Resenha - A Verdade sobre nós

Resenha - A Verdade sobre nós
Sinopse: "Madelyn Hawkins está cansada. Cansada de ser sempre perfeita. Cansada de tirar A em tudo. Cansada de seguir à risca os planos que os pais fizeram para ela. Madelyn Hawkins está cansada de ser algo que não é, algo que não quer ser. E então ela conhece Bennet Cartwright. Inteligente, sensível, engraçado. A seu lado, ela se sente livre e independente. Uma história que poderia muito bem ter um final feliz, não fosse por um detalhe: Maddie tem apenas 16 anos, e Bennet, além de ter 25 anos, é seu professor. Pressionada pelos pais a participar de um programa para jovens talentos, Maddie pula dois anos do Ensino Médio e vai direto para a faculdade, onde conhece e se apaixona pelo professor de biologia. O sentimento é recíproco, e para dar uma chance àquele novo relacionamento que lhe faz tão bem, ela decide não contar para Bennet sua idade. Não demora muito para que as coisas comecem a dar errado, e as consequências da farsa de Maddie ganham contornos devastadores quando a verdade vem à tona."

O que vocês fariam para ficar ao lado da pessoa amada? E se para isso fosse preciso mentir, enganar e trair, vocês estariam dispostos a pagar o preço?

Madelyn era uma jovem de 16 anos, que vivia na pacata cidade de Enumclaw, em Washington, com seus pais e seu irmão Travis. Genuinamente inteligente, tinha facilidade com números e só tirava notas altas no colégio. Justamente por isso, foi aceita no programa Running Start.

Este era um grande feito, pois deu a Maddie a oportunidade de estudar na Green River Community College antes mesmo de terminar o colégio. Assim, por mais dois anos, Maddie seria capaz de acumular créditos suficientes tanto para concluir o segundo grau, quanto para entrar na universidade.

Seu futuro estava traçado desde que ela havia nascido. Seu pai, que se considerava um grande fracassado, estava determinado a fazer de sua filha um grande sucesso como a mãe. A ideia era de que ela se formasse aos 20 anos e aos 22 já tivesse concluído o mestrado. Maravilhoso, certo? Seria, se este também fosse o sonho de Maddie.

Mas ela era ainda apenas uma menina, que nunca foi consultada pelos pais sobre o que realmente queria fazer. Maddie ansiava por atenção e por levar uma vida como qualquer garota da sua idade, sem ter que se preocupar em ser sempre perfeita. Mas mal sabia ela que a sua vida estava prestes a dar uma virada.
"Bem, é assim que são as coisas em minha casa. Você tem que ser perfeito, e se não for, bom, é melhor fingir muito bem."
No primeiro dia de aula da faculdade, Maddie conheceu o Sr. Cartwrigth, seu professor de Biologia. Foi amor à primeira vista. Ela sabia que ele era bem mais velho e que provavelmente não teria chance alguma com ele, mas para a sua surpresa, notou interesse por parte do professor também.
"Talvez eu ainda fosse aquela garota, já que nunca tinha dado um passo em falso, jamais fizera nada inesperado ou andara fora da linha. Até surgir você, pelo menos."
Com o passar do tempo, uma bela amizade iniciava-se, com a promessa de um amor proibido entre ambos. O problema é que Bennett não sabia que Maddie era menor de idade, fato este que ela sempre fez questão de esconder. Portanto, Bennett acabou tornando-se vítima do egoísmo da menina para quem entregou seu coração.

Numa sociedade que condena o amor entre pessoas de idades diferentes, que sempre vê com maus olhos o relacionamento entre alunos e professores, ambos passarão por maus bocados para poderem viver esse amor. Será que dará certo?

Querem saber o que vai acontecer? Então leiam.

***

Desde que vi esta capa e li a sinopse, fiquei doida de vontade de ler A Verdade sobre nós. Me deu a impressão de ser um livro jovem adulto bem fofinho, e fiquei curiosa para saber sobre os segredos que permeavam a trama, porque, por mais que tivéssemos a noção do que havia acontecido entre os dois, não tínhamos como ter certeza.

A leitura me fisgou de imediato, principalmente por causa do texto de Amanda, em primeira pessoa, doce, leve e delicado, condizente com uma menina apaixonada. Maddie está descobrindo o seu primeiro amor, e como qualquer adolescente imatura e inexperiente, luta contra seus sentimentos ao mesmo tempo em que se entrega a esse relacionamento mesmo sabendo que é errado.
"Tudo que eu queria era conversar com você, quem sabe construir para nós uma arrebatadora história de amor no estilo Orgulho e preconceito." 
Ela deixa claro durante todo o livro que sabe o que está fazendo, mas que não consegue parar, não consegue ficar longe de Bennett. Adorei a forma como a história é contada, por meio de cartas, mas algumas vezes, achei o desenvolvimento levemente repetitivo, já que Maddie faz questão de frisar coisas que já havia nos dito. Mas devemos lembrar de que se trata de histórias contadas por uma menina, cegamente apaixonada e vivendo um período crucial de transformação em sua vida.

Não sei explicar direito, mas esse livro mexeu demais comigo. A autora colocou frases belas e cheias de significado que me fizeram lembrar da minha adolescência. De quando eu não sabia que carreira seguir, do quanto eu queria viver uma vida diferente e parar de ser rotulada por aquilo que não era, e do quanto queria ter o poder de controlar a minha própria vida, sem depender dos outros e principalmente da minha mãe. Que adolescente não quer isso?
"Era isso que eu queria. Pintar o próprio retrato pela primeira vez, em vez de fazer o que meus pais delinearam com tanto cuidado."
Ademais, a trama central, um amor proibido entre pessoas de idades diferentes, me fez reagir contraditoriamente na medida em que avançava na leitura. Eu não deveria ter preconceitos em relação a isso, afinal, comecei a namorar meu marido quando tinha 19 anos e ele 30. Tínhamos 11 anos de diferença, assim como Maddie e Bennett tinham 10 e, do mesmo modo, nos apaixonamos de verdade e até hoje estamos juntos. Talvez por eu ser maior de idade na época, ninguém achou ruim ou nos olhou torto, como aconteceu com o casal fictício. Mas, analisando tudo sob a perspectiva de uma mãe, não tenho como dizer se não surtaria caso descobrisse que a minha filha está namorando um cara 10 anos mais velho que ela.
"Dez anos não é muito, sabe? Se eu tivesse vinte e você, trinta, será que alguém se importaria? Parece cruel que quatro aninhos sejam tão importantes, capazes de mudar uma vida."
Talvez eu tivesse reagido da mesma forma que os pais de Maddie. Talvez eu tivesse me sentido traída, como Bennett. Mas é bem provável que eu tivesse seguido os mesmos passos de Maddie, porque nessa idade, é difícil enxergarmos a frente e antevermos as consequências. Como disse, essa foi uma história que me fez refletir. Me coloquei na pele de cada um dos personagens e experimentei seus sentimentos, alegrias e angústias.

Só por isso, para mim, este livro já valeria a pena ser lido, mas no fim, uma das coisas que mais me encantou na obra, foi acompanhar a jornada de uma menina e vê-la se transformar, amadurecer, crescer, experimentar novas coisas e finalmente conseguir descobrir que ela é de verdade, buscando seu caminho. Ao testemunhar o seu esforço de se redimir, expiar seus pecados, deixando o passado e a culpa para trás para finalmente seguir em frente, me fez acreditar que somos sempre capazes de aprender com os nossos erros e de nos tornarmos pessoas melhores.

A verdade sobre nós reforça a ideia de que, às vezes, nem nós mesmos sabemos quem somos, mas que devemos dar uma chance de nos conhecermos. Esta é uma leitura emocionante, super indicada para os adolescentes e para aqueles que continuam a ser jovens, independente da idade.

A verdade sobre nós - Amanda Grace
Editora Intrínseca  
208 páginas
Comprar: Saraiva 
***
Essa postagem está concorrendo ao TOP COMENTARISTA DE AGOSTO.

Clique AQUI e saiba como participar.

10 comentários

  1. Mi, esse livro tem cara de ser fofo e agora com a sua resenha vou pegar na minha estante e lê-lo. Adoro livros com aquele tabu que a sociedade não aceita, nesse caso relacionamento entre professor e aluno, e tem as diferenças de idade. Bejjo

    ResponderExcluir
  2. Olá Mirelle,
    Essa diferença de idade é um tema que levanta muitas opiniões diferentes. O livro parece ser muito bom, contendo além de um bonito romance, também o amadurecimento da personagem, o que eu acho muito legal de ler em livros.
    Enfim, eu adorei a resenha!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Oi Mi,
    Muito legal esse livro, nunca li nada parecido.
    Me lembrei da Aria de PLL.
    Ótima resenha.

    www.enquantoestavalendo.com

    ResponderExcluir
  4. Oi Mi,
    Ser jovem é questão de escolha ^^, eu gostei do tema do livro, é bonito ver um amor proibido, mas não é uma leitura que eu pretendo passar na frente das outras. De qualquer forma, muito obrigada pela dica.
    Beijocas ^^

    ResponderExcluir
  5. Apesar de não ser meu gênero preferido, eu adorei, achei bem legal a trama e depois da sua resenha quero muito ler.

    ResponderExcluir
  6. OI Mi,como o Marcelo disse esse livro me lembra do romance de Aria e Ezra na série Pretty Little Liars!Se eu ja gosto de ver na série ja prevejo que vou gostar do livro.

    ResponderExcluir
  7. Lendo a sinopse achei a história bem interessante mas a sua resenha acabou por atiçar minha curiosidade. Parece ser um livro fofo ao mesmo tempo que tem essa "complexidade" de estar envolvido numa história de preconceito velado de relacionamento com diferenças de idade. Claro que cada caso é um caso mas fiquei doida para saber dessa história,rs. Anotado na listinha de leituras futuras.

    ResponderExcluir
  8. A Verdade sobre nós e lindo livro com linda historia e esta capa divina
    de linda ! Acheii o historia bem do tipo de romance que gosto e muuuito fofa e rica

    ResponderExcluir
  9. Acho essas histórias em que as personagens amadurecem a partir de seus erros muito legais. Em relação às idades diferentes, não acho que seja um problema, desde que os dois sejam maiores de idade.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  10. Fiquei encantada com essa citação: "Era isso que eu queria. Pintar o próprio retrato pela primeira vez, em vez de fazer o que meus pais delinearam com tanto cuidado."
    Completamente belo, profundo e poético, Mi. De fato, a narrativa parece ser bastante trabalhada nesse sentido, embora tenha algumas repetições como você disse, ainda fiquei com vontade de ler e mergulhar fundo nessa obra. Uma paixão pelo professor não parece uma utopia tão grande assim

    M&N | Desbrava(dores) de livros

    ResponderExcluir