Resenha - Filme Sem Dor, Sem Ganho

"Flórida. Daniel Lugo (Mark Wahlberg) é um fisiculturista que sonha com o chamado "sonho americano", no qual tem dinheiro à vontade para levar a vida como quiser. Para alcançar este objetivo ele conta com a ajuda de um colega, Adrian Doorbal (Anthony Mackie), e do ex-presidiário Paul Doyle (Dwayne Johnson). Juntos eles planejam o sequestro e a extorsão de um conhecido criminoso local, Victor Kershaw (Tony Shalhoub). Só que, ao realizarem o golpe, eles não contavam com as inevitáveis consequências que ele traria."
Oi gente, hoje estreia nos cinemas do Brasil o filme Sem Dor, Sem Ganho, que tive o prazer de assistir na quarta-feira à noite, na sessão de pré-estreia organizada pelo grupo Cena de Cinema.

Daniel Lugo é um personal trainer viciado em exercícios físicos. Sua vida resume-se a malhar e a trabalhar na academia Sun Gym. Certo dia conhece Victor Kershaw, um Colombiano podre de rico. Na visão de Lugo, Kershaw é um completo idiota. Feio, velho sem nenhum músculo e não merecedor da fortuna que tem. Lugo sim tem direito a ter uma vida melhor, afinal, ele é lindo, com o corpo perfeito, quase um super-homem, e batalhou muito para chegar a esse patamar sendo, portanto, um vencedor.

Na busca pelo famoso "sonho americano", Lugo conhece Johnny Wu, que o faz interiorizar que na vida, para alcançarmos aquilo que idealizamos, devemos ser "realizadores" e não acomodados. Devemos desejar o que queremos com tanta força que o universo concederá para nós. Completamente certo de que essa teoria de fato é verdade, Lugo traça um plano: ele pretende sequestrar Kershaw e arrancar dele todos os seus bens, deixando-o pobre e a ver navios, enquanto o próprio Lugo curtiria a vida que sempre quis.

Para "realizar" o seu plano, ele recruta seus amigos Adrian Doorbal, uma descerebrado que só pensa em músculos, e Paul Doyle, um ex-presidiário viciado em cocaína e um servo de Jesus. O que no papel era para ser algo simples e fácil de se fazer, se mostrou algo muito mais complicado, além das capacidades (principalmente mentais) dos três integrantes. Kershaw é mantido em cativeiro por praticamente um mês, sendo constantemente torturado por não ceder aos caprichos de Lugo. Mas Lugo, que chegou até ali, não vai retroceder. Será que Lugo finalmente conseguirá ter tudo o que sempre sonhou? Vejam e descubram!!

***


Parem tudo e vão assistir a esse filme, é o que digo. Jurei que fosse odiá-lo, mas simplesmente amei!! Me diverti horrores, ri do início ao fim e fiquei pasmada com tudo que aconteceu. O filme é longo, mas nem vi as horas passarem de tão absorta que fiquei. Sem Dor, Sem Ganho conta a história real da Gangue Sun Gym. Pelo visto a moda de Hollywood é agora esta, falar sobre gangues que ficaram famosas nos Estados Unidos.

Ok, não me importo, acho super válido discutirem esse assunto porque pelo que pude perceber, a temática envolvendo essas gangues é a mesma, a perseguição do "sonho americano", da fortuna e da fama sem nenhum esforço, trabalho ou dedicação. Aquela típica ilusão de que "eu mereço ter tudo que quero na vida e vou atrás disso custe o que custar, porque eu sou um Deus."

Justamente por se tratar de uma história real, o filme é ainda mais surreal. É absurdo pensar que tudo que nos foi mostrado realmente aconteceu. Ok, no filme a gente chora de rir, mas no fundo bate uma revolta tremenda pensar que existem pessoas assim no mundo real.

A questão toda é: este é um filme para rir, é uma comédia pastelona mesmo!!! Tem gente que vai amar por isso, tem outros que vão odiar pelo mesmo motivo. Minha única preocupação é que as pessoas não percebam a tremenda crítica social que existe por trás desse humor escrachado e irônico. Porque apesar de ser um filme divertido, ele tem cenas pesadas de violência e nos convida sim a refletir a respeito da sociedade consumista e vaidosa na qual vivemos hoje. Então se atentem para essa questão ok.

Eu não tenho grandes conhecimentos a respeito de cinema, muito menos consigo analisar os filmes dirigidos por Michael Bay e suas "marcas registradas", mas adorei as cenas em câmera lenta, o desenvolvimento da história, as tomadas em que a câmera circula pelos locais de gravação adentrando em fechaduras e buracos e os congelamentos de imagem com legendas, para enfatizar algo que o diretor quis no mostrar. Além disso, achei o máximo a história ser praticamente narrada em primeira pessoa por cada um dos personagens, sendo a narrativa alternada ao longo do filme.

