Resenha - Cadê você, Bernadette?

Resenha livro Cadê você, Bernadette? Maria Semple
"Bernadette Fox é notável. Aos olhos de seu marido, guru tecnológico da Microsoft e rock star do mundo nerd, ela se torna mais maníaca a cada dia; para as demais mães da Galer Street, escola liberal frequentada pela elite de Seattle, ela só causa desgosto; os especialistas em design ainda a consideram uma gênia da arquitetura sustentável, e Bee, sua filha de quinze anos, acha que tem a melhor mãe do mundo. Até que Bernadette desaparece do mapa. Tudo começa quando Bee mostra seu boletim (impecável) e reivindica a prometida recompensa: uma viagem de família à Antártida. Mas Bernadette tem tal ojeriza a Seattle - e às pessoas em geral - que evita ao máximo sair de casa, e contratou uma assistente virtual na Índia para realizar suas tarefas mais básicas. Uma viagem ao extremo sul do planeta é uma perspectiva um tanto problemática. Para encontrar sua mãe, Bee compila e-mails, documentos oficiais e correspondências secretas, buscando entender quem é essa mulher que ela acreditava conhecer tão bem e o motivo de seu desaparecimento. Maria Semple revela, em seu segundo romance, a influência de grandes escritores contemporâneos como Jonathan Franzen e Jeffrey Eugenides, ao mesmo tempo que se afirma como uma voz original, marcada pelo melhor humor das séries de TV norte-americanas. Sem sentimentalismos, mas com muita empatia, Cadê você, Bernadette? trata do amor incondicional de uma filha por sua mãe imperfeita."
Bernadette Fox era uma arquiteta brilhante. Ganhou a bolsa McArtur na categoria gênio por causa da Casa das Vinte Milhas e, com isso, se tornou uma profissional de referência no ramo da arquitetura sustentável. Casou-se com Elgin Branch, que rapidamente virou um fenômeno de sucesso dentro da Microsoft. Ambos formavam um casal adorável e promissor, e o que eles mais queriam era ter filhos e construir uma vida em comum. Até que uma coisa horrível aconteceu, e Bernadette se mudou com o marido de Los Angeles para Seattle praticamente fugida.

Em Seattle nasceu Bee, completamente azul, portadora de uma doença gravíssima no coração. Bee sobreviveu, contrariando todas as previsões médicas e, a partir de então, Bernadette passou a lhe dedicar toda a sua vida. Ali nascia um amor poderoso entre mãe e filha que não poderia ser abalado por nada no mundo.

Bee cresceu e floresceu, se destacando como uma menina doce, inteligente, cheia de vida e superdotada. Bernadette, por sua vez, ao longo dos anos foi se tornando uma pessoa extremamente antissocial, irritadiça, cheia de manias e difícil de aturar. Ela odiava Seattle, odiava sua casa, odiava sua vizinha e todo o grupo de mães que fazia parte da comunidade da escola da filha e que viviam lhe atazanando. A lista de inimigos de Bernadette gradativamente só crescia.

Certo dia, Bernadette foi obrigada a organizar uma viagem para a família até a Antártida, em razão de uma promessa que havia feito para Bee, fazendo com que vários sentimentos soterrados viessem à tona e desencadeassem crises severas de ansiedade e depressão. Se isso não bastasse, em meio a inúmeras trocas de emails confidenciais, interceptados pelo FBI, e outras tantas correspondências, Bernadette sumiu, deixando Bee desesperada. Por mais que Elgin tentasse, suas desculpas para o desaparecimento da esposa não convenceram a filha.

Afinal, o que houve com Bernadette? Será que enlouqueceu de vez? Foi sequestrada? Ou se deixou levar para o buraco negro do suicídio? Bee irá literalmente até o final do mundo para desvendar este mistério e descobrir quem é a Bernadette de verdade.

Querem saber o que vai acontecer? Então leiam!

***

Como definir Cadê você, Bernadette? Estou até agora sem palavras. Talvez o máximo que me arriscaria a dizer é que fiquei chocada do início ao fim enquanto lia o livro. Chocada pela ousadia da autora, pela forma inusitada da narrativa, pelas reviravoltas da trama, pelo mistério, pela linda história de amor entre Bee e sua mãe, pelas maluquices de Bernadette, pela raiva que senti de Elgin, pelos risos que me foram arrancados, pela garganta que ficou apertada ao final.. pelo visto, poderia ficar eternamente explicando os meus motivos de ter amado esse livro e do tamanho da minha perplexidade (no segundo sentido, né Bernadette?!) ao me deparar com uma história tão fantástica.

Ok, confesso, fazia tempo que escutava falar sobre o livro, mas fui preconceituosa. Imaginei que fosse encontrar mais uma história comercial bobinha que tem o intuito apenas de nos entreter e fazer passar o tempo. Não que Cadê você, Bernadette? não seja assim. Sim, ele é, mas vai muito mais além de um livro superficial feito apenas para darmos algumas poucas risadas.

