Resenha - Voos e Sinos e Misteriosos Destinos

Resenha - Voos e Sinos e Misteriosos Destinos
Sinopse: "Nesta fábula moderna, com gosto das aventuras clássicas que encantam os jovens leitores há tantos anos, conhecemos a história de Jack Foster, um garoto de dez anos que, como qualquer um da sua idade, sonhava viver grandes aventuras. Ele morava em Londres mas estudava em um colégio interno, voltando para casa apenas nas férias, quando ficava completamente entediado. Mas, um certo dia, Jack atravessa uma porta mágica e, do outro lado, encontra uma cidade ao mesmo tempo muito parecida e muito diferente daquela que conhecia. Em Londinium, apesar de reconhecer as ruas e prédios, ele encontra um cenário steampunk, com engrenagens e fuligem por todos os lados. Por ali era raro encontrar alguém que não tivesse nenhuma parte do corpo feita de metal. E era justamente isso que a Senhora - uma mulher rígida e temperamental que governava a cidade desde sempre - buscava: um filho de carne e osso. Jack logo descobre que aquele lugar era extremamente perigoso, e que voltar para casa não seria tão fácil quanto tinha sido chegar até ali..."

No mundo existem muitas portas, e estamos todos habituados a não prestar muita atenção nelas, mas existem portas de outros tipos, apenas encontradas por quem sabe observar bem. Essas portas não levam a outra sala ou ao quintal. Elas abrem mundos dos quais, talvez, já tenhamos ouvido falar em histórias distorcidas, contadas durante nossa infância por quem não acredita nelas.

Foi por uma dessas portas que Lorcan Havelock chegou a Londres no ano de 1899, cumprindo ordens da Rainha, pois ela queria um novo filho, um menino que fosse perfeito. Lorcan tinha pressa, pois cada minuto do lado de cá da porta que o trouxe até aqui significava que sua eternidade se esvaía mais um pouco. Na estação de trem ele aguardava a chegada de Jack, que ele sabia ser o menino perfeito para satisfazer os desejos maternos de sua Rainha. Mandado para o colégio interno todos os anos, retornando para visitar a família apenas em feriados especiais, ninguém sentiria muito a falta do menino.

Seu plano era simples: utilizaria sua mágica para ludibriar a mãe do garoto se fazendo passar por um renomado espiritualista para se aproximar e propor levar o menino aos seus cuidados para que estudasse a arte da magia. A família não se importava com o menino, e em Londinium, no Império das Nuvens, ele seria mimado e feliz ao lado da Senhora. Entretanto, quando finalmente revelou seu interesse, a mãe de Jack negou o convite de Lorcan, alegando que o menino estava destinado a estudar e assumir os negócios da família. Como filho único, não havia outra opção para ele.

Como todo garoto de 11 anos, Jack entreouviu a conversa escondido atrás da porta e, instigado pelo fascinante convite do estranho, lamentou ser mantido trancado em seu quarto para permanecer longe das visitas enquanto divagava sobre as maravilhas de ser dispensado do colégio interno para estudar o fantástico mundo da magia. Essa, decididamente, era uma opção que encantaria qualquer menino da sua idade.

Frustrado, Jack seguiu a Sra. Pond, empregada da casa, durante as compras na cidade. Quando avistou ao longe o senhor Havelock caminhando a passos rápidos, fugindo da chuva, Jack aproveitou um momento de distração da velha para ir atrás do homem que podia ser a chave de um futuro fantástico para si. E foi assim que o menino londrino, relegado por sua família, acabou chegando à Torre do Relógio de Londres, o Big Ben, onde assistiu Lorcan fazer surgir na parede maciça uma porta iluminada, que começou a se fechar assim que o homem passou por ela.

Mágica, aquilo só podia ser mágica! Impelido pela curiosidade de o que poderia haver do outro lado, Jack correu até a abertura antes que ela se fechasse por completo e ficou maravilhado ao perceber que a porta respondia ao seu toque também, e, abrindo-a para a escuridão, descobriu um mundo mágico onde todas as pessoas possuíam partes metálicas em seus corpos, em que a paisagem coberta por uma grossa nuvem de poluição e uma Rainha solitária aguardava sua chegada.

