Resenha - Invisível

Resenha - Invisível
Sinopse: "Amaldiçoado desde o dia em que nasceu, Stephen é invisível. Nunca viu seu rosto nem corpo. Evitando desaparecer por completo, ele vaga por Nova York, à deriva. Até que sua nova vizinha de apartamento chega e é capaz de enxergá-lo! Logo, ambos se tornam mais que amigos. E tanto Elizabeth como Stephen precisam decidir o quão longe irão para quebrar a maldição que o acomete. Estariam dispostos a enfrentar o maior desafio de todos, a morte?"

Alguém aqui já parou para pensar na veracidade das maldições? E se elas realmente existissem? E se fossem mais comuns do que a gente pode imaginar? E se você, que está com bloqueio criativo, não consegue nunca terminar seu livro ou sua obra de arte, estiver amaldiçoado? Ou então, aquele que tem dificuldades de se concentrar, e esquece facilmente do que estava pensando, estiver amaldiçoado? Sabem aquelas pessoas que nunca conseguem achar um táxi disponível na rua? E se elas estiverem amaldiçoadas?

De acordo com Millie, existem os mais diversos tipos de maldições rondando a humanidade: algumas são brincadeiras maldosas, outras, são capazes de arruinar o dia das pessoas ou sua vida profissional, enquanto há as que são capazes de matar, poderosas e cruéis. Também existem alguns tipos de encantamentos, como o da sorte, por exemplo, que podem ser bons, a princípio, mas também podem custar um preço alto as suas vítimas. Mas alguém aqui já ouviu falar na maldição da invisibilidade? Já pensaram em como seria ser invisível para todos?

Pois bem, apresento a vocês Stephen, um menino que nasceu invisível. Nem a mãe dele era capaz de vê-lo. Às vezes, ela conseguia senti-lo, quando ele se concentrava muito para se tornar "palpável" para o mundo material, e podia ouvi-lo, quando Stephen decidia falar. O pai de Stephen não aguentou a situação e foi embora quando ele ainda era pequeno, assim, durante anos, Stephen viveu apenas com a companhia e o amor da mãe, que lhe ensinou tudo o que considerava importante para ele sobreviver num mundo que não estava preparado para abrigar um menino invisível.
"A cidade de Nova York é um lugar no qual é muito fácil ser invisível, desde que você tenha um pai ausente que contribua com sua conta bancária de vez em quando. Tudo: mantimentos, filmes, livros, mobília, pode ser comprado pela internet. O dinheiro nunca passa de uma mão a outra. Pacotes são deixados nas portas."
Stephen não tinha ideia de o porquê ninguém conseguir enxergá-lo, só sabia que era fruto de uma maldição. A vida toda cresceu em meio a muitas dúvidas que nunca foram respondidas por sua mãe. Quando ela morreu, deixando-o sozinho para suportar tamanho fardo, Stephen acostumou-se a viver nas sombras, como espectador, sentado na plateia assistindo a um complexo espetáculo, sem poder participar. Até a chegada de Elizabeth Josephine.
"Sinto saudade da minha mãe. Quando era pequeno, ela me ensinou a me concentrar, a me conceder um peso quando o instinto começava a falhar. Desse modo, ela ainda conseguia me carregar nas costas e dizer para eu me segurar. Ela queria que eu vivesse no mundo e não longe dele. E não tolerava nenhuma malcriação de minha parte: nem roubar, nem espiar, nem levar vantagem. Eu era amaldiçoado, mas isso não significava amaldiçoar as outras pessoas. Era diferente, sim, mas não era menos humano que o restante. Por isso, precisava agir como um ser humano, mesmo quando eu não me sentia nem um pouco assim."
Elizabeth era uma jovem de dezesseis anos, repleta de amargura e raiva no coração, por causa de alguns acontecimentos drásticos que ocorreram e obrigaram a sua família a saírem fugidos de onde moravam e mudar-se para Nova York, a duas portas de distância do apartamento de Stephen. Jo, como gostava de ser chamada, era escritora de histórias em quadrinhos e não via a hora de terminar a sua primeira obra e se tornar famosa.