Comecei a lê-lo de forma descrente. Entendam, ele não é escrito de maneira convencional, e isso pode confundir alguns leitores, ou fazer com que outros torçam o nariz por ter uma escrita tão diferente. Vou tentar explicar: digamos que o texto todo é composto pela narrativa de diversos personagens, em primeira pessoa, mas que nos são apresentados de forma levemente desconexa, por meio de bilhetes, emails, fax, cartas, relatórios, etc. E em meio a tudo isso temos ainda uma narrativa usual, e alguns personagens "comentando" esses materiais compilados durante a obra. 

No curso de boa parte da história ficamos sem entender o que eles são, e como aqueles personagens tiveram acesso a tais documentos, mas o estranhamento que senti em relação a esse tipo de escrita se deu só no início (meu primeiro choque), que logo se desfez e mergulhei nessa "caça ao tesouro" me divertindo com cada bilhete ou email que chegava.

Parabéns para a autora, que soube prender a minha atenção do início ao fim em mistérios muito bem bolados, tanto é que devorei o livro, como dito na capa, e não consegui ir dormir até terminá-lo. É incrível como Maria começa contando uma história, que se transforma em outra, e depois em outra e quando chegamos ao final não acreditamos que "chegamos até lá" e por alguns momentos até esquecemos sobre como "fomos para lá".

Foi incrível ver como cada personagem foi ganhando peso ao longo da trama, e como cada história estava interconectada a ponto de interferir na vida e no destino do outro personagem. Bernadette é uma pessoa incrível. Extremamente complexa, cheia de altos e baixos, traumas, problemas psicológicos e emocionais, mas com um coração gigante e um amor incondicional pela filha. O livro deixa claro que Bernadette não é "normal", mas isso também não quer dizer que ela é louca, passível de internação. Muitas vezes, nos vemos mergulhados nos problemas de tal forma, que fica impossível ver a luz no fim do túnel, e com o passar do tempo, simplesmente nos acostumamos a viver assim, no completo caos. Às vezes, tudo o que precisamos é de uma mudança de perspectiva, novos ares.

Elgin, ao contrário da esposa, é um profissional de sucesso, aclamado e extremamente ocupado. Por causa disso, mal para em casa. Bernadette acabou se transformando numa estranha para ele que, ao enxergá-la, não consegue ver a mulher por quem um dia se apaixonou. Depois de descobrir todas as confusões nas quais a esposa se meteu, de uma forma cega, egocêntrica e impetuosa, tentou consertar a situação, colocando a família toda em maus lençóis.

Bee, por sua vez, é uma menininha de ouro. Ela não é somente uma menina superdotada, inteligente, curiosa e teimosa. Ela é cheia de vida, aguerrida, perspicaz e com uma alegria contagiante. No fim, acaba se tornando a grande heroína da história. Bee irá mostrar para todos que é possível amar uns aos outros nas suas diferenças, limitações e imperfeições, e que a vida é feita de pequenos, mas divertidos momentos como, por exemplo, cantar as músicas dos Beatles no carro com a mãe.

Cadê você, Bernadette? fala sobre nossos conflitos internos, sobre as feridas que mantemos abertas pelos problemas mal resolvidos e sobre o quanto isso pode nos levar a ruína. Outrossim, refere-se a nocividade da acomodação, da rotina e da forçação de barra ao viver uma vida de mentiras, incondizente com a nossa essência, podendo matar a nossa criatividade e a nossa vontade de viver. Mas acima de tudo, fala sobre a importância da família, do amor entre pais e filhos, do perdão e da tolerância.

Deixem-se levar pelas manias piradas de Bernadette, pelo espírito investigativo de Bee e pela cegueira de Elgin a um mundo cheio de aventuras em que o destino é surpreendente!

Sabem aquele livro que a gente lê, que tem prazer de ter lido e que não consegue parar de falar sobre e de recomendar para as pessoas?! Bom, este é um deles. Só digo, vocês PRECISAM ler Cadê, você Bernadette?. Super recomendo!

Cadê você, Bernadette? - Maria Semple
Editora Companhia das Letras
376 páginas
Comprar: Saraiva

20 comentários

  1. Oi Mi :)

    Esse livro está no topo dos meus desejados e tenho certeza de que ainda esse ano (no máximo até Abril) lerei o livro. Beijos!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gabriel, espero que você consiga ler ainda antes.. hehe Beijos

      Excluir
  2. Bernadette amiga da galera!!!! Esse livro é super divertido, a Bernadette é muito espirituosa. Gostei do formato diferente dele, como você falou, não é convencional e demora pra se acostumar um pouco com a ideia, mas funciona.

    Achei bem divertido :)

    Beijo!

