramação. Cada novo capítulo inicia com uma pequena lição jornalística, nos ensinando como escrever a matéria perfeita ou sobre como melhor se portar na profissão. Muito instrutivo e interessante, principalmente para os aspirantes a jornalistas. Além disso, as páginas da obra possuem diversos detalhes diferenciados nas trocas de mensagens, e-mails e torpedos entre os personagens, e possuem pequenas ilustrações dando um charme extra ao exemplar.

Azul da cor do mar tem de tudo um pouco e vai conquistar vocês, principalmente os leitores que curtem muito um romance tempestuoso, muita ação, com a pitada certa de humor. E para quem já está sentindo falta de Bernardo e Rafaela, segurem seus forninhos. Marina Carvalho está terminando de escrever A Menina dos Olhos Molhados, que será narrado por Bernardo e contará a sua visão de Azul da cor do mar e, ainda por cima, nos brindará com diversas cenas extras, em que poderemos conhecer melhor esse personagem e compreender seu comportamento, motivações e o seu passado.

Mal posso esperar para pôr a mão nessa continuação!

Azul da cor do mar - Marina Carvalho
Livro 01 
Editora Novo Conceito
334 páginas
Comprar: Saraiva

2 comentários

  1. Oi Mi,
    Com essa sinopse eu fiquei louca e li o livro num piscar rsrs, realmente, é um livro com tudo um pouco e conquista todo mundo. Vou aguardar (muito ansiosa) pela narração do Bernardo, principalmente as cenas extras <333
    Beijocas ^^

    Beijocas ^^

    ResponderExcluir
  2. Oi Mirelle, adoro romances agitados cheios de momentos que nos prendem cada vez mais na leitura e agora sabendo que vai sair a visão do Bernardo me empolgou mais ainda para adquirir o meu exemplar do Azul da Cor Do Mar, assim vou acompanhar esse romance mais de perto! Gostei da resenha e me deixou empolgada \o/
    Beijos
    Mila
    http://scraplivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir