Semana Silo - Resenha - Dia 1

Semana Especial Silo Hugh Howey Editora Intrínseca Recanto da Mi
E aí pessoal, começa hoje no Blog a Semana Especial Silo, de Hugh Howey, lançado no Brasil pela Editora Intrínseca. Fiquem preparados, porque essa semana será de pura aventura e emoção com direito a um sorteio mega especial ao final para quatro vencedores! Embarquem conosco nesse universo distópico em que as coisas não são o que parecem ser.

Semana Especial Silo Hugh Howey Editora Intrínseca Recanto da Mi
Sinopse: "O que você faria se o mundo lá fora fosse fatal, se o ar que respira pudesse matá-lo? E se vivesse confinado em um lugar em que cada nascimento precisa ser precedido por uma morte, e uma escolha errada pode significar o fim de toda a humanidade? Essa é a história de Juliette. Esse é o mundo do Silo. Em uma paisagem destruída e hostil, em um futuro ao qual poucos tiveram o azar de sobreviver, uma comunidade resiste, confinada em um gigantesco silo subterrâneo. Lá dentro, mulheres e homens vivem enclausurados, sob regulamentos estritos, cercados por segredos e mentiras. Para continuar ali, eles precisam seguir as regras, mas há quem se recuse a fazer isso. Essas pessoas são as que ousam sonhar e ter esperança, e que contagiam os outros com seu otimismo. Um crime cuja punição é simples e mortal. Elas são levadas para o lado de fora. Juliette é uma dessas pessoas. E talvez seja a última."

Imaginem um universo distópico e pós-apocalíptico em que é impossível viver no Planeta Terra. Nosso mundo foi devastado há séculos e o ar tóxico que circula pelo meio-ambiente é mortal, fazendo um ser humano morrer e se desintegrar em pouco tempo ao entrar em contato com ele. Além disso, a paisagem antes tão bonita se tornou inóspita e digna de dar arrepios em qualquer mortal. 

Os únicos sobreviventes a essa catástrofe são os moradores do Silo, um local previamente preparado e equipado com toda a tecnologia e mantimentos suficientes para sustentar um número determinado de pessoas. Lá, tudo é racionado e cheio de regras. O controle populacional é feito por meio de loteria em que um casal só pode ter filhos quando alguém morre. Qualquer pensamento a respeito da vida do lado de fora é banido de imediato com a pena máxima: a limpeza dos sensores do Silo, o que, em outras palavras, significa a morte.

O Silo possui 144 andares e é dividido em três seções diferentes de 48 andares cada. Cada um em seu interior possui uma função muito bem dividida e essencial à manutenção do local. Lá podemos encontrar pessoas responsáveis pela mecânica, suprimentos, portadores, TI, bem como os sacerdotes, delegados, xerife e a Prefeita. Todos no Silo vivem em paz e aparentemente são felizes. Ninguém tem a ilusão de que um dia viverá do lado de fora e seguem as suas vidas alienadas satisfeitos com o que têm sem fazer nenhum questionamento sobre o passado ou criando esperanças para o futuro. As coisas são como são. Simples assim.

Mas, de tempos em tempos, o Silo é infectado com vírus mortais: as ideias! Pessoas que resolvem pensar e questionar o modo de vida atual colocando em risco todo o funcionamento político e social do local. 
"— Ideias são contagiosas, Lukas. Isso é o básico da Ordem. Você sabe."
No início do livro conhecemos Holston, o xerife atual que decide, por livre e espontânea vontade, sair do Silo. Ninguém consegue o convencer do contrário. Ele que ir lá para fora e se reencontrar com a esposa que há três anos foi condenada a limpar os sensores, porém, ele está convencido de que não vai morrer e de que há uma grande mentira por trás do que todos sempre os fizeram acreditar. Mas, as coisas não saem como ele havia planejado e ele nunca mais volta.
"Holston aplicou a película protetora no segundo sensor e se perguntou se a mentira feia de um mundo exterior desagradável seria uma tentativa equivocada de evitar que as pessoas quisessem sair. Será que alguém havia decidido que a verdade era pior do que perder o poder, ou o controle? Ou seria algo ainda mais profundo e sinistro? Um medo da liberdade, do descontrole, do tenha-quantas-crianças-quiser? Tantas possibilidades horríveis."
Assim, a Prefeita precisa nomear um novo xerife e decide ir até o subterrâneo entrevistar pessoalmente a candidata mais indicada ao cargo: Juliette, da mecânica. Apesar de apresentar certa resistência de início, Jules acaba aceitando o cargo deixando Bernard, chefe da TI, totalmente contrariado. A partir de então uma série de acontecimentos suspeitos e misteriosos começam a acontecer no interior do Silo, transformando a vida comum que Jules levava em uma vida cheia de aventura e percalços. 

Jules resolve meter o nariz onde não foi chamada e começa a investigar uma série de mortes que colocam a sua vida e a de seus amigos em risco. Depois de dar um passo em falso, Jules é condenada a limpeza e esta ida ao exterior será como algo jamais visto por todos os habitantes do Silo.
"(...) todos os levantes ocorreram por causa dessa dúvida, da sensação de que nós estamos no pior lugar, bem aqui."
Querem saber o que irá acontecer? Então leiam! Porque nada é como parece ser.

***

Desde que ouvi falar sobre esse livro tive a certeza de que gostaria de lê-lo, afinal, sou doida por distopias e, por mais que a premissa parecesse ser clichê, queria descobrir o conteúdo dessa história com os meus próprios olhos. Assim que recebi o convite da Intrínseca para participar dessa Semana Especial, não pensei duas vezes antes de dizer sim e fiquei feliz da vida quando Silo chegou. A capa é tão linda e o livro é enorme. Confesso, levei muito tempo para lê-lo, praticamente uma semana, porque as coisas estão corridas aqui em casa e porque a leitura custou a engrenar.

Fiquei com muito medo de não gostar, já que as primeiras cem páginas foram arrastadas para mim. Mas todos da Editora o elogiaram tanto que segui em frente firme e forte e não me arrependi nenhum pouquinho. Fazia tempo que não lia um livro tão inteligente, tão bem escrito e com tantas frases de efeito que mexeram comigo.

Apesar de Silo ser situado num mundo pós-apocalíptico e distópico, esse cenário de ficção científica é utilizado apenas como pano de fundo para a construção da história. Aqui, Hugh foi além, ele quis abordar as implicações das relações sociais e políticas de uma nação (micro, mas ainda assim uma nação) que é forçada a viver isolada, dentro de quatro paredes, sem nenhuma perspectiva futura de mudança.

Como seria se algo terrível acontecesse e fôssemos relegados a viver abaixo do solo, com suprimentos racionados, regras extremamente rígidas e com um controle absurdo a respeito das informações trocadas entre os habitantes? Num local em que tudo era cobrado, desde o envio de um email a entrada em um pavimento diferente? Como seria ter que conseguir permissão para casar e ter filhos, ou então ser mandado para o exterior e para a morte certa por um menor deslize apenas para que a ordem fosse mantida e restasse imaculada?
"E ela soube que estava certa sobre o preço do envio de e-mails: eles não queriam que as pessoas conversassem. Pensar, tudo bem; os pensamentos são enterrados junto com quem pensou. Mas nada de se reunir, nada de grupos coordenados, nada de troca de ideias. (...) E quem os questionaria? Quem arriscaria ser mandado para a limpeza?"
Hugh abre um debate para todas essas questões e nos mostra o quanto a informação e as ideias podem ser poderosas e perniciosas ao mesmo tempo. Além disso, ele nos leva a pensar a respeito das nossas atitudes em relação ao passado, ao presente e ao futuro da humanidade. Até onde as nossas ações e nossos pensamentos podem nos levar e o quanto isso pode destruir um povo inteiro? Estamos realmente preparados para as consequências?
"— Toda a nossa esperança, as conquistas anteriores a nós, como o mundo pode ser, este é nosso Legado. (...) E as coisas ruins que não podem ser remediadas, os erros que nos fizeram chegar a este ponto, isso é o passado. (...) Significa que não podemos mudar o que já aconteceu, mas podemos desempenhar nosso papel no que vier a acontecer. (...) E isto... — Lukas se virou e pôs a mão sobre o livro grosso. Ele prosseguiu sem que lhe pedissem. — A Ordem. Isto é um mapa para conseguirmos passar por todas as coisas ruins que se acumularam entre nosso passado e o futuro ainda com esperança. Isto é sobre as coisas que podemos prevenir, que podemos corrigir."
A história é narrada em terceira pessoa e todos os capítulos são intercalados entre personagens e situações diferentes. Durante o texto diversas dúvidas começam a pairar sobre a nossa cabeça e acabamos devorando linha por linha numa tentativa desesperada de descobrir as respostas. Quando achamos que estamos chegando lá, o autor nos dá um baile e muda tudo de lugar. Isso me deixou enraivecida, querendo gritar com Hugh sobre o porquê dele ter feito isso comigo. Justo eu, que sou uma pessoa tremendamente curiosa e naturalmente cheia de dúvidas sobre a vida.. precisava decifrar aqueles enigmas de Silo.