    Raquel
    www.pipocamusical.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Raquel, fico feliz que você também tenha gostado. Adorei a ousadia da autora. Beijos

      Excluir
  3. Quando vi esse livro achei que era mais um chick lit, mas depois li uma resenha sobre ele que me encantou. Está na minha lista de desejados e espero que quando ler aconteça comigo o que aconteceu com você. Mudando de assunto, comprei o livro Destrua este diário para dar de presente para uma amiga e fiquei querendo um pra mim, acho que vou comprar hehehehehe.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sil, espero que você goste tanto quanto eu. Este é com certeza um livro que vale a pena ser lido. Ah, que legal, compre sim, você vai se divertir. Beijos

      Excluir
  4. Você não tem ideia do que foi esse livro na minha vida. Apesar do preço salgado, ele é impressionante e muito mais profundo do que se pode imaginar. No começo antipatizei demais com a Bernadette e suas murmurações, seu desleixo com a casa e com ela mesma. Depois, ao mergulhar em sua história, comecei a fazer a mesma pergunta do título: Cadê você? Onde é que tinha parado aquela gênia brilhante e com tanta energia para fazer grandes coisas? Porque, no livro, a verdadeira Bernadette já tinha se perdido antes mesmo do desaparecimento literal. E eu fiquei impressionada porque a autora está certíssima quando mostra a força da família ao mesmo tempo em que nos alerta sobre como nenhuma vida vai ser suficiente para quem está longe da própria essência e da própria vocação. Fiquei com um nó na garganta porque tem muita Bernadette perdida por aí, frustrada, chateada, desanimada e sobrevivendo a cada dia, se olhando no espelho e sabendo que poderia ser muito mais. É uma reflexão enorme e eu torci pela protagonista em todo o tempo. Achei um final lindo, mas senti falta de alguém para gritar umas boas verdades na cara do Elgin pelas suas más ações e, principalmente, por sua omissão. Achava ridículo quando ele se comportava como se fosse a pobre vítima da esposa louca enquanto ele mesmo não fazia nada para lutar pela mulher que ainda existia em algum lugar. Talvez eu leia o livro de novo e acabe perdoando o personagem, mas ainda não consegui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Laís, confesso que desde o início criei uma grande empatia com a Bernadette porque ela lembrou a mim mesma durante uma época em que andei bem deprimida. Então consegui entender bem o que ela passava. Mas olha que incrível, você fez uma observação que não chegou a me ocorrer, mesmo estando bem debaixo do meu nariz.. o fato do título também se referir a busca pela personagem desde o início da história, e não só depois dela ter sumido! Boa, muito boa.. porque com certeza ela já tinha se perdido há tempos. Concordo, fiquei revoltada com Elgin, sua superficialidade e cegueira, incapaz de perceber e reagir aos problemas da sua própria família. Também não sei ao certo se o perdoei.. hehe Beijos

      Excluir
  5. Amei esse livro! A começar pela capa que me chamou muita atenção, o título e tua resenha :D Muito bacana... Estou super curiosa para lê-lo :D
    Beijos
    Ariana Silva
    http://ariabooks.blogspot.com.br/
    https://www.facebook.com/ariabooks

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele é ótimo. Espero que goste. Beijos

      Excluir
  6. Resenha incrível Mi! Já li várias sobre Cadê você Bernardete? mas nenhuma tão inspiradora como esta.
    A história não me interessou de início, mas estou animada pelo mistério e pelo suspense (meus favoritos).
    Além das lições que acredito que este livro contenha.
    Já é mais um dos meus livros desejados! rsrsrs
    Blog Vanille Vie
    http://vanille-vie.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Jú, fico feliz em saber. Entregue-se a essa maravilhosa história, divirta-se e emocione-se. Beijos

      Excluir
  7. Parabéns pela resenha Mi! Confesso que de início esse livro não me chamou atenção, mas ao ler sua resenha fiquei muito interessada. Quero ler!

    ResponderExcluir
  8. Parece ser uma história surpreendente. Estava bem curiosa com este livro quando o vi pela primeira vez. Mais agora lendo a resenha fiquei agradavelmente feliz por ser uma ótima escolha para ler. Ansiosa pra conhecer mais a história de Bernadette

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E é mesmo Fátima. Espero que você tenha a oportunidade de conferir. Beijos

      Excluir
  9. Adoroooo livros assim...estou curiosa para descobrir o paradeiro da Bernadete, a resenha está fantástica, me deixou mais curiosa ainda. Quero descobrir que segredos ela escondia atrás de tanta perfeição!rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jayne, tomara que você fique tão envolvida e atônita pelo desenrolar da trama quanto eu. Boa leitura. Beijos

      Excluir
  10. Adoro quando os autores fazem isso comigo! Me deixam agoniada, aflita, sem parar de pensar no que vai acontecer com os personagens. Esse suspense é incrível. Ele está nos meus desejados há algum tempo e agora você me deixou com muito mais vontade de lê-lo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Larissa, os mistérios criados pela autora não só são incríveis como muito bem bolados. Espero que você goste tanto quanto eu. Beijos

      Excluir