Falando em personagens, não posso deixar de elogiar os atores que estão magníficos neste filme. Principalmente The Rock. Nunca fui com a cara dele, mas tirei o chapéu em Sem Dor, Sem Ganho. Ele está incrível no papel de Paul Doyle.

Fui assistir ao filme em família, com o Junior, meu primo e minha tia e lá encontramos um amigo, o Yuri Correa, do Blog Classe de Cinema, que é formado em cinema pela PUCRS. No término da sessão desatamos todos a falar sobre o que achamos e curiosamente, tudo o que gostei no filme em termos de produção e direção foi justamente o que o Yuri detestou. Reproduzo abaixo o comentário feito por ele em sua página do facebook:
"Não se pode negar que Michael Bay é um diretor estúpido, de extremo mal gosto e cheio de vícios linguísticos e narrativos. E este seu (só para maiores de 18) "Sem Dor Sem Ganho" em nada desmente essas costumeiras atribuições ao cineasta, e novamente a crítica vai (e tem o dever de) cair em cima do projeto. A diferença é que, desta vez, Bay assume sem vergonha alguma sua visão de mundo machista, ufanista e tosca, o que acaba fazendo deste seu novo longa, um filme divertido e ao mesmo tempo redentor por parte de seu responsável. E nada prova mais isso do que as várias cenas em que o protagonista vivido por Mark Wahlberg se compara (de maneira assustadoramente ignorante) a Don Vito Corleone, só para segundos depois, um Michael Bay muito consciente enfocá-lo como o pateta que é, quase como se dissesse "Eu sei que nunca chegarei aos pés de um Coppola da vida, mas aqui está o que eu gosto de fazer, me desculpem qualquer coisa". E talvez por assumir sua completa incapacidade de atribuir profundidade ou qualquer seriedade que seja a um roteiro, é que este "Sem Dor Sem Ganho" acabe sendo, no final das contas, um bom e divertidíssimo filme."
Fiquei o tempo todo matutando o que ele quis dizer com "diretor estúpido, de extremo mau gosto", "incapaz de atribuir profundidade ou qualquer seriedade que seja a um roteiro". Na minha cabeça, se o filme é baseado em fatos reais e inclusive durante a exibição o diretor nos relembra disso, tive certeza de que os personagens eram, pelo menos na essência, como o filme mostrava.

Daí quando cheguei em casa fui procurar sobre a tal Gangue Sun Gym e a ficha caiu. Depois de assistir inúmeros documentários no youtube e ler matérias sobre o assunto percebi que, apesar do diretor realmente ter sido fiel aos fatos, ele caricaturou os personagens. Enquanto no filme os protagonistas são debiloides, na vida real os integrantes da gangue são assassinos cruéis.

No final das contas, na minha opinião, essa idiotização dos personagens foi uma escolha acertada, porque além de ter deixado o filme divertido, tornou-o uma produção comercial, vendável e acessível para o povo que, talvez, depois de assisti-lo, conseguirá refletir sobre a temática de fundo. Diferentemente de Bling Ring, dirigido por Sofia Coppola, que deu ao filme um ar mais cult e que por isso provavelmente será aclamado pela crítica e incompreendido pela grande massa, apesar de abordar o mesmo assunto.

Por fim, se vocês estão buscando por uma boa diversão, assistam. Se vocês querem saber um pouco mais sobre a Gangue Sun Gym, assistam. Se vocês querem entender um pouco mais sobre a cultura americana, assistam. Independentemente do motivo: ASSISTAM!!

E depois se quiserem, curtam um bom lanchinho como nós fizemos, porque ninguém é de ferro.. e depois de horas sentados e rindo, precisamos encher a pancinha ;o) hehe

Título original: Pain & Gain
Roteiro: Christopher Markus, Stephen McFeely
Direção: Michael Bay
129 minutos

TRAILER


E para quem, assim como eu, é extremamente curioso e adora ir atrás dos fatos reais que deram origem a esse filme, assistam a esse documentário dividido em 3 partes. Infelizmente ele está em inglês.



16 comentários

  1. Tô super curiosa quanto a esse filme!!
    Eu sou super fã do Mark Wahlberg e adoro The Rock, então impossível eu n gostar do filme mas...vou assistir p ter certeza!
    Hehehehehehee
    Adorei saber sua opinião!

    Poxaaa q lanchinho?
    deu fominha!

    Bjooooooos

    muitospedacinhosdemim.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ih Fernanda, então já é mais do que meio caminho andado para você amar como eu.. kkk Mas depois me conta o que achou. Viu só que lanche reforçado, é para os fortes.. kkk Também deu fome de novo, vendo a foto.. kkk Beijos

      Excluir
  2. Adorei o post, seu blog é muito fofo mesmo!
    beijos

    garotinhaglitter.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Não sei se é o tipo de filme que gosto de assistir, mas amei o enredo, parece muito legal, e sinceramente todos os filmes que lembro ter assistido de Michael Bay, eu gostei muito! Espero assistir em breve.
    Muito obrigada pela visita no meu blog.
    Beijos,
    Scar.
    http://wonderlandmundodoslivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que goste Scar. Depois conte o que achou. Beijos e volte sempre.

      Excluir
  4. Oi Mirelle, eu já tinha visto o trailer e jurava que não iria assistir ao filme exatamente pelo que você citou "é uma comédia pastelona mesmo", foi a única coisa que consegui perceber no trailer e esse tipo de comédia não me agrada. Agora, depois dessa sua longa tomada, mostrando a crítica social que existe como pano de fundo e ainda o fato de ser baseado em fatos reais (com ressalvas) fiquei muito interessado em assistir. Parabéns pela resenha, ficou ótima! Abraços, DuLapa

    Blog DuLapa - www.dulapa.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Edu, fico feliz em saber que tu curtiu a resenha. Espero que tu consiga ver no filme o que eu vi e que goste tanto quanto eu. Depois me conte o que achou. Beijos

      Excluir
  5. Mi se não fosse pela sua resenha eu nunca iria assisti esse filme na minha vida sério, porque esse cartaz não me chama nada a atenção e eu pensava que o filme se tratava de outra coisa, espero assisti-lo.

    Abs,
    muchachoonline.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Zayron, eu também nunca teria assistido se meu marido não tivesse me arrastado para o cinema!! Nem quis ver o trailer para não ficar com uma tromba maior do que eu já estava. Como ele fica me atormentando por Bling Ring, que ele odiou e eu o obriguei a ver comigo, ele fica me dando o troco e dizendo que agora tenho que acompanhá-lo nesses filmes que ele gosta e que eu em princípio não curto.. mas no fim acabo gostando de todos que ele escolhe e ele fica me dizendo "viu, eu sei escolher, ao contrário de ti".. kkk eu mereço ter que ficar ouvindo isso. Mas no fim tenho que agradecer a ele.. porque sério, eu adorei o filme. Depois me conte o que achou. Beijos

      Excluir
  6. Laís Souza23/08/2013 21:53

    Yes!! Eu estou aqui. Mudança de emprego, agenda louca, mas hoje eu bati o pé para curtir os blogs literários. Não conhecia o filme e devo dizer que esse pôster não chama nadinha a atenção. Mas a ideia me pareceu boa. Faz tempo que eu não dou risada com um filme, sabia? Acho as piadas forçadas, os temas clichês, os personagens caricatos...Ando intrigada de filmes pastelão. A reflexão que o roteiro parece propor é que me dá a impressão de fazer a diferença. Se eu tiver oportunidade, dou uma chance. Não sou uma super entendida de cinema, mas particularmente gostei do que já vi do Michael Bay. Os diretores fazem leituras diferentes conforme a proposta que abraçam para a adaptação e produção de uma trama. O público-alvo que se escolhe também conta muito. Achei pesada a verborragia do Yuri. E amei a foto do lanche. =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já estava mesmo com saudades da senhorita.. hehe Pois é, como disse, ele é sim um filme pastelão. Não tive como não rir, aliás, chorar de rir, porque as coisas que acontecem são tão absurdas, e se tornam ainda mais surreais ao sabermos que é uma história verídica. Pelo amor de Deus!! Mas, também há a crítica social de pano de fundo que convenhamos, 99% do pessoal não vai perceber infelizmente :o( Quanto ao Yuri, pois é.. a análise dele é bem pessoal vindo de alguém entendido de cinema, então não temos comparar. Só fiz questão de demonstrar a existência de pontos de vista diferentes.. hehe Viu só que lanchão?! Tava uma delícia! hehe Beijos

      Excluir
  7. Gostei da dica... Embora não curta muito esse estilo de filme e esse ator Dwayne Johnson pois os filmes são todos tão tolinhos... Acredito que pela sua resenha esse filme será uma exceção hehehehe então vou correr p/ o cinema essa semana e conferir pessoalmente :D o bom é que maridão gosta de comédia então não corre o risco que ele não goste hehehhe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mi, também tenho um pouco de preconceito com os filmes do The Rock e não amo filmes pastelões, mas sei lá, este me seduziu por completo. Espero que você também goste. Beijos

      Excluir
  8. Ah eu quero muito ver esse filme vi o trailer e fiquei super curiosa ele parece ser muito bom mesmo, espero poder ver ele né.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu adorei. Espero que você também goste. Beijos

      Excluir