Mas nem tudo era divertido naquele mundo, e um filho descartado pela Senhora e extremamente perigoso e vingativo pode acabar com os planos de Jack de permanecer naquela realidade metálica fantástica e abandonar de vez Londres e seus pais que não lhe davam atenção.

***

Voos e Sinos tem uma capa encantadora! Desde que o livro foi anunciado no Skoob fiquei super curiosa para ler. Sim, ele faz parte dos livros que você compra pela capa e se você gosta de aventuras juvenis, não vai se arrepender. A textura capa é emborrachada (gente, eu amo livros com capa assim) e tem um tom sombrio, mostrando uma Londres belíssima à noite misturada com a imagem de Londinium, uma réplica fiel da Londres de nosso mundo, porém, com muito mais fumaça e metal na paisagem.

Eu acabei roubando esse livro da Mi, que estava atolada de leituras e um pouco receosa de se aventurar por uma história steampunk. Eu lamento por ela, já que no blog, a fã de literatura juvenil é a Mi e o livro é muito interessante e divertido. Se você nunca leu algo do gênero steampunk, não se assuste, ele apenas dita o visual da trama, nos mostrando personagens usando cartolas, roupas com uma mistura de época e couro e é claro, o metal.

Em Londinium, o metal está em tudo, afinal, é com ele que os médicos consertam as pessoas. Dificuldades para respirar o ar extremamente poluído de Londinium? Filtros metálicos em suas narinas podem ajudar. Perdeu o pé em um acidente? Sem problemas, o Dr. Cataplasma pode fazer um novinho para você, e você nem perceberá a diferença, a não ser, é claro, pelo barulho.

O Dr. Cataplasma é uma das figuras mais carismáticas do livro. Quando chega a Londinium, após encontrar uma boneca de corda provida de alma, é na casa dele que Jack encontra refúgio até entender onde foi parar e como encontrar Lorcan, o fiel súdito da Rainha que o aguarda. Mas não demora muito para Jack perceber que as intenções de Lorcan não são as melhores, e a boneca Beth, juntamente com o médico, tornam-se seus leais amigos na busca de um mito que pode salvar Jack e mudar o destino de toda Londinium.

Jack não quer voltar para casa, e nesse pondo acabei ficando um pouco ressabiada, pensando no quanto isto poderia vir a influenciar os jovens leitores de maneira negativa, mas tudo nesta obra tem um objetivo, e a mensagem final não é muito diferente das trazidas pelas obras que costumávamos ler em nossa infância. Cá entre nós, as lições não diferem, mas a história é muito mais fantástica e mágica.

Gostei muito dos personagens de Voos e Sinos. A boneca de corda é uma fofura, assim como todos os amigos que Jack faz em Londinium, mas nada é muito infantil e o livro agrada a todas as idades. 

Outro fato interessante que constatei foi o vocabulário utilizado pela autora. Algumas vezes precisei recorrer ao dicionário para entender o que um ou outro termo que eu desconhecia significava, entretanto, considero isso bastante produtivo, pois mesmo se tratando de um livro infantojuvenil, ele acaba agregando novas palavras ao vocabulário do leitor, além dos muitos valores abordados.

Apesar de não estar acostumada a este tipo de literatura, me encantei com a história repleta de mistérios, um cenário belíssimo e personagens bastante interessantes. Voos e Sinos e Misteriosos Destinos é uma aventura muito divertida para os fãs de livros infantojuvenis.

Ele tem 306 páginas e possui algumas ilustrações no seu interior. A editoração é simples, com espaçamento duplo e páginas amarelas. A leitura é fácil e rápida, já que a obra é de formato pequeno. Voos e Sinos é realmente  lindo e me deixou com vontade de sair por aí testando algumas portas... 

Voos e Sinos e Misteriosos Destinos - Emma Trevayne
Editora Seguinte
306 páginas 
Comprar: Submarino

2 comentários

  1. A história não chamou muito a minha atenção! Mas confesso que a capa é belíssima!

    ResponderExcluir
  2. A capa é uma lindeza mesmo Mayaia, e a história, apesar de voltada para um público mais novo, é muito bonitinha.
    Beijão!

    ResponderExcluir