Resenha - Livro Orange is the New Black

Sinopse: "Quando era jovem, tudo o que Piper Kerman queria era viver novas experiências, conhecer pessoas diferentes e descobrir o que fazer com o diploma recém-adquirido da prestigiosa Smith College. Anos depois, com um bom emprego e prestes a se casar, ela recebe uma visita inesperada - a polícia. Piper estava sendo intimada para responder por envolvimento com o tráfico internacional de drogas. A acusação era verdadeira - recém-formada, Piper teve um caso com uma traficante glamorosa que a convenceu a levar uma maleta de dinheiro para a Europa. Sua aventura pelo submundo do crime voltou à tona no dia em que a polícia bateu à porta dela. Depois de uma dolorosa odisseia pelo sistema judiciário americano, Piper acabou condenada a quinze meses de detenção numa penitenciária feminina no meio do nada - longe dos amigos, da família e de tudo o que ela conhecia. Em 'Orange Is the New Black', Piper apresenta casos curiosos, perturbadores, comoventes e divertidos do dia a dia no presídio. Cercada de criminosas, logo percebe que aquelas mulheres são muito mais complexas do que ela imaginava. Ao mesmo tempo que aprende a conviver com regras arbitrárias e um rigoroso código de conduta, Piper revela as alegrias e angústias das presidiárias e analisa a crueldade com que o sistema carcerário as desumaniza e faz com que sejam invisíveis ao mundo exterior."

Oi gente, hoje trago para vocês a resenha do livro Orange is the New Black, que deu origem ao seriado de mesmo nome que já foi resenhado AQUI, escrito por Piper Kerman e lançado pela Editora Intrínseca. Pela primeira vez, optei por não fazer resumo da obra por dois motivos: primeiro, já falei sobre a história na resenha do seriado. Segundo, porque a sinopse do livro ficou bem completa e qualquer coisa que eu dissesse ficaria repetitivo. Portanto, abaixo, vocês já podem conferir a minha opinião pessoal sobre essa história.

Desde que assisti ao seriado de Orange is the New Black, fiquei tremendamente curiosa para ler o livro e ingressar no tortuoso mundo da prisão, descobrindo todos os mistérios e segredos das minhas personagens favoritas. Imaginem a minha surpresa quando percebi que ambas as histórias são completamente diferentes!

O livro e a série possuem fatores em comum sim. A essência da trama é a mesma, muitas situações descritas na obra foram adaptadas para as telinhas com incrível fidedignidade, porém, outras, não entendi muito bem por que foram alteradas. Inserir ou excluir personagens do seriado até é de se entender, afinal, eles precisam criar conteúdo para diversas temporadas. Mas trocar a personalidade das pessoas, para quê? Para acrescentar uma pitada de comédia e tirar o drama, ou vice-versa, e de maneira desnecessária e artificial?

A Tiffany, por exemplo, não existe no livro. Como isso é possível, tendo em vista de que ela é um dos grandes pilares da série, personificando a principal antagonista de Piper? A Crazy Eyes, pasmem, é uma mulher hispânica que apenas faz uma pequena participação, de algumas linhas, na história. Felizmente, Red não só existe como é uma das pessoas mais importantes na vida de Kerman, enquanto ela esteve presa, sendo identificada no texto como Pop, para quem Piper dedica o livro. Fico feliz de Red ter incorporado as principais qualidades de Pop, e mais feliz ainda de saber que Pop não era a pessoa mesquinha e egoísta que Red se mostrou no final da primeira temporada, me decepcionando demais.

As mudanças mais chocantes feitas no show, para mim, em relação ao livro, foram referentes ao Larry, noivo de Kerman, seus sogros e seus pais. Larry não é o idiota egocêntrico como querem que acreditemos, os sogros de Piper não a detestam e seus pais não são os completos idiotas como são apresentados na série. Pelo contrário, estas pessoas, assim como os amigos de Piper, foram a sua tábua de salvação enquanto esteve presa. Se não fosse pelo amor, dedicação e a presença constante deles, fosse fisicamente ou por meio de cartas e presentes que eram enviadas ao presídio, Piper não teria dado conta de sobreviver sã. 

Além disso, Alex, ou Nora Jansen, que na verdade se chama Catherine Clearly Wolters, só aparece nas últimas páginas da trama. Piper e "Norma" apenas convivem cinco semanas na prisão de Chicago enquanto aguardam a fim de testemunhar no julgamento de um de seus comparsas. Elas mal se falam, que dirá se envolverem intimamente, como mostrado na TV. Assim sendo, ironicamente, uma das personagens mais interessantes do show, que encabeça as cenas mais complexas e confusas emocionalmente para Piper, foi completamente repaginada.

Ok, preciso confessar, por mais que o livro seja bom, o seriado me conquistou muito mais. Explico. Adoro narrativas autobiográficas, principalmente quando são contadas como se fossem ficcionais. Entretanto, Piper Kerman é uma mulher "tão comum" e boazinha que não me chamou atenção em nada. Não como eu supunha, pelo menos. Um fenômeno muito curioso, afinal, eu não deveria ficar feliz por ela ser assim? Mas não, a impressão que tive é que estava em busca de uma pessoa inconsistente, perdida e volúvel, como a Piper Chapman, e acabei meio que me decepcionando por não encontrá-la no texto.

Morri de dificuldade de associar as "pessoas reais" com seus respectivos personagens da série e cheguei num ponto que acabei desistindo. São tantos nomes e pessoas citadas que também não consegui me identificar com ninguém. Fiquei boa parte da história questionando como a Kerman foi capaz de se lembrar de tantos detalhes, regras, nomes, fatos, etc, para compor o livro. Será que ela manteve um diário e anotações na prisão? Até que ponto a trama foi escrita com imparcialidade, não só em relação ao seu respeito, mas também aos demais? Não sei, tive uma sensação estranha enquanto lia, como se algumas passagens tivessem sido forçadas ou algumas situações fossem fáceis demais.

É engraçado que, no decorrer do texto, Piper cita com raiva uma ex-detenta que deu uma entrevista ao jornal falando sobre a época em que esteve presa e fez tudo parecer como um divertido período numa colônia de férias. Como se o presídio fosse um local barbada de descanso e como se fosse uma experiência agradável de ser vivida. Mas na maior parte do livro, foi exatamente esta a sensação que a Piper me passou por meio de sua narrativa. Curioso, não?

Sei que o ambiente do presídio é inóspito e cruel, porque sim, já estive dentro de um na minha época de faculdade enquanto cursava Direito, e achei que Kerman fosse explorar melhor as dificuldades e dramas de se viver atrás das grades, coisa que só apareceu, muito rapidamente, no final e de maneira superficial. A impressão que tive enquanto via a série e lia o livro era de se tratar de uma história parecida com as que vemos em colégios públicos ou internatos, com muita confusão simplesmente por juntarmos um aglomerado de mulheres num cubículo. Mas nada além disso. Ou as prisões federais americanas são muito "tranquilas" ou as nossas são realmente muito barra pesada. Ou as duas coisas. Sei lá.

Eu gostei bastante do livro. Achei muito legal ficar por dentro de todos os detalhes da condenação de Piper, do funcionamento das leis americanas, de aprender a sobreviver num presídio federal, porque no fundo, encarei o livro de Piper praticamente como um manual, mas acho que não foi o melhor momento de lê-lo. Talvez se eu o tivesse lido antes de ver a série, teria sido mais proveitoso. Fora o fato de que os livros novos que chegaram na semana e me imploravam para serem lidos não me ajudou a me concentrar nesta história.. hehe.

Ainda assim, acredito que Orange is the New Black é uma obra importante, que nos mostra que no fundo todos somos iguais, todos somos capazes de cometer besteiras e sermos presos, e que não temos o direito de julgar os outros pelas suas atitudes sem antes encarar o espelho. Acho louvável Piper ter se entregue, ter cumprido a sua pena de maneira digna, sem se corromper e tentar burlar o sistema e ter tentado sobreviver da melhor forma enquanto esteve presa, aberta a novas experiências e aprendizados.
"Todos que gostavam de mim desejavam que eu fosse inocente — que tivesse sido enganada, ludibriada, iludida. Mas, é claro, esse não era o caso. Há muitos anos quis viver uma aventura, uma experiência extraordinária, e o fato de ser ilegal tornava-a ainda mais emocionante. Nora pode ter me usado naquele passado distante, mas eu tinha me mostrado mais do que disposta a aceitar o que ela me oferecia." 
O livro ainda discute o problema da população carcerária em crescimento e principalmente seu retorno as ruas sem nenhum preparo ou incentivo. Que futuro teriam aquelas mulheres depois de cumprirem as suas penas? Que futuro nós teríamos ao conviver com seres humanos sem perspectivas e maculados por suas próprias escolhas, sem nenhum tipo de ajuda?
"Qual o sentido, qual a razão para prender as pessoas durante anos, quando isso parece significar tão pouco, até mesmo para os carcereiros que seguram a chave em suas mãos? Como um preso pode achar que sua punição teve algum sentido para alguém, quando ela é aplicada de maneira tão impensada e indiferente?"
Este foi um livro que demorei demaisss para ler e no final estava me dando uma angústia por causa disso. Daria o mesmo conselho que dei quando li Bling Ring ou qualquer outro livro de não ficção ou autobiográfico, leiam em doses homeopáticas, intercalando com outras leituras. Para quem busca entretenimento, limitem-se a ver o seriado, para quem, assim como eu, adora conhecer coisas novas e ampliar os horizontes, leiam o livro também.
"O que acontece em nossas prisões está completamente dentro do controle da comunidade. O público espera que as sentenças sejam punitivas, mas também reabilitadoras; no entanto, o que esperamos e o que obtemos de nossas prisões são coisas completamente diferentes. A lição que nosso sistema prisional ensina a seus residentes é como sobreviver como um prisioneiro, não como um cidadão — o que não constitui uma estrutura de conhecimento muito construtivo para nós ou para as comunidades às quais retornamos."
"Coisas incríveis podem acontecer atrás das grades porque as pessoas são extraordinariamente resilientes. Podemos sobreviver a quase tudo; e essa é uma das razões por que a punição severa por si só não rende frutos. Para que as prisões sirvam, verdadeiramente, ao público, as pessoas que as dirigem deveriam se inspirar nas palavras de Thomas Mott Osborne, o célebre diretor do presídio Sing Sing de Nova York, na primeira parte do século XX, que jurou: “Transformaremos essa prisão de um ferro velho em uma oficina de reparos."
Orange is the New Black - Piper Kerman
Editora Intrínseca
304 páginas
Comprar: Saraiva
***
Essa postagem está concorrendo ao TOP COMENTARISTA DE JUNHO.

Clique AQUI e saiba como participar.

39 comentários

  1. Como já ouvi muito por ai, seriados são sempre mais completos que os livros, pois na TV podem ser explorados temas que no livro não. Então a maioria das series são melhores que os livros.
    Por isso quero lê-lo antes de assistir.

    Um beijo,
    Livrologias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Mi,
    Acho que o principal é que é tudo bem diferente mesmo na série e no livro né? Ainda não vi nenhum episódio da série e também não li o livro, mas pela sua opinião, acho que eu vou tentar ver a série, porque prefiro a parte mais engraçada... rsrs

    Bjok

    ResponderExcluir
  3. Puxa Mirelle, fiquei um pouco decepcionada com o livro agora. Eu não conhecia a série, mas ouvi tantos comentários a respeito dela por causa do lançamento do livro que assisti alguns capítulos. E adorei!! É uma das melhores séries que já assisti. Pelo jeito é um dos raros casos que a adaptação fica melhor que o livro. Perdi um pouco a vontade de ler.

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  4. Oi Mi :)

    Eu estava louco pelo livro, já que a série me agradou bastante, porém as resenhas que tenho lido dele estão me desanimando. Beijos!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. O livro, estranhamente, não me chamou a atenção. Não curto histórias de não ficção na literatura, então acho que ficaria só com a série mesmo, na qual acho que a dinâmica com a qual a temática é abordada seria mais dinâmica. Quanto à diferença em relação aos livros, no caso de séries (e não de filmes) normalmente eu acabo gostando da mudança, e consigo muito mais encarar livro e série como coisas distintas.

    ResponderExcluir
  6. Doida pra ver essa série e ler o livro!

    ResponderExcluir
  7. Ainda continuo sem vontade de assistir a serie :P
    Estou vendo em outros blogs comentários negativos em relação ao livro que eu esperava que fosse bom.
    Agora não quero nem o livro nem a serie *-*

    ResponderExcluir
  8. Vou ler a serie e ver se leio o livro depois

    ResponderExcluir
  9. Oi, Mi
    Ainda não li o livro e nem assisti a série. Acho que vou começar pelo livro. Vou seguir seu conselho e ler em doses homeopáticas. E só depoia assistir a série.

    ResponderExcluir
  10. Cara, eu tô louco pra ler esse livro. Comecei a ver a série e em menos de uma semana terminei a primeira temporada. Tô louco pra começar a segunda e ver em que roubada a Piper está. Eu amei demais a série e eu queria mais drama porque gosto de chorar, mas a série abrange um pouco de comédia, o que não é ruim também porque amo dar gargalhadas.

    ResponderExcluir
  11. Perdi um pouco do interesse quando você falou das mudanças de personagens. Não tem Taystee? Não tem Alex? Como assim? Mas ainda quero ler, afinal, bem ou mal, é a história real, né. Ou assim deveria ser.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Taystee é citada sim no livro, se não me engano como Delicious (sabe aquela primeira cena da série dela comentando dos lindos peitinhos de tv que a Piper tem? está no livro! =D).

      Assim como diz na Resenha, com tantos nomes citados, e a maioria na série foram alterados, então fica um pouco difícil saber quem é quem, mas como ainda estou na metade do livro até agora apareceu:

      Alex, Larry, Red, Taystee, Big Boo, Mendez, Sam Healy, Natalie "Fig" Figueroa, Joe Caputo, Irmã Jane Ingalls, Yoga Jones, Sophia Burset, Pennsatucky, Crazy Eyes e Claudette Pelage.

      E alguns que ainda não tenho certeza mais o perfil é bem parecido é a Morello e Nicky.

      Excluir
  12. Perdi um pouco do interesse quando você falou da mudança das personagens. Como assim não tem Taystee? Não tem Alex? Mas ainda quero ler porque bem ou mal, é a história real. Ou deveria ser.

    ResponderExcluir
  13. Oi Mi,
    Como não assisti o seriado acho que a leitura vai fluir normalmente. Eu tenho que confessar que achei bem interessante a história ^^ e embarcar no mundo carcerário vai ser bacana e não vou me esquecer que terei que intercalá-lo rsrs.
    Beijocas ^^

    ResponderExcluir
  14. Ainda não li o livro e nem assisti a série. Mas assim que der vou dar uma conferida.

    ResponderExcluir
  15. Desde que vi o post sobre a série aqui fiquei mega curiosa, agora fiquei na dúvida se devo ler o livro primeiro, acho que não vou aguentar esperar. Essas mudanças que ocorrem das obras literárias quando vão pras telinhas é muitas vezes chocantes, até mais pra quem já viu a série como você, então não posso opinar muito mas quando vê a série vou poder e espero não ficar decepcionada com a série por isso.

    ResponderExcluir

  16. Mais uma vez estou lendo maravilhas sobre essa série! Pelo visto todo mundo que assiste ama!
    Estou doida pra assisti-la, acho que agora que as férias vão começar vou conseguir! rsrs
    E o livro já esta no topo da minha lista de desejados! Porque falam tão bem da série, imagino que o livro deve ser tudo de bom! Afinal, os livros sempre são mil vezes melhores que tudo! Nada se compara ao livro...

    ResponderExcluir
  17. Realmente e uma serie que acaba criando curiosidades.. Eu fiquei muito curiosa, comecei a assistir a serie e não consegui mais parar.. O livro deve ser uma maravilha também e estou com muita curiosidade..

    ResponderExcluir
  18. Foi um verdadeiro presente para os fãs esta publicação da editora Intrínseca! Eu adoro a série de tv e vai ser uma oportunidade fantástica poder conhecer mais sobre a vida de Piper!

    ResponderExcluir
  19. Adoraria lê-lo antes de assistir a série pois pelo que já lí em diversos lugares, a adaptação ficou melhor que o livro.

    ResponderExcluir
  20. Muito bem escrita a resenha, mas acho que não e legal querer comparar um livro e uma serie de TV. Nas series de TV se abordam temas diferentes, para atrair mais a atenção do publico, e eles precisam muitas vezes alterar os personagens por pressão do próprio publico...

    ResponderExcluir
  21. Oiee ^^
    Estava em dúvida se deveria ver a série primeiro ou ler o livro, mas depois da sua resenha, acho que vou ler primeiro. Uma pena que a leitura demore para fluir *-*

    ResponderExcluir
  22. Desde que vi o post sobre a série aqui fiquei mega curiosa, agora fiquei na dúvida se devo ler o livro primeiro, acho que não vou aguentar esperar. Essas mudanças que ocorrem das obras literárias quando vão pras telinhas é muitas vezes chocantes, até mais pra quem já viu a série como você, então não posso opinar muito mas quando vê a série vou poder e espero não ficar decepcionada com a série por isso.

    Minha curiosidade sobre a série de TV veio desde que vi o post aqui, mas agora também não seio se devo ler o livro primeiro, mas acho que não vou aguentar esperar ter o livro em mãos e vou começas a assistir a série. Essas mudanças que ocorrem sempre nos chocam, as vezes mudam demais e podem até perder o contexto pra quem é fã, mas pra quem só conhece uma das opções dá pra ver numa boa, mas se for fã, não tem jeito, vão ficar bem surpresos.

    ResponderExcluir
  23. Não assisto a série ainda mas tenho muuuita vontade de ver. Essa coisa de cadeia, o humor, o drama, são características que eu amo em séries. E eu gosto de ler os livros que inspiraram as séries mesmo que a maioria seja diferente, então também tenho bastante interesse em ler o livro. Acho que talvez se você tivesse lido o livro antes não teria se decepcionado assim. Acontece o mesmo com Pretty Little Liars que os livros são muito diferentes das série e o fato de a maioria das pessoas conhecer a série antes dos livros os faz gostar muito mais da série. Acho que são coisas diferentes mas mesmo assim, com tantas diferenças gosto de ler e assistir os dois !
    Beijos

    ResponderExcluir
  24. Oi Mi.
    Infelizmente às vezes acontecem algumas mudanças nos personagens que no livro é de uma forma e no seriado de outra, seja apenas fisicamente ou na personalidade. Além de ter adições de personagens no seriado e cortes de personagens consideradas importantes no livro.
    Parece que o seriado é mais interessante que o livro rs Acho que vou ver o seriado e não ler o livro.

    ResponderExcluir
  25. Menina, pelo que li em sua resenha vou amar esse livro....A primeira vez que vi algo dessa série foi quando vi o seriado na TV e me apaixonei,quando soube que era baseado em um livro, fiquei imensamente feliz. Quero muito tê-lo.

    bjs

    ResponderExcluir
  26. Eu tenho uma pequena lista de séries para assistir futuramente, e 'Orange is the New Black' com toda a certeza está entre elas. Aposto que darei muitas risadas tanto com a série, tanto com o livro!

    ResponderExcluir
  27. Gosto muito de livros autobiográficos e esse me interessou bastante até, mas queria saber uma coisa Mirelle, como a autora aborda os próprios sentimentos dentro do livro?
    Abraço

    ResponderExcluir
  28. Bom, como já disse no outro post que você falou sobre essa série, eu não gostei da temática da série. Por mais que todo mundo esteja falando super bem, sei que se eu assistir, vou me decepcionar. Então eu prefiro me poupar, inclusive do livro.

