Resenha - 826 Notas de Amor Para Emma

Resenha - 826 Notas de Amor Para Emma
Sinopse: "Uma história de amor comovente de um pai por uma filha. Pouco depois de Emma completar 12 anos, seu pai, Garth Callaghan, descobriu que tinha câncer de rim. Determinado a fazer do tempo que lhe restava relevante, ele compilou diversos valores para auxiliar sua filha até a formatura do Ensino Médio. Garth começou a escrever seus recados em guardanapos quando Emma ainda estava nos primeiros anos de escola. À medida que a filha foi crescendo, suas notas tornaram-se mais significativas. 826 notas de amor para Emma é um relato familiar inspirador, repleto de amor e sabedoria. No início de cada capítulo, Garth apresenta um dos recados de guardanapo para, em seguida, compartilhar uma história ligada àquela mensagem e à sua própria vida. Com olhar sensível e sábio, Garth consegue confortar os corações e tocar as almas dos leitores. Partilho este livro porque nenhum de nós sabe quanto tempo ainda nos resta. Sim, nós caminhamos pelo planeta com a esperança de sermos invencíveis, mas todos nós sabemos que a vida pode ser tirada em qualquer instante. Eu tenho a dádiva de perceber que o fim está se aproximando. Posso reservar um tempo para fazer um balanço e dizer às pessoas que amo o quanto elas significam para mim. É a única coisa que importa. Sua casa, sua conta bancária, suas habilidades, sua profissão - nada disso importa. Tudo se resume aos relacionamentos duradouros que construímos. É isso. É tudo isso."

Garth era um homem comum, como outro qualquer. Certo dia, numa convenção de trabalho, conheceu Lissa, por quem se apaixonou. Depois de muitas idas e vindas num relacionamento inicialmente começado à distância, decidiram se casar. A cerimônia não foi nada usual, realizada na funerária do pai de Garth, mas nada disso importava aos noivos apaixonados. Finalmente chegou a hora de Garth começar a sua própria família.

Por Lissa ser cinco anos mais velha que ele, Garth foi obrigado a amadurecer rápido. Apesar de terem gostos diferentes, um sempre foi o porto seguro do outro. Quando Lissa decidiu que havia chegado a hora de terem um filho, Garth topou embarcar nessa aventura, só não imaginou que tudo fosse acontecer tão rápido. Quando Claire nasceu, Garth se desesperou. Ele não estava pronto para ser pai, não se sentia responsável ou maduro o suficiente, e o pior, não conseguia se sintonizar com aquela bebezinha que era a sua filhinha.

Bastou Garth compreender que o nome da filha estava errado, que simplesmente não combinava com ela, que tudo mudou. Então Garth e Lissa alteraram o registro de nascimento da filha, trocando seu nome para Emma. Quando Garth olhou para Emma pela primeira vez, seu mundo ganhou um colorido todo especial. Agora sim, Emma era a luz dos seus olhos e Garth faria de tudo para ver aquela pessoinha feliz.

Na medida em que Emma ia crescendo, Garth tentava driblar sua rotina corrida para encaixar um tempo para a filha. Mas era tudo tão difícil, seus horários eram tão desencontrados que se somasse todos os minutos em que via Emma por dia, totalizava no máximo uma hora. Garth não aceitava isso, queria estar mais próximo da filha, queria estar conectado a ela, queria fazer Emma entender que sempre que ela precisasse, Garth estaria lá, e foi assim que ele teve uma ideia.

