Desafio - Meu desempenho na Maratona Literária 2.0

Desafio literário Maratona Literária 2.0
E aí pessoal, alguém aí se lembra que eu estava participando da Maratona Literária 2.0, e que tinha me proposto a ler pelo menos 3 livros em 1 só semana?

Pois é, quem aí acreditou que eu fosse conseguir? Aff.. não sei o que acontece viu, mas parece que sempre que me proponho a participar de algum desafio, algo dá errado.. ou eu tenho um bloqueio, ou fico de ressaca literária, ou me mato trabalhando por algum evento atípico, ou estou podre de cansada.. A moral é que nunca dou conta e, infelizmente, dessa vez não foi diferente.

Bom, deixem-se apresentar os resultados da minha participação:

* LEITURAS:

Dia 08/01, fiz um post me dando algumas sugestões de leitura. Foram elas:

Eu me chamo Antônio, de Pedro Gabriel, acabei lendo antes da Maratona começar (que besta eu, porque ele é um livro pequeno e poderia ter sido facilmente acrescentado a minha meta de leitura durante o desafio..). Tentei ler Lobos não Choram, de Patricia Briggs e O Visconde que me amava, da Julia Quinn, mas por algum motivo alienígena, as leituras não engrenaram.

Então, o livro que me salvou foi Os cães nunca deixam de amar, de Teresa Rhyne, que li entre os dias 16 a 18/01, ou seja, meu primeiro e único livro concluído durante a Maratona. Até tive esperanças de conseguir terminar um segundo livro curtinho no dia 19/01 que comecei a ler, chamado Austenland, da Shannon Hale, mas não deu.. acabei tendo que trabalhar e li somente 39 páginas dele.

* DESAFIOS:

Durante a Maratona, rolaram diversos desafios nos Blogs que promoveram o evento, dentre as quais só consegui participar de duas.. novamente, devo o fracasso da minha participação ao cansaço, falta de tempo, prazo escasso, mas principalmente, falta de criatividade.

- Desafio Diário #1:

O Blog Leiturinhas propôs que a gente criasse um diálogo entre dois personagens literários de livros diferentes. Eles não poderiam ter qualquer conexão ou se conhecer.

Eis aqui o diálogo que criei entre as personagens Lucy, de Dançando sobre cacos de vidro, da Ka Hancock e Claudia, de Uma Prova de Amor, da Emily Giffin.

ATENÇÃO! Este diálogo é puramente ficcional, criado por mim, porém, pode conter SPOILERS de ambos os livros. Leiam por sua conta e risco!

"Do outro lado da linha, de Mirelle Candeloro, escrito em 13/01/2014:

Hoje de manhã fui obrigada a acordar mais cedo, as minhas costas estavam me matando. Levantei da cama silenciosamente e fui direto para a cozinha tomar um copo de água. A minha boca estava pegajosa, provavelmente com um bafão. No caminho, levei um susto com o toque estridente do telefone. Tentei correr o máximo que meu corpo permitiu e o agarrei no mesmo instante.

- Alô? – disse ainda sonolenta, com a língua enrolando levemente.
- Por favor, gostaria de falar com a Claudia. – alguém disse do outro lado da linha, um pouco afoita demais.

- Sim, sou eu, quem gostaria?

- Bom dia, meu nome é Lucy. Desculpe, você não me conhece. Mas eu sei quem você é.
- Sabe? – disse confusa, mas ao mesmo tempo curiosa para saber aonde essa conversa ia dar. – E.. no que eu posso ajudá-la?

- Na verdade, acho que sou eu quem vai ajudá-la. Eu demorei muito tempo para juntar coragem para te ligar. Não queria me intrometer na sua vida, mas ao mesmo tempo ia me sentir um monstro se não o fizesse. Te liguei para pedir que não tenha um filho.
- Oi? O quê? Como assim? Como se atreve a me pedir algo do tipo, ou então a interferir na minha vida pessoal? – gritei furiosa.

- Eu sei, eu sei. – ela respondeu gaguejando. – Sabia que isso não ia soar bem, mas tenho fortes razões para te pedir isso, é para o seu próprio bem, e para o da criança, naturalmente.

- Eu vou desligar, isso é um absurd.. – ela me cortou.

- Claudia, você não pode ser mãe. Você não quer ser mãe. Eu sei que talvez eu não conheça a história toda, mas ouvi com todas as letras que você se separou do Ben justamente porque ele queria ter um filho e você não. Aliás, este foi seu lema a vida toda. Como pôde mudar de ideia agora, da noite para o dia?

- Eu não pude mais ficar longe do Ben. Simplesmente não pude. Se ele quer ter um filho, bom, eu vou tentar, quem sabe eu não goste da experiência? E, por que estou me justificando para você? Isso é um absurdo!

- Não! É justamente isto que estou tentando te explicar. Isso não existe: “gostar da experiência, tentar ser mãe”. Você não pode decidir isso de forma imatura. Você não pode abrir mão do seu desejo de “não ser mãe” como talvez abriria mão, por exemplo, de correr, mesmo amando, porque um belo dia Ben acordou e decidiu que quer que vocês comecem a cavalgar. Não, não funciona dessa forma. O desejo de ser mãe pode sim um dia florescer, mas isso tem que partir de você, do seu âmago. Tem que ser uma vontade que não faça você abrir mão de nada. Tem que ser um desejo pelo qual você não consiga mais respirar se não obtiver. Se não for dessa forma, será tudo um grande fracasso. Você rapidamente irá se arrepender, mas ficará com vergonha de sentir isso e, portanto, irá guardar para si num buraco úmido e profundo do seu ser. Depois, irá remoer esse sentimento até ele ter sido mastigado um milhão de vezes, deixando seu estômago ácido. Isso irá te corroer por dentro, e quando menos perceber, estará culpando tudo e a todos pela sua infelicidade. Pobre dessa criança Claudia, você não pode fazer isso com ela.

- Você não sabe do que está falando, eu e o Ben decidimos..

- Não, não importa o que decidiram. Não engravide, não tenha um filho. Prometa.

Comecei a ouvir um som de choro abafado do outro lado e muitas fungadas.

- Lucy, você está aí? Está tudo bem?

Escutei resmungos e miados que pareceram com um sim.

- Desculpe, de novo. Mas só me responda isso e te deixarei em paz: você morreria pelo seu filho?

Quando fui responder, depois de um silêncio mortal, a ligação caiu, ou então ela desligou. Não sei. Nunca vou saber. Só sei que meu coração se desfez em mil pedaços e um medo atroz me consumiu. Principalmente depois de eu olhar para baixo e ver a minha barriga proeminente, deixando minha camiseta de malha do pijama totalmente esticada. Eu já estava no oitavo mês de gestação e em breve John nasceria, e tudo o que eu mais queria era poder dizer que eu morreria pelo meu filho. Mas ainda não posso. Mas ainda.. eu.. não.. posso."

* Favor não copiar este texto, seja ela de forma integral ou parcialmente, sem dar os devidos créditos a mim.

- Desafio Diário #6:

O Blog Psychobooks propôs que a gente criasse uma equipe com 5 personagens literários, no caso de haver um Apocalipse Zumbi. Confiram os personagens que escalei para essa difícil missão:

"1. Bee – Livro Cadê você, Bernadette? de Maria Semple:

Bee é uma menina extremamente inteligente e corajosa. Ela com certeza saberia desvendar qualquer quebra-cabeça que surgisse em frente ao grupo, assim como planejar estratégias de sobrevivência com os demais integrantes. Além disso, Bee tem um espírito investigativo muito forte, e é extremamente teimosa, ou seja, ninguém seguraria essa garota no campo de batalha. Ela também seria ótima para rastrear sobreviventes em meio ao apocalipse, já que foi capaz de ir até o fim do mundo e descobriu o paradeiro de sua mãe;

2. Astrid – Livro Caçadora de Unicórnios, de Diana Peterfreund:

Astrid nasceu para ser uma guerreira e, apesar de relutar um pouco contra seu destino no início, descobriu que seu desejo por sangue e luta corre nas veias. Astrid tem uma longa experiência em matança de animais selvagens e perigosos, estratégias de guerra e sobrevivência e consegue sentir o perigo a quilômetros. Além disso, Astrid é virgem e comprometida com seu celibato, ela sabe da importância que é focar em sua missão, algo super útil em épocas de sobrevivência como o apocalipse zumbi, afinal, um romance poderia atrapalhar tudo. Com certeza o grupo precisaria de uma brava lutadora como a Astrid para manter todos em segurança;

3. Gene – Livro A Caçada, de Andrew Fukuda:

Gene é um integrante muito especial, porque ele é especialista em disfarce, afinal, quem além dele conseguiu sobreviver anos a fio convivendo diariamente com seus predadores? Gene foi capaz de estudar seus hábitos, suas fraquezas e habilidades cuidadosamente com a finalidade de se misturar, não levantar suspeitas e saber escapar quando fosse preciso. Portanto, as habilidades de Gene seriam essenciais na minha equipe, pois tenho certeza de que ele daria um jeito de nos fazer passar despercebidos pelos zumbis.