Os personagens foram tremendamente bem construídos. Fazia tempo que não lia um livro assim, tão bem amarrado, complexo e cheio de vida. Consegui me conectar com cada um deles, até com os vilões. Isso foi curioso, porque do jeito que Hugh escreveu os vilões não pareceram assim tão maus. O autor nos apresenta razões que são plausíveis para eles terem feito o que fizeram e, em determinado momento da história, nos obriga a nos posicionarmos e a tomarmos um partido. E aí, qual deles você vai ser? Aquele que irá manter a ordem e preservar o legado da humanidade, custe o que custar, ou aquele que irá revolucionar e fazer as pessoas acordarem da mentira na qual vivem? Que cor irá vestir? Prata ou azul? Eu sou da mecânica, com certeza e muito orgulho.

Além disso, Hugh conseguiu criar uma heroína inesquecível. Jules é abnegada, justa, incansável, mas acima de tudo, ela é humana e isso fez com sua história de vida e suas lutas me emocionassem muito mais. Sofri demais com as guerras que se seguiram depois que Jules foi mandada para limpeza e quase morri sem saber o que foi feito de Walker.

Semana Especial Silo Hugh Howey Editora Intrínseca Recanto da Mi
Quando achei que o autor não poderia mais me surpreender, ele simplesmente criou todo um novo cenário para a história que passou a ser praticamente narrado de maneira concomitante a tudo que já conhecíamos. Eu queria muito abordar diversos detalhes e discutir algumas situações específicas com vocês porque Silo dá muito pano para manga, mas isso acabaria liberando spoilers, então terei que me conter. Mas estou pensando seriamente na possibilidade de abrir um post para debates sobre esse livro, porque ele merece.

O final de Silo foi eletrizante, cheio de emoção e de novas perspectivas que se abriram para os personagens. Estou simplesmente em cólicas para ler os outros livros da trilogia e meio temerosa para saber como será a sua adaptação para o cinema, porque só o primeiro livro daria tranquilamente três filmes de tantos detalhes que a história possui.

Só posso dizer, principalmente para aqueles que são fãs desse gênero literário, que leiam Silo e embarquem nessa aventura de tirar o fôlego.

Silo - Hugh Howey
Livro 01
Editora Intrínseca
512 páginas
Comprar: Saraiva
*** 
Essa postagem está concorrendo ao TOP COMENTARISTA DE MARÇO.

Clique AQUI e saiba como participar.

37 comentários

  1. Oi, Mi
    Adorei a sua resenha. Como adoro distopias, tenho certeza que vou adorar Silo. Já estou imaginando como é o Silo e como vivem seus habitantes.

    ResponderExcluir
  2. Aiin Mi, novamente você conseguiu me deixar louca de vontade de ler um livro.
    Silo parece ser extremamente viciante. Faz tempo que não leio alguma distopia, quase certeza que esse será o próximo!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eba! Adoro quando isso acontece.. kkk Beijos

      Excluir
  3. Eu adoro distopias e esse livro já está na minha listinha!
    (Acabei de ler Destino e me lembrou um pouco o método de governo.)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana, pois é, no fundo todos os distópicos se assemelham em alguns detalhes. São poucos os livros que conseguem ousar e Silo foi um deles. Beijos

      Excluir
  4. Oi Mi, não sabia que esse livro é de uma trilogia.
    O enredo dele é muito empolgante e a sua resenha me deixou ainda mais animada pra conhecer essa história. Se antes eu queria ler esse livro, agora eu descobri que necessito! haha
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eba! Fico feliz em saber. Beijos e boa leitura Bru.

      Excluir
  5. A última distopia que li foi A Seleção (gente, A Seleção é distopia? Eu acho, mas enfim, é um ótimo livro) e em um post aqui mesmo no blog eu achei o livró ótimo, pois amo o tema apocalíptico. "Quanto maior a desgraça, melhor" não é dona Mi? kkkk... Eu estou muito mesmo querendo lê-lo, pelo que vi, pode ser tornar um dos meus favoritos, adoro livros cheios de surpresas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rodrigo, A Seleção é classificada como distopia sim :) Aiii, sim.. kkkk Adoro desgraças.. kkk mas só nos livros e só quando as coisas se resolvem depois.. kkk Nossa, se você gosta de surpresas você vai amar Silo. Leiam assim que puder. Beijos

      Excluir
  6. As suas resenhas estão cada vez maiores hehehehe. Eu quero muito ler esse livro desde que li a sinopse também. Apesar de já ter lido vários livros desse tema, eu gosto muito e agora que você falou que a história é muito inteligente me deu ainda mais vontade de ler.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Sil, não consigo me controlar, principalmente quando gosto de um livro. E olha que não falei nem a metade de tudo o que gostaria.. hehe Espero que você também goste. Beijos

      Excluir
  7. Mi, desde que vi os lançamentos da Intrínseca esse foi o livro que mais me chamou a atenção! Adorei a resenha e parece que realmente é um livro que eu vou amar! Adoro esse gênero! Não sabia que seria uma trilogia e muito menos que vai ter uma adaptação pros cinemas também, adorei as noticias. Espero ler em breve :)

    Beijos
    Débora - Clube das 6
    http://www.clubedas6.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou Débora. Beijos e boa leitura.

      Excluir
  8. Nossa eu já gosto muito de distopia, e cada resenha que leio desse livro me deixa ainda mais ansiosa pra ler, ele parece mesmo ser maravilhoso!

    ResponderExcluir
  9. Muito massa sua resenha, Mi! Eu, particularmente, adoro distopias, sejam elas qual vertente seguir. O que mais me chamam a atenção nelas são as críticas sociais e, principalmente, as reflexões em relação as nossas atitudes, e o que elas podem causar. Pelo que vi, em "Silo" essa característica é muito forte. Só posso dizer que estou mais do que curioso pra ler.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou Dom. Sim, Silo aborda muito as relações sociais e políticas e nos convida a refletir sobre a nossa sociedade atual e o futuro da humanidade. Beijos

      Excluir
  10. A primeira parta da sua resenha já me deixou arrepiada! Que livro é esse Mi?!
    Eu adoro distopias, mas essas trouxe algo diferente e que me agradou: o fato deles viverem trancados.
    Um mundo impossível de ser habitado é algo bem comum em filmes e normalmente da a eles um Q de futurista, mas nunca vi em um livro. Se der, esse com certeza será um dos primeiros livros que irei pedir de parceria =))

    Beeijinho. Dreeh
    Blog Mais que Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim Dreeh, apesar de abordar um tema que pode ser considerado já batido, Silo conseguiu inovar. Espero que goste. Beijos

      Excluir
  11. Eu adoro distopias, e como as que eu li já acabaram, seria ótimo descobrir alguma outra pra eu me apaixonar pelo universo da distopia, e acho que encontrei em Silo. Deve ser bastante tenso viver trancando em lugar, mesmo que isso ocorra para sua própria sobrevivência

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ale, invista em Silo que você não vai se arrepender :) Sim, deve dar agonia mesmo. O curioso é ver como muitos se acostumam a esse estilo de vida enquanto outros desenvolvem um fascínio proibido pelo mundo exterior. Beijos

      Excluir
  12. Mi,
    Falou em distopia e sociedade pós apocaliptica falou com a maluca aqui!!! Sério, sou simplesmente atraída por esse tema de uma forma absurda!!!
    Esse livro não foi diferente, já pela sinopse cativante!
    Agora, depois da sua resenha estou aqui, histérica PRECISANDO dele!!! Ai senhor, preciso, preciso!!!
    Realmente as ideias, o pensamento é o mal do totalitarismo. Adoro essa tensão que deve pairar sobre Jules descobrir coisas e assuntos que não deveriam lhe fazer respeito... mas como se manter silente numa situação dessas???

    Ai céus!!!

    Beijos
    Chrys Audi
    Blog Todas as coisas do meu mundo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Chrys, então leia para ontem.. sim, a Jules fica maluquinha com essa coisa de saber muito e não poder falar. Mas no final o Hugh levanta considerações importantes sobre até que ponto realmente é benéfico viver na verdade e sofrer ou viver na mentira pensando ser feliz?! Beijos

      Excluir
  13. Mirelle para com essas coisas ok? Você não pode fazer resenhas desse tipo e apresentá-las a pessoas curiosas e sem dinheiro como eu! aushash Amiga que resenha incrível! Suas resenhas são sempre ótimas mas essa me deixou completamente afoita para iniciar a leitura desse livro nesse exato momento. Você não citou muito à respeito do que aconteceu na Terra (provavelmente porque não poderia né?!) mas pelo que vi na camiseta do sorteio e no outro post tem a ver com radioatividade e isso me deixou ainda mais louca pra ler. Eu amo química e esses fatores sobre energia nuclear me fascinam. Misturado com uma distopia incrível ainda?! Como resistir??? Confesso que achei a parte do silo um pouco parecida com umas cenas de Jogos Vorazes mas isso me pareceu mera coincidência porque todo o resto da história parece muito diferente e inteligente. E você criou um clima de tensão tão bom nessa resenha que eu quase senti como é a narrativa do livro (#ALouca). Com certeza vou passar esse livro na frente na lista de desejados, e o melhor é que por ser da Intrínseca creio que o livro tenha um preço razoavelmente acessível, facilitando minha vida hehe
    Amei a resenha!

    Beijos, Greice.
    diariodaalvorada.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkk essa foi boa amiga.. sorry! Pois é, realmente não revelei muito sobre o que aconteceu na Terra simplesmente porque Hugh não nos contou tudo! kkk Ele me deixou aflita para querer saber, mas no fim só falou por cima. Achei interessante porque o tempo todo Lukas perguntava detalhes sobre isso para o Bernard, enquanto ele respondia: "Por que você quer saber, isso realmente tem importância?" kkk Tinha vontade de berrar SIMMM, EU QUERO SABER!! kkkk Guria, como sou burra. Em momento algum me liguei nessa pista sobre radioatividade. Será que foi isso que aconteceu? Olha, quanto a preços.. não sei o que houve, mas desde o início do ano todos os livros da Intrínseca foram lançados com um preço caro. Fiquei tão triste. A Editora era conhecida por ter preços acessíveis e agora só vejo livros por 30,00 ou mais.. e para achar por menos só em promos. Uma pena mesmo. Beijos

      Excluir
  14. Esse mundo do Silo parece incrível.
    Histórias distópicas são sempre atrativas, mas esse livro parece mais instigante. Sou realmente fã do gênero e com certeza vou embarcar nessa, até porque, estou confiante que ganharei o sorteio, rs.
    Eu não sabia dessa trilogia, conheci através do seu blog. Estou curiosa, também, para assistir o filme.
    Jules parece ser uma personagem indispensável ao livro e me gostei muito do jeito dela, pelo que você me passou.
    Parabéns pela resenha e por esse incrível trabalho semanal, super adorei.
    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso Top Comentarista

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi querida, fico feliz que tenha gostado. Jules é uma heroína de primeira. Me afeiçoei demais a personagem. Beijos

      Excluir
  15. Mi, já te disse que amei tua resenha, né? Então, agora que a blogueira mais fofa desse mundo me deu Silo, quero ler pra ontem. Espero não me arrepender, se não a inbox de alguém vai ser metralhada. kkkkk'

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada querido! Aiii, mas tanto elogio assim vou começar a ficar convencida.. kk brincadeira, pode continuar.. kkkkk aff, tô ficando igual a Bah.. kk Vixe, socorro, olha a responsa que pus em cima de mim.. vou rezar para que você ame tanto quanto eu. Beijos

      Excluir
  16. Gostei muito da resenha e através dela fiquei com vontade de ler o livro. Quem sabe na próxima?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que você consiga lê-lo logo. Beijos

      Excluir
  17. Bela resenha! Estou querendo ler agora! :)

    ResponderExcluir
  18. Mirelle como sempre me matando de curiosidade pra ler um livro. Comecei a lê-lo hj e já amo a escrita, a história e td q tenha haver com Hugh Howey. Ótima resenha ;)

    ResponderExcluir