Garth decidiu acordar todos os dias mais cedo e preparar o almoço da filha, com alimentos balanceados e saudáveis, como uma forma de cuidar dela e de demonstrar que se importava. Junto com o embrulho, acrescentava um guardanapo, mas não um guardanapo comum, um bilhete de guardanapo. Todos os dias Garth escrevia alguma mensagem para Emma num guardanapo em branco. Podia ser um simples "eu te amo", uma mensagem de encorajamento, uma lição, um ditado popular, qualquer coisa que fizesse Emma pensar nele e deixar seu dia mais feliz. O lema de Garth passou a ser  “Embrulhe. Escreva. Conecte-se.”
"Senti que entendi o que estava tentando fazer. Embrulhar um almoço. Escrever um bilhete. Conectar-me com minha filha. Mantive de forma simples, para mostrar às pessoas como era fácil fazer algo pequeno que tivesse um grande significado."
Nunca Garth imaginou o significado que esses bilhetes de guardanapo fossem adquirir, não só na sua vida, como na vida das pessoas ao seu redor, e daqueles que ele nem conhecia. Depois de descobrir que tinha câncer e de praticamente ser sentenciado à morte, já que possuía apenas 8% de chance de ficar vivo nos próximos cinco anos, Garth fez uma promessa a si mesmo: Emma não ficaria um só dia do seus próximos anos escolares sem receber um bilhete de guardanapo. E foi assim que Garth se propôs a escrever 826 notas de amor para Emma.
Eu vou escrever 826 bilhetes de guardanapo para Emma! Porque eu disse que faria.
Querem saber o que vai acontecer? Então leiam!

***

Genteee, para tudo! Nem em um milhão de anos tinha ideia de que esse livro não era de ficção. Eu não li a sinopse!!! Só vi a capa linda e achei que se tratava de alguma história jovem adulta bem romântica e dramática. Eis que, começo a ler e a ficha cai: é a história real de um pai que está morrendo de câncer e começa a deixar bilhetes para a filha. A realidade me assolou como uma porrada no estômago e eu não consegui mais voltar atrás. 

Não pude mais fechar o livro, já tinha sido seduzida pela escrita de Garth e, sinceramente, queria muito saber o que ele tinha a dizer. Então segui em frente, mas não sem antes pesquisar a respeito dos Callaghan, porque precisava saber o que tinha acontecido, precisava saber o final da história antes de continuar a leitura para me preparar emocionalmente. E foi assim que abri meu coração para um dos mais belos, emocionantes e significativos livros que já li.
Foi muito difícil para eu ler 826 Notas de Amor Para Emma. Perdi meu pai quando ainda era muito pequena, na mesma idade em que Emma descobriu pela primeira vez que Garth estava com câncer. Além disso, pelo que vejo por aí, são poucos os homens que sabem realmente assumir o papel de pai e têm a noção da real importância da sua participação na criação de um filho. Garth era um desses, assim como Gerson, o meu pai. Então, enquanto lia a obra, parecia que via meu pai falando sobre os seus anseios e seus desejos para a minha criação. 

Meu pai, assim como Garth, preparava a minha lancheira para eu levar para o colégio, e no maior capricho. Do mesmo modo que Garth, meu pai se preocupava em se conectar comigo e não media esforços em arrumar tempo para mim, para brincarmos e para me ensinar coisas novas. Justamente por isso, por ver o medo terrível que assolava Garth por saber que ia morrer, por saber que ia deixar sua filha desamparada, é que fiquei imaginando o que o meu pai teria sentido se não tivesse morrido de uma maneira fulminante, e isso cortou meu coração e me fez chorar muito. 

Só queria ter podido guardar uma mensagem do meu pai, assim como Emma pôde fazer com os bilhetes de guardanapo de Garth. Numa era em que priorizamos demais o que é tecnológico, e nos limitamos a nos comunicar apenas por meio da internet, esquecemos o quanto é bom recebermos bilhetinhos de amor com a letra e o jeitinho daquela pessoa especial.
"O foco do Bilhetes de Guardanapo não era a minha pessoa ou até mesmo o fato de eu estar morrendo. Era o fato de que qualquer um poderia ser um pai de Bilhetes de Guardanapo. Todo mundo poderia reservar cinco minutos do seu dia e fazer algo especial para as pessoas que amam. Preparar o almoço deles. Escrever uma mensagem. Conectar-se. Isso era importante. Não eu."
Garth não tinha ideia de escrever este livro. Somente depois de sua história ter vindo a público, em janeiro deste ano, é que ele decidiu compartilhar sua vida conosco, expondo as intimidades de sua família. 826 Notas de Amor Para Emma é um livro triste, obviamente, mas a intenção de Garth não é ficar se melindrando sobre suas doenças e sofrimentos. Não. Na obra, que não deixa de ser um livro de memórias, Garth nos conta sobre sua trajetória de vida e sobre o seu desejo se inspirar cada um a fazer a diferença. É difícil, mas é possível encontrarmos forças nas dificuldades, enxergarmos o lado bom da vida e continuarmos lutando quando almejamos algum objetivo.
"Eu tenho a “dádiva” de perceber que o fim está se aproximando. Posso reservar um tempo para fazer um balanço e dizer para as pessoas que amo o quanto elas significam para mim. É a única coisa que importa. Sua casa, sua conta bancária, suas habilidades, sua profissão — nada disso importa. Tudo se resume aos relacionamentos duradouros que construímos. É isso. É tudo isso.  Este livro é um chamado. Para acordar. Conectar-se. Compartilhar seus sentimentos. Faça aquele telefonema. Escreva aquele bilhete. Porque eu conheço muito bem a fragilidade da vida e sei o quanto é importante reservarmos um tempo para nos aproximar daqueles que amamos, enquanto ainda estamos aqui, enquanto ainda podemos."
E vocês, que tal fazerem um bilhete de guardanapo hoje? Não precisa necessariamente ser de guardanapo, e não precisa ser escrito. Pode ser um desenho, um recorte, um post-it. Aliás, Garth dá ideias geniais de como fazer um bilhete memorável para quem se ama. O importante é lembrarmos de demonstrar nosso carinho para os demais. Tenham certeza de que gestos como esses nunca serão esquecidos, e a premissa é verdadeira, "gentileza gera gentileza". Então bora começar a fazer a nossa parte! Eu já comecei a minha :)
Lembrem-se: "Seja lá o que você fizer, seja bom nisso. — Abraham Lincol."

826 Notas de Amor para Emma - Garth Callaghan
Editora Leya
320 páginas 
Comprar: Saraiva
***
Essa postagem está concorrendo ao TOP COMENTARISTA DE NOVEMBRO.

Clique AQUI e saiba como participar.

26 comentários

  1. Que resenha linda. Também achei que o livro fosse ficção e acho até meio difícil comentar a respeito agora. Quero ler logo essa história linda porque com certeza vai mudar muitas perspectivas de cada um que lê-la. A ideia de Garth é maravilhosa e com certeza, mesmo sendo um bilhete simples, faz a diferença no dia de alguém, tanto no de quem recebe quanto no de quem envia. Tenho criado o costume de escrever cartas mas um bilhetinho simples é algo diferente, gostoso e que cumpre seu papel. A história parece linda demais e quero ler assim que possível mas estou com um certo trauma de histórias sobre o câncer, mesmo que não seja exatamente sobre a doença e sim como levar a vida sem que ela lhe atrapalhe. Deve ter sido um tanto quanto dolorido ler e ir tendo vislumbres do seu passado não é?! Mas às vezes isso nos faz lembrar de coisas que geralmente não lembramos ou não damos tanta atenção.
    Vou escrever meus bilhetinhos agora.
    Grande beijo amiga!
    Greice.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi amiga, muito dolorido, mas ao mesmo tempo foi tão inspirador que também me iluminou. É, as vezes, a dor e o amor se misturam. Beijos

      Excluir
  2. Oláá´
    Nossa, parece ser uma leitura muito interessante e diferente do que custumo ver e ler, muito legal e fiquei bem curiosa depois da sua resenha que por sinal, está ótima.
    Adorei a capa e espero ter a oportunidade de ler em breve e gostar. Ótima dica

    Beijão
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/2014/11/resenha-lista-negra-jennifer-brown.html