    ResponderExcluir
  29. Eu e minha mãe ouvimos dessa série/livro na Turnê Intrínseca e combinamos de assistir... E não é que até hoje não vimos nenhum episódio? DX Tenho que lembrar ela, as séries do Netflix são muito boas, vi uns episódios de Hemlock Groove e gostei muito :)
    Bem, na maioria das vezes prefiro os livros aos seriados (como em Pretty Little Liars, em que a série enrolou demais e desviou completamente da história do livro), com pequenas exceções como em The Vampire Diaries, simplesmente porque os livros são muito ruins e a série melhorou a história :P
    Nunca li uma biografia então não faço ideia do que pensar deste livro. Mas deixarei ele (assim como a série) na minha lista, o importante é estar aberta a todos os tipos de leitura, não? \o/

    Hannah Mila // Meu Mundo

    ResponderExcluir
  30. Não sei bem o que vou achar desse livro, pretendo dar uma conferida no seriado
    antes de arriscar a leitura... Enfim, se por acaso o seriado me chamar a atenção posso tentar a leitura.

    http://soubibliofila.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  31. Terminei a primeira temporada de Orange is the new black essa semana e já estou maratonando a segunda porque acabei ficando completamente viciada nela,rs. Não tinha me animado a ler o livro e depois da sua resenha fiquei com um pé atrás, acho que vou finalizar a segunda temporada da série, dar aquele tempinho para respirar, absorver os acontecimentos e depois ler o livro mas sem muitas expectativas em fazer um correlato com a obra televisiva. Bjs :-)

    ResponderExcluir
  32. Sentimentos diferentes você expôs na sua resenha: ter gostado bastante do livro, mas tendo achado uma leitura cansativa que não via a hora de terminar. Isso me deixou um pouco confuso.
    Livros baseados em fatos reais, realmente, são interessantes para conhecermos algo novo, mas como entretenimento deixam bastante a desejar.
    Mas, como, nunca vi a série, e acho que nunca verei, pois não sou fã de comédias, acho que iria desfrutar melhor da leitura por não ter associação. Não teria o problema que você teve querendo identificar personagens.

    ResponderExcluir
  33. Geralmente não leio biografias. As únicas que me fazem dar uma espiada são as que tem esse tom mais ficcionais. Já em relação a adaptações, essa parada de acrescentar ou excluir personagens e/ou situações são necessárias, mas concordo com você em ficar "P" da vida quando rolam essas mudanças de personalidades das personagens. Prefiro que eles excluam de vez, no lugar de fazer um sacrilégio desses. Enfim, pretendo ler/assistir assim que tiver oportunidade.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  34. Quero muito ver a série e normalmente eu gosto de ler os livros tbm, mas nesse caso eu vou passar o livro.
    Pelo jeito vou me decepcionar assim como me decepcionei quando li Vampire Diaries e Gossip Girl. Duas séries que eu adoro e que os livros são completamente diferentes. (e nem se compara o quanto as séries são melhores que os livros).

    ResponderExcluir
  35. Nunca assisti a série, nem li o livro, mas estou muito curiosa para fazer as duas coisas! Todo mundo que assiste diz que é muito bom e quando lê também comentam! Acho que o legal é saber que é real, mas ao mesmo tempo como você disse pode ser que a leitura se torne um pouco longa! Mas fiquei com mais vontade agora!

    ResponderExcluir
  36. Não vi o seriado e nem li o livro, mas pelo visto ambos são bons, que pena que você não gostou tanto do livro como do seriado, mas fico feliz que ele é muito bom, pretendo assisti ao invés de ler o livro, não sei porque, mas assistir me parece que vai ser mais interessante, e sem contar que eu acho que vou me sentir como você não irei conseguir associar os personagens do livro como do seriado, gostei muito da sua resenha Mi.
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  37. Ouvi falarem muito dessa série/livro mas não conhecia sua história e fiquei até surpresa da temática pesada que leva.
    Gostei sim dos quotes e acho que eu apostaria sim nessa leitura, mesmo sendo um pouco arrastada. A capa, é bem curiosa!

    ResponderExcluir
  38. Estou lendo este livro agora mesmo. Pretendo terminar hoje. Passando da metade já.

    Ainda não assisti a série, mas pretendo fazer isso logo.

    Ótimo blog! c:

    ---------------
    @BifeDeUnicornio

    http://gotasdexp.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir