Curiosidade - Conheçam Keri Smith, a Criadora de Destrua este Diário

Livro Destrua este diário de Keri Smith
"Em Destrua este diário, a ilustradora e artista canadense Keri Smith criou uma maneira diferente de entreter o leitor. Com sugestões lúdicas e inusitadas, o livro estimula a criatividade e a fuga do cotidiano convencional. A edição norte-americana teve mais de 1,5 milhão de exemplares vendidos.

Veja aqui a entrevista concedida por Keri à Penguin Books:

Como surgiu a ideia de criar Destrua este diário?
Embora superficialmente possa parecer que Destrua este diário é um truque ou uma ação de marketing, posso garantir que não é. Seu significado é mais complexo que isso:

— Tenho grande admiração pelo trabalho do grupo Fluxus, que criou o conceito de “happenings“, eventos que ao mesmo tempo celebram o absurdo da vida e promovem o deleite com o mundano.
— Estou ridicularizando um pouco o consumismo (comprar algo para depois destruí-lo).
— É uma forma de transpor bloqueios criativos, levando-nos muito além do medo da página em branco.
— Acredito que pequenos atos de rebeldia no cotidiano podem acabar evoluindo para atos maiores, capazes de transformar vidas. Quando você começa a questionar coisas em pequena escala, passa a questionar tudo.
— Eu queria criar um livro que se baseasse no uso de qualquer coisa que esteja à nossa volta no momento (fazendo com que as pessoas notem coisas que talvez não percebessem). Há páginas que pedem para ser sujas com lama etc.

Uma das minhas citações favoritas é:

“Questionar o habitual. Mas é justamente isso, estamos habituados a ele. Nós não o questionamos, ele não nos questiona, não parece representar um problema, nós o vivemos sem pensar, como se não contivesse perguntas nem respostas, como se não fosse portador de qualquer informação. Não é nem mais condicionamento, é anestesia. Passamos nossa vida dormindo um sono sem sonhos. Mas onde está nossa vida? Onde está nosso corpo? Onde está nosso espaço?” — Georges Perec

Como as pessoas reagiram?

Acho que algumas pessoas se sentem um pouco desafiadas e têm dificuldade de ir contra todas as convenções normais e contra a forma como foram ensinadas a lidar com livros. Um crítico escreveu: “Os livros de Keri Smith podem destruir anos da educação dada pelos pais!” Isso só me fez rir. É um grande elogio para mim. O maravilhoso foi ver a diferença na forma como ele foi recebido por adultos e por crianças. Os adultos expressaram medo e hesitação; já as crianças aceitaram a proposta do livro sem titubear, especialmente nas partes mais desafiadoras (leve o diário para o banho, suba em um lugar alto e deixe o diário cair, perca uma página). Adoro ver que as crianças não têm medo dele, enquanto os adultos precisam lutar contra uma vida inteira de costumes sociais.

Por que é importante quebrar as regras?

Como eu falei antes, acredito que pequenos atos de rebeldia realizados no cotidiano podem acabar virando atos maiores, capazes de transformar vidas. Quando você questiona as coisas em pequena escala, passa a questionar tudo. Isso é importante para ajudar a desenvolver o pensamento crítico. Nosso sistema de ensino se baseia em aprender a agradar e obedecer aos professores, o que faz dele uma instituição ultrapassada e disfuncional. É muito difícil se livrar de anos de programação criada pela nossa cultura de massa e pelas nossas instituições, mas minha esperança é que, ao incentivar as pessoas a participar de minirrevoluções, uma pequena chama se acenda nelas e dê início ao processo de “desprogramação”.

Quem são seus heróis e por quê?

Italo Calvino (pois ele joga com o leitor), Georges Perec (porque ele nos convida para brincar com ele), Corita Kent (porque ela era uma revolucionária e uma especialista em nos ensinar a “enxergar”), Alan Fletcher (pois ele ensina a ver as coisas de perspectivas diferentes e não levar a vida tão a sério), Carl Jung (porque ele descreve o que significa ser humano), Bruno Munari (porque ele ensina a não levar a vida tão a sério), o Buda (porque ele nos ensina que não somos o nosso ego e que precisamos viver no momento presente)." Fonte.

Desde que soube da existência deste livro fiquei enlouquecida para tê-lo. Não vejo a hora da Intrínseca liberar os pedidos dele e vou tentar, na medida do possível, gravar alguns vídeos destruindo o meu diário para vocês verem.. kkkk

Adorei conhecer melhor a autora e entender um pouco mais sobre o objetivo e significado desta obra. Assim como Keri, imagino que a proposta tenha sido muito mais facilmente aceita pelas crianças, que devem ter achado o máximo poder quebrar um pouco as regras, do que pelos adultos.