    ResponderExcluir
  3. Me arrepiei só em ver as notas e fotos... entendo o motivo desse livro ter mexido tanto com os sentimentos e as emoções. Eu já tive que lidar com o câncer na família e perdi alguns amigos queridos por conta dessa doença horrorosa. Imagino que o livro causará um impacto e mexerá também comigo. Mesmo que o foco dele não seja a doença em si, mas é muito triste saber que uma pessoa vai morrer tão cedo sem ter aproveitado e vivido tantas coisas boas. O mundo seria um lugar melhor se houvesse mais pessoas como Garth, não falo isso como um clichê, falo com sinceridade pq com mais amor, mais respeito, cuidado com outro, as coisas seriam diferentes. A Emma é muito abençoada por ter um pai como ele, essas notas são uma linda expressão de amor e uma inspiração para que lembrar: "é preciso amar as pessoas como se não houvesse o amanhã". Precisamos demonstrar o nosso amor pelos outros enquanto temos tempo! Vou passar a escrever notinhas e distribuir por ai.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, o livro vai mexer com pessoas que principalmente passaram por experiências similares as de Garth e Emma, caso contrário, será um livro normal como outro qualquer. E também senti isso, que o mundo seria melhor com pessoas como Garth. Apesar de que várias vezes ele ressaltou que não é nenhum santo. Todos têm seus maus momentos também. Mas enfim. Beijos

      Excluir
  4. Oi, Mi!
    Realmente esse livro parece ser extremamente lido/emocionante, mas acredito que determinados tipos de sentimentos e empatia é maior com quem passa por uma situação semelhante, ou que perdeu o pai cedo (assim como você). No meu caso, por exemplo, seria uma reação semelhante como a qualquer outro livro, ficção ou não-ficção, que eu ja tenha lido. Infelizmente nunca tive contado muito forte com meu pai; Nunca brigamos, sei que ele me ama e sempre me ajuda quando preciso, mas essa coisa de demonstrar afeto/amor/atenção sempre foi algo que nunca tivemos. Dificilmente me emocionaria com a história, com os bilhetes, com o amor que o livro nos dá.

    bjs

    Blog Cantar Em Verso | Fbook

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, entendo perfeitamente. Por isso que os livros são tão preciosos, eles mexem de maneira diferente com cada um :) hehe Mas quem sabe você lendo o livro, não se conecte com alguma memória sua de uma pessoa que você ama muito e que é muito próxima, e se imaginasse passando por situação parecida. Vai saber, né? Não precisa necessariamente correlacionar com seu pai. Beijos

      Excluir
  5. Mi, não tenho palavras para explicar para você o que senti lendo essa resenha, sério. Estou chorando aqui enquanto te digito tudo o que me vem na mente. Antes, peço desculpas por algum erro ou coisa do tipo, pois mal consigo enxergar enquanto te digito essas palavras.
    Eu não li esse livro, mas tinha visto uma resenha num blog antes. Li a resenha todinha, me emocionei? Sim. Mas não tinha visto cada detalhe, essas fotos, seus pensamentos e, principalmente, você falando do seu pai. Tudo isso me marcou bastante e tenho que confessar que não imaginei entrar em seu blog e chorar logo de cara. Nunca aconteceu isso antes e estou espantada.
    Minha relação com meu pai é de distante para lá, lá para longe mesmo. Não tenho contato com ele e, sequer, recebi um bilhete dele. Mas já ofertei um a ele, quando o conheci (aos dez anos).
    Notei que você fez uma caixa postal e eu pensei: Ah, vou enviar uma cartinha para a Mi e fazer uma surpresa.
    Porém, esse comentário que te digito já é uma carta e que vai coberta por lágrimas de emoção. Não sei definir, mas tudo me tocou completamente e não sei nem mais o que comentar sobre esse livro.
    Desejo lê-lo ardentemente.
    Um beijo, Mi.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai Nati, agora eu que não tenho palavras para te responder. Por um lado, me alegra em saber que as minhas palavras causaram um impacto tão profundo em outra pessoa. Por outro, peço desculpas por te fazer chorar e te entristecer :( Vou adorar receber uma cartinha sua, viu. Sinta-se abraçada bem forte. Beijão

      Excluir
  6. Que coisa mais linda. É fato que todos os livros mexem um pouco com a gente quando lemos. Mas os livros de não ficção sempre tem algo a mais para nos mostrar, né?
    Já perdi um familiar por causa do cancer e sei como essa é uma doença desgastante tanto para quem tem, quanto para os familiares que tem que passar por isso junto.
    Achei incrível como Garth lidou com a doença.
    E ainda tem o fato que você pontuou: em tempos de tecnologia, uma cartinha escrita a mão é definitivamente uma prova de amor. As pessoas precisam se lembrar mais disso.
    Enfim, definitivamente vou ler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim Re, eles realmente mexem com a gente de maneira diferente, principalmente quando acabamos nos identificando com um pouco da história. Beijos