Logo depois da mudança, ficou responsável por arrumar a zona do novo lar e desempacotar as caixas, enquanto seu irmão caçula, Laurie, frequentava a escola de verão, e sua mãe cobria inúmeros turnos como enfermeira em um hospital local. Os dias de Jo eram entediantes e ela estava fadada a aguentar o calor insuportável da cidade que nunca dorme. Até avistar seu vizinho no corredor, pela primeira vez. Lizzie "via" Stephen, como nunca ninguém foi capaz de enxergá-lo, ela só não imaginava que era a única. Mas o que Elizabeth tinha de tão especial? A resposta para essa pergunta não era algo tão agradável de se desvendar.

Inicialmente, Stephen ficou em pânico, sem conseguir reagir, quando alguém não só olhou para ele, como falou com ele. Será que a maldição tinha acabado? Depois entendeu que Jo podia ser a sua conexão com a realidade. Como era bom ter alguém para conversar, passear e quem sabe, por quem se apaixonar? Mas Stephen não podia contar para Elizabeth a sua real história, já que corria grandes riscos de não ser compreendido e perder a sua amizade. Mas as mentiras têm pernas curtas, e Jo descobre sobre sua condição da pior maneira possível.

Com o coração despedaçado, por não suportar mais viver em meio a tantas mentiras e decepções, Elizabeth irá enfrentar o maior desafio da sua vida: terá que decidir se embarca nessa missão para ajudar o menino invisível a quebrar a sua maldição, mesmo que isso custe a sua própria vida. Quando não escolhemos por quem nos apaixonar, e quando a mesmice nos leva a ansiar pelo diferente, como fugir dos nossos destinos?

Querem saber o que vai acontecer? Então leiam!

***

Quando o livro é bom, o livro é bom.. simples assim.. Não temos que criar empatia com a história ou com os personagens, ela já está lá, desde a primeira linha.. não temos que nos esforçar para ler mais algumas páginas por dia, temos é que nos obrigar a parar de ler para dormir. Não ficamos pensando na morte da bezerra, e esquecemos de acessar o facebook e até de comer.. porque simplesmente somos absorvidos pela trama. 

No momento em que terminamos de ler, não precisamos ficar pensando se ele é realmente bom e em qual nota daríamos, já sabemos disso desde o princípio. Não temos que criar justificativas para nos convencer do que gostamos, ficamos é importunando os outros a ler porque não conseguimos parar de pensar em quão bom aquele livro é. Bom me lembrar dessas coisas.. Porque é exatamente assim que me sinto em relação a Invisível.

Fui arrebatada por essa trama no momento em que abri o livro. Minha identificação com Stephen e sua história de vida foi imediata. Ele é um menino forte, que lutou para sobreviver em meio a todas as adversidades e venceu. Elizabeth ganhou meu respeito e simpatia desde as primeiras birras, teimosias e primeiros instantes de valentia. Laurie me fez desejar ter um irmão tão querido, cuidadoso e protetor perto de mim quanto ele. Adorei ver a forma com que cada um se relacionava com o outro, íntima, debochada, sarcástica, altruísta e incondicionalmente, ou seja, bem humano. O amor, a amizade e o relacionamento fraternal aqui retratados foram um dos mais lindos e intensos que já li numa obra. Apesar de já imaginar que fosse me deparar com uma história fantasiosa, afinal, não estou acostumada a ver protagonistas invisíveis por aí, não estava preparada para o rumo que o enredo ia tomar.

Achava que o cerne giraria em torno do romance impossível entre Stephen e Elizabeth, e dos dramas pessoais que cada um carregava nas costas: ele, tendo que coabitar num mundo que desconhecia sua existência; ela, tendo que se recuperar das feridas de tragédias que tentou deixar para trás, forçando-se a voltar a confiar nas pessoas ao redor. Sem esquecer de Laurie, que tinha a árdua tarefa de assumir a sua homossexualidade e pleitear pelo seu lugar de direito na sociedade. Mas não. Este contexto apenas sobreviveu à primeira parte da obra, até Stephen descobrir acerca da maldição e de como isso envolvia Elizabeth. A partir de então, tudo foi uma grande surpresa e descoberta para mim. Invisível transformou-se, de um livro jovem adulto de fantasia, para sobrenatural, com direito a muita magia, ação, mistérios, violência e até algumas mortes.