Num mundo tão engessado, tão apressado, em que não temos tempo e às vezes nem vontade de extravasar, nada melhor do que dispor de um artifício para libertar o ser criativo que nos habita. Sei que muitos tem dó de destruir um livro, ou que seja, qualquer outro bem que tenhamos comprado, afinal, gastamos dinheiro nisso, e gastar dinheiro significa que trabalhamos e "gastamos" nosso tempo para isso. Mas como Keri disse, é justamente disso que nossa sociedade precisa. Se desgarrar, nem que minimamente, dos padrões capitalistas de consumo e materialismo. 

Já que existe um livro que tem como finalidade ser destruído, e de preferência, da forma mais criativa e destrutiva possível, não vamos perder a oportunidade: vamos Destruir este Diário!

Confiram AQUI mais informações sobre a obra e AQUI vocês podem acessar o site oficial. Lá vocês irão encontrar uma galeria de fotos para se inspirarem. Alguém aqui já tem o livro? Já começaram a destruí-lo? Se já, vocês podem publicá-lo no Instagram com a hashtag #destruaestediario e, assim, aparecerão no mural de Diários da Editora Intrínseca. Muito legal!

Beijos, Mi

17 comentários

  1. Oi Mi, comprei esse livro ontem e estou apaixonada pela diagramação.
    Ainda estou me preparando para começar a destruir o meu. Acho a ideia super válida, pois o livro é justamente pra isso e não vamos destruir um livro normal. Tem páginas sensacionais como: derrame seu café aqui. ADORO.
    ;)
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Aline, estou doida para colocar as mãos no meu e verificar todas as atividades. Espero me divertir muito.. kkk Beijos

      Excluir
  2. Caraaa eu quero muito um desses pra destruir. Achei a ideia de gênio :)

    Beijão MI.

    http://www.todasasluas.com/

    ResponderExcluir
  3. Adorei saber mais sobre ela! Estou louca pelo livro dela!

    Bjs, Isabela.
    www.universodosleitores.com

    ResponderExcluir
  4. Oi Mi!
    Também adorei conhecer mais sobre a autora e seus princípios e ideias para com este livro. Não entendia também o por quê dele e achei muito bem fundamentado. Realmente, com estes pequenos atos (que não fazem mal a ninguém) podemos encontrar alguém que só precisa de um empurrãozinho para começar a mudar o mundo onde vive. Muito, muito legal!
    A Intrínseca liberou o Book Tour mas eu não quis participar pois fiquei com medo de não conseguir respeitar as regras de envio, que é em poucos dias - tem dias que não consigo ir até o Correios. Mas se eles disponibilizarem de novo, sem book tour, acho que também vou pedir! \o/
    Amei essa postagem.
    Beijos, guria! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gabi, verdade.. parece que a criatividade e a destruição são intrínsecas ao ser humano.. basta mesmo um empurrãozinho para serem extravasadas.. kkk Eu até tentei participar do Booktour, mas quando escrevi já tinham fechado a lista.. kkk Acabei no fim pedindo o livro, tô louca para brincar com ele.. hehe Beijão

      Excluir
  5. Comprei este livro ontem por 12 reais na "Black Friday" do Brasil hehehe...
    Ansiosa para começar a destruirrrrrr hehe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não creiooo! Nossa, que sorte, vi um povo atrás dele sem conseguir comprar.. hehe Beijos e boa destruição.

      Excluir
  6. Legal conhecer a autora, ainda não comprei esse livro, mais fiquei com muita vontade, pois parece ser algo muito libertador destruir ele.

    https://twitter.com/momentocrivelli/status/406846076956590080

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Denise, penso o mesmo que você.. deve ser bem divertido! Beijos

      Excluir
  7. Adorei a ideia do livro. Ele é ideal para quem gosta de escrever nos livros ( né? ) e dobrar as paginas e outras coisas. Mas eu acho que não consigo hehehehehe.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  8. Oi Mi!
    Tenho muita vontade de comprar esse diário para destrui-lo mas não sei se o farei, admito.
    Eu acho bacana a ideia mas tem medo...
    Veremos no futuro.
    Beijos e até mais,
    Ana.
    http://www.umlivroenadamais.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana, te entendo. Tenho o meu e ainda não consegui fazer nada.. que dó.. kkk sou muito travada para extravagâncias desse tipo.. kkk Beijos

      Excluir
  9. Um livro de doido, minha sobrinha ganhou, fiquei arrepiada, tudo que um louco faria esse livro manda fazer, quando digo LOUCO quero dizer de alguém realmente com problema mental. Cuidado com o que compram para seus filhos. Por favor, observem tudo com clareza o que se falta nele, querem mecher com a cabeça de forma talvez espantosa. Mas tirem suas conclusões, não estou aqui pra mudar o que pensam, só expondo o que achei dele e alertando.

    ResponderExcluir