      Excluir
  7. Mi, simplesmente necessito ler esse livro.
    Pelo o que vc disse dele na resenha, eu simplesmente irei chorar um rio inteiro e com quedas d'água.
    Com certeza me emocionei lendo a resenha, imagina quando estiver com o livro em mãos?
    Simplesmente maravilhoso! :D

    http://luadesangue1.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Provavelmente irá Thais :) hehe Agora é torcer para que a história tenha um final feliz. Beijos

      Excluir
  8. Quando vi o título e a capa também jurei que era um romance. Agora que vi que se trata de uma história real, o livro realmente se parece mais belo. Meu lembrou a história de P.S.: Eu te amo, só que de forma mais profunda.

    Autor de A Página Certa
    www.laplacecavalcanti.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda não li ou vi P.S. Eu te amo, mas morro de vontade. Beijos

      Excluir
  9. Adorei a sinopse, mas me pareceu bem triste e até "chorável". E o que é a sensibilidade de algumas pessoas? Tenho dificuldade em demonstrar sentimentos então sempre me surpreendo com coisas simples, mas totalmente lindas, como recados em guardanapos.

    ResponderExcluir
  10. Muito bacana essa ideia dos guardanapos..e realmente, como uma leitora acima falou, me lembrou de ps. Eu te amo nesse quesito.. (No caso esse oivro eu comecei e nao terminei)..
    Pretendo ler 826 notas de amor pq parece ser bem emocionante!

    ResponderExcluir
  11. Genteeeee que livro lindo!!! No começo que eu fui lendo tbm tive a sensação que era ficção, mas fiquei emocionada ao saber que não era... Olha realmente deve ser um belo livro e eu estou louca pra lê-lo.
    Bjs

    ResponderExcluir
  12. Cara, é incrível a maneira como você defende a leitura dos livros em suas resenhas. Esse livro em especial me faz lembrar do filme P.S: Eu te Amo... pensar no que estamos deixando para as pessoas e as lembranças que elas terão de nós é algo que mexe comigo. Deve ser maravilhoso.

    ResponderExcluir
  13. Nossa, as fotos dos bilhetes é algo impressionante. Nem sei o que pensar quando vejo algo do tipo, há coisas na vida que somente vivendo é que vamos entender, e essa experiência serve de inspiração para muitos, como é o caso do livro. Muito show!

    ResponderExcluir
  14. Essa história apareceu no fantástico, muito linda, o amor de um pai não é qualquer coisa... As pessoas estão acostumadas a ver histórias de coisas surpreendentes que mães fazem por amor aos filhos, os pais não costumam demonstrar muito, mas este foi além de td isso e deixou registrado para todos nós pudêssemos ser testemunhas de seu amor!

    ResponderExcluir
  15. Nossa Mi, me emocionei lendo sua resenha. Já tinha lido a sinopse do livro no lançamento mas não fazia ideia que era um não-ficção. Se eu já estava doida para ler antes, agora então! Acho que comentei no post de lançamento da editora que a história me lembra um pouco a história da Paula Arnoso que fez o Manu's project, vira e mexe estou revendo o vídeo e me emocionando como se fosse a primeira vez. Pelo visto esse livro vai entrar para a lista de queridinhos logo logo, com certeza será minha leitura do mês que vem, vou passar ele na frente de vários porque estou curiosa demais,rs. Bjs.

    ResponderExcluir
  16. Muito interessante a forma que obra foi produzida!
    De maneira geral, achei livro legal!
    E sem duvida muito emociante!

    ResponderExcluir
  17. Quando um livro nos toca dessa maneira, é impossível larga-lo ou não favorita-lo. Confesso que não sou fã de livros com essa pegada. Fico com a impressão de que ele tem uma vibe meio depressiva. Então esse eu vou deixar passar.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  18. O livro me parece muito tocante e adorei a ideia do pai de Emma quando eu vi o titulo eu esperava uma outra historia mas quando li a resenha a adorei, quero muito ler e saber mais da Emma!!!!

    ResponderExcluir