Se eu já havia ficado fascinada pela premissa do texto, fui tragada para um universo que quase me fez desejar que existisse, se não fosse pela crueldade enredada do ser humano que, apesar de eu saber que há, ficou em extrema evidência na história. Os autores também me fizeram pensar acerca da invisibilidade das pessoas, não só no sentido metafórico, como no literal. A construção da trama é tão perfeita e palpável, que fiquei imaginando a possibilidade de pessoas invisíveis realmente viverem no nosso meio. E se aquelas causalidades que nos ocorrem no dia a dia não forem obras do destino, mas sim delas, que resolveram intervir, saindo dos seus papéis de meros espectadores? E se o que chamamos de anjos da guarda não forem simplesmente pessoas invisíveis que habitam o nosso plano?
"Eu não existo. E, mesmo assim, existo."
Elizabeth tinha o dom de enxergar Stephen, assim como vários têm o dom de enxergar coisas que nem todos são capazes. Não é porque não vemos que não existem, certo? E isso é uma das coisas que mais adoro nos livros, quando eles conseguem me fazer viajar na batatinha e ficar tão conectada ao enredo que já consigo imaginar diversas possibilidades.

Invisível é narrado em primeira pessoa, e todos os capítulos são intercalados entre Stephen e Elizabeth e, assim, somos convidados a compartilhar das experiências íntimas de ambos protagonistas, que, ao decorrer da história, completam-se e nos fazem perceber um extenso panorama em relação ao quebra-cabeça da obra.

Se eu não os convenci a lê-lo até agora, não tenho mais o que dizer a não ser LEIAM! kkk Estou realmente apaixonada por esta história como há muito não ficava. Quero que leiam e depois venham me dizer o que acharam. Vou torcer para que fiquem tão arrebatados quanto eu, a ponto de quererem se tornar invisíveis para que ninguém os incomode durante a leitura deste livro.. hehe. 

Invisível - David Levithan e Andrea Cremer  
Editora Galera Record
322 páginas
Comprar: Saraiva

***
Essa postagem está concorrendo ao TOP COMENTARISTA DE SETEMBRO.

Clique AQUI e saiba como participar.

23 comentários

  1. Mi,
    Você realmente convenceu até que não pensava em ler esse livro! Ótima resenha e adoro suas perspectivas do livro, são únicas ! Beijo

    ResponderExcluir
  2. Quando a resenha é boa é boa!
    Nossa! que empolgação!
    Fiquei com mais vontade ainda de ler!
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
  3. Oi Mi, tudo bem?

    Como sempre, você me convenceu. Do autor eu só li Todo Dia e achei sensacional. É óbvio que não vou deixar de ler Invisível. Beijos!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Ok,vc me convenceu,no primeiro parágrafo da sua resenha alias.Ando doida por um livro assim,que me desperte tudo isso.
    Ansiosíssima pra ler,vou ter que ir atrás dele agora mesmo kkk
    Sua resenha foi maravilhosa,aposto que todos que a lerem vão querer o livro imediatamente ,assim como eu!
    E olha que já havia lido outras resenhas e tinha pensado "esse livro eu vou dispensar".
    Bjus

    ResponderExcluir
  5. Oi Mi,
    Eu tinha visto esse livro na livraria, peguei pra começar a ler na segunda vez que o vi, mas acabei só lendo a orelha. Porém, desde o primeiro momento eu senti que se tratava de um livro especial.
    Adorei a sua resenha, porquê você detalhou a história da maneira certa pra não dar nenhuma dica do desfecho e ainda usou termos bem divertidos descrevendo as ideias existencias que esse livro fez você ter.
    Assim que eu tiver lido todos os livros que estão empilhados na minha estante vou pegar algum dinheiro e comprar esse.
    Beijos, Anna.

    ResponderExcluir
  6. Eu já queria ler esse livro desde quando foi anunciado, mas e agora? A ansiedade e empolgação para lê-lo aumentou. Não li nada do David ainda, mas pelo que já vi, ele realmente parece gostar de envolver esses detalhes fantasiosos no enredo, e deixa um toque mais dinâmico na trama. Mal posso esperar para acompanhar essa história, parece ser ótima!

    ResponderExcluir
  7. Mi do céu eu é que fui arrebatada por essa resenhs rsrs Fiquei muito curiosa para lê-lo. Amei de paixao toda a trama!
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Quando o livro é bom, é bom mesmo.
    Eu amei a resenha, me fez pensar no porque eu ainda não o li, mas sempre me deu vontade de conhecer o Stephen desde o seu lançamento, mas ainda não tinha visto nenhuma resenha sobre ele, ate agora.