4. Anna – Livro Na Ilha, de Tracey Garvis Graves:

Anna tem uma história de vida sofrida. Ela foi obrigada a passar anos perdida numa Ilha deserta e isolada junto ao TJ. Lá eles não tinham nenhuma infraestrutura ou mantimentos e sua possibilidade de sobrevivência era de quase zero. Anna foi capaz, em meio as adversidades, descobrir uma forma de se manter viva e tornar a natureza sua melhor aliada. Ela teve que lutar contra doenças, contra a desidratação, a fome e até contra animais selvagens e perigosos. Portanto, a Anna seria perfeita para integrar meu grupo, trazendo consigo seus preciosos conhecimentos de sobrevivência em ambientes inóspitos, com poucos suprimentos e, com sua experiência de vida, seria capaz de manter a equipe unida, fortalecida e com esperança.

5. Elizabeth – Livro A Filha da Feiticeira, de Paula Brackston:

Elizabeth é uma feiticeira, curandeira e médica. Anos a fio teve que fugir de seu pior predador, Gideon, e o fez com grande êxito. Passou por inúmeras adversidades, escapando ilesa da peste negra, da caça às bruxas, de Jack O Estripador e até da primeira guerra mundial. Com o seu conhecimento sobre magia, nós seríamos imbatíveis. Com certeza Elizabeth faria inúmeros feitiços de proteção e com suas loções e bebidas estranhas, manteria todos nós sempre fortes e saudáveis. Mesmo que isso não fosse possível, caso alguém do grupo sofresse um acidente ou se machucasse, Elizabeth estaria lá para prestar serviços médicos, já que foi a primeira mulher a ingressar na medicina, especializando-se em cirurgias e medicina da família."

Com uma equipe dessas, tenho certeza de que seríamos capazes de enfrentar e eliminar os zumbis, rastrear sobreviventes e defender nosso planeta dessa ameaça!"

E vocês, se pudessem criar a equipe dos sonhos para combater essa possível ameaça, quem escalariam? Coloquem nos comentários, adoraria saber.

Estes foram os únicos desafios dos quais participei, e estou torcendo para ganhá-los, porque os prêmios são ótimos. Espero que os blogueiros curtam as minhas respostas.. hehe.

Alguém aqui também participou da Maratona? Como foi o desempenho de vocês?

Beijos e até a próxima, Mi.

9 comentários

  1. Oie!

    Eu não, mas participei de outros desafios e tbm não consegui concluir.

    Beijos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico triste quando não consigo.. hehe Beijos

      Excluir
  2. Oi Mi :)

    Nossa que pena que aqueles livros não deram certo para você, acredite ou não, eu também não sou muito sortudo quando estabeleço metas. Beijos!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Gabriel, parece que basta que eu as estabeleça para algo dar errado.. kkk Beijos

      Excluir
  3. Poxa Mi que pena. Eu tenho que ficar mais antenado nisso ai, consigo ler um livro em dois dias acho que daria conta kkk. Mas acho que na próxima você consegue.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, teoricamente eu também daria conta. Quando estou inspirada leio 3 livros numa semana tranquilo. Mas em desafios sempre me ferro.. kkk Beijos

      Excluir
  4. Não conseguiu? Mas faz parte... às vezes não dá mesmo!
    Achei bacana o desafio... eu quero ler os livros que vc listou, (O chamado do Cuco não to muito a fim na verdade), mas será que comigo engrena?
    Eu curto todos os gêneros...
    E tb quero ler "Caçadora de Unicórnios"... adorei a descrição da personagem!
    O que vc conseguiu fazer ficou ótimo! Parabéns :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Engrena sim Edna, eu continuo querendo ler todos, mas tem dias que simplesmente determinada leitura não combina com o humor da gente né?! hehe Caçadora de Unicórnios é demais. Super recomendo. Beijos e obrigada.

      Excluir
  5. Ai te entendo! Eu tava super empolgada pra participar da Maratona Literária e foi mais ou menos a mesma coisa que aconteceu contigo! No meu caso meus avós/primo galera toda veio passar uns dias na minha casa e as leituras simplesmente não fluíram com a barulhada! Quem sabe na próxima a gente consiga! Amei teu blog e tô participando desafio literário dos romances históricos! Vamos ver se esse engrena hahahaha

    http://relativismoescrito.blogspot.com.br

    ResponderExcluir