    Abçs :)

    ResponderExcluir
  9. Encantada pela capa, sinopse e resenha.. Preciso ler algo do david levithan.. To com dois livros dele awui ja. Soh falta ler :)
    Forever a Bookaholic
    Curta a página do blog

    ResponderExcluir
  10. Eu amei este livro... Faz um tempo que li e nossa é ótimo

    ResponderExcluir
  11. Oi, como está?
    Você é a primeira pessoa que vejo que gostou desse livro.
    Todo mundo fala que esse foi o pior livro do Levithan.
    Deu pra ver que você gostou bastante.
    Não sei se já te disse, mas não leio mais nada do autor depois de Todo dia, que eu odiei.

    Beijos,

    www.enquantoestavalendo.com

    ResponderExcluir
  12. Q capa, estória, enredo, tudo, tudo, tudo lindooo!
    Não conheço o autor, mas já vi mts resenhas falando bem dele.
    Um livro q consegue nos fazer esquecer do FB vale mtooo a pena!! hahaa
    Adorei!

    ResponderExcluir
  13. Oi Mi, acabei de comprar o meu, espero que a história seja legal tanto quanto sua resenha!
    Bjs.

    ResponderExcluir
  14. Baixei o e-book de Invisível há semanas e nem sabia quando ia ler, mas ao ler tua resenha deu vontade de ler logo. Espero gostar muito da leitura!! Hihihihi

    ResponderExcluir
  15. A historia e muuuito linda! Ja percebe-se pelo começo da resenha!
    Querooo muuuuito ler este livro e esta capa é linda amo capa azul

    ResponderExcluir
  16. Já tinha ouvido falar desse livro, mas desde o início não fiquei curiosa para ler... A temática não me interessou, e por algum motivo não tive nenhum tchan com esse livro... Todas as resenhas que li falam bem dele, mas não me convenço a ler... Pode ser que mais na frente resolve dar uma chance, mas por enquanto eu passo... Que bom que você gostou, é sempre ótimo quando nos empolgamos com um livro... Amei sua resenha!
    Kisses =*

    ResponderExcluir
  17. Depois de ler uma resenha dessas minha vontade aumentou mais querendo ler esse. Dá até aquele desespero sabe? "preciso comprar esse livro logo".
    Estou muito animada para ler ele, e pela sua resenha que já disse tudo é um livro bom.
    Beijos
    Cecília
    http://cabecasdeveento.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  18. Quero ler esse livro desde o lançamento, apesar da capa não me agradar muito, eu adorei a premissa e sua resenha me deixou com mais vontade ainda de ler!

    ResponderExcluir
  19. Oi Mi! Depois dessa recomendação eu tenho que ler. Confesso que ainda não tinha me interessado pelo livro por causa da capa. Mas depois de ver a sua resenha ele já está na minha lista de leitura, essa mistura de romance, fantasia e drama já me conquistou. Espero também ser arrebatada por ele volto para contar o que achei.

    beijos

    ResponderExcluir
  20. Meu Deus , que resenha FANTASTICA ! Mi , ja tinha ouvido falar deste livro , e queria ler-o , mais nao como quero ler depois que li sua resenha , ele ja estava na lista de desejados , agora passou pra lista dos necessitados , nunca vi uma pessoa falar tao bem do livro como vs falou deste ! tem um filme um pouco a ver com o livro so que invez do homen , é a mulher invisivel que gostei muito ! mais preciso deste livro !

    ResponderExcluir
  21. gostei da capa *----* muito "fofa"(dnv -.-' ) e sinceramente irei parar de ler o blog '--' (sqn uehuehu) a cada postagem vcs me fazem querer ler mais livros mas não tenho dinheiro para comprar ( é muito caaaaroooo '------' e não leio e-book) e agora vcs me dão outro livro que vai para o meu "vou ler" seus malvados T-T

    ResponderExcluir
  22. Oi Mi xD

    Genteee que delíicia de história. É do tipo que se eu lê-sse, devoraria em uma horas, rsrs. Amei a resenha, como sempre, né?! Necessito de dinheiro .. são tantos e tantos livros bons que você falam e me deixam babando que nem sei o que fazer :S :S Se alguma banco for assaltado, juro que nao fui eu, rsrs..

    Beijos, Lucas.

    ResponderExcluir
  23. "Quando o livro é bom, o livro é bom.. simples assim.." hahaha concordo e quando a resenha é boa deixa a gente com uma vontade enorme de ler mesmo com uma fila enorme de livros na prateleira pedindo para serem lidos,rs. Fiquei doida com sua resenha hahaha adorei.

    ResponderExcluir