Resenha - Os Noventa Dias de Geneviève

"No intuito de conseguir um novo cliente para a agência de publicidade na qual trabalha, Geneviève Loften tem um contrato de 90 dias com o empresário James Sinclair. Ela fará tudo o que ele deseja – sexualmente – para que ele feche com a sua agência. Como uma executiva determinada e bem-sucedida, sabe que seu prêmio virá ao fim dos noventa dias. No entanto, apesar dos rumores que cercam Sinclair e seus gostos sexuais inusitados, ela não espera ser posta nas situações exóticas, e às vezes arriscadas, nas quais ele a colocará. Ela sempre tem a opção de voltar atrás, mas o negócio incrível que a espera no final a faz seguir adiante. No entanto, conforme o contrato se aproxima do fim, ela faz descobertas sobre si mesma que a mudarão para sempre."
ATENÇÃO! ESTE LIVRO É UM ROMANCE ERÓTICO E POSSUI CONTEÚDO ADULTO. PORTANTO, CASO VOCÊ SEJA MENOR DE IDADE E DECIDA MESMO ASSIM LER A RESENHA OU O LIVRO, ASSUMA A RESPONSABILIDADE.

Até que ponto vocês se venderiam para fechar um excelente contrato de trabalho? O que é mais importante, a carreira, o sexo ou as relações pessoais?

Geneviève Loften tinha apenas um objetivo na vida, ser bem sucedida profissionalmente, e para isso, ela era capaz de fazer qualquer coisa. Suas determinações foram postas a prova quando ela conheceu o milionário empresário James Sinclair. Geneviève sabia que se conseguisse a conta da empresa Sinclair Associates, seria muito bem recompensada pela Barringtons, empresa de publicidade onde ela trabalhava.

Mas Sinclair não estava disposto a fechar o contrato tão facilmente. Ele era um homem prepotente e manipulador e sabia o quanto a sua empresa era importante para a carreira de Geneviève, portanto, resolveu testar seus limites e ver até onde ia a fachada de mulher independente e profissional de sucesso que ela sustentava. Sinclair propôs um trato, ele assinaria o contrato com a Barringtons se Geneviève aceitasse ser sua escrava sexual por 90 dias. Isso implicaria fazer exatamente tudo o que ele mandasse e estar à disposição dele quando ele quisesse, sem questionar, sem titubear. Geneviève aceitou sem pensar duas vezes, mas ela não imaginava o que o futuro lhe guardava.

Durante os 90 dias, James colocou Geneviève nas situações mais absurdas de humilhação e exposição possíveis, como quando a obrigou ficar praticamente nua na garupa de sua moto no meio da rua, ou quando lhe obrigou a deixar ser tocada intimamente por um estranho, enquanto assistia.

Apesar de Geneviève se debater internamente, odiando ter que obedecer a Sinclair e tendo que manter-se firme ao seu propósito para finalmente alcançar seu prêmio; dia após dia foi conhecendo novos prazeres sexuais que ela nem imaginava que existisse, ou que nunca acreditou que fosse capaz de experimentar e gostar. 

No final dos 3 meses, nem Geneviève nem Sinclair eram mais os mesmos. O que tudo começou como uma brincadeira de "obedeça o mestre" se transformou em algo muito maior que nenhum dos dois poderia sonhar. Querem descobrir o que aconteceu? Leiam o livro!!

***

Gente, preciso começar falando que esse foi o primeiro romance erótico que li depois da trilogia Ciquenta Tons de Cinza e não sabia muito bem o que esperar. Quer dizer, ok, eu sabia que teriam muitas cenas de sexo explícito, mas não sabia até que ponto todos os romances eróticos são iguais ou diferentes e, na minha opinião, achei esse livro muitooo diferente do Cinquenta Tons em muitas coisas.

Sim, o texto também é muito simples, raso, vulgar e sem pretensões de ser nada além de mero entretenimento, mas enquanto em Cinquenta Tons temos de pano de fundo uma linda história de amor, aqui, temos apenas sexo.

Adianto que não sou uma pessoa preconceituosa! Não. Eu não só leio de tudo, como tenho a mente aberta e acho que cada um tem o direito de ter suas preferências sexuais. Na cama não existe certo ou errado quando o casal está de comum acordo. Mas tenho que admitir que o início do livro me agrediu e me chocou muito, e não foram pelas cenas de sexo ali descritas.

Geneviève não é uma mulher submissa como muitas que ouvimos falar por aí, e nem nunca gostou de se submeter a quem quer que fosse, que dirá a um homem. Ela não aceita o contrato de submissão de Sinclair por estar apaixonada por ele e por essa ser a única forma de tê-lo por perto, como Ana fez com Grey, ela aceita única e simplesmente por que quer subir na carreira e quer tirar proveito da situação. Um usa o outro das piores maneiras possíveis, seja por dinheiro ou prazer sexual, e achei isso muito baixo.

Tanto Sinclair sabe disso que fica testando Geneviève ao máximo, esperando que ela desista do pacto firmado entre eles, como qualquer mulher sensata teria feito, mas não, ela sempre deixa muito claro que está ali porque é uma mulher de negócios e que irá até o fim porque nada a fará perder a conta da empresa de Sinclair.

Ok, Geneviève descobre que pode ser uma mulher sexualmente muito fogosa e passa a ter prazer em situações que ela nunca imaginou que fossem possíveis. Não estou questionando isso, mas sim o ponto que ela teve que chegar para descobrir isso. Sinclair não tem nenhum respeito por ela, a trata como uma puta e a humilha muito. E não estou falando das cenas em que ele faz com que ela se exponha nua em público, ou de quando lhe dava algumas surras, porque em se tratando de BDSM, isso é "normal", como vimos em Cinquenta Tons. 

Estou falando de quando ele a chama de puta, de vadia, e diz que é isso que ela é, por estar se vendendo do jeito que está (não deixa de ser verdade, mas isso me deixou enfurecida, ver um homem tratar uma mulher desse jeito), ou de quando ele a amarra, com fome e sede, e derruba comida no chão esperando que ela pegue com a boca, ou quando ele põe um pires de vinho na frente dela, nessa mesma situação, e espera que ela lamba, como um gatinho. Isso me deixou enojada!

E o pior de tudo foi descobrir ao final que as coisas não eram como pareciam ser. Sim, o final foi meio chocante para mim porque meio que desconstruiu toda a imagem que tive da história. Porque depois que cheguei ao final, enxerguei o livro todo com outros olhos e não o achei tão mal assim, muito menos Sinclair. Mas não vou contar mais nada porque senão soltaria spoilers. Vocês terão que ler e tirar suas próprias conclusões.

Quero deixar claro que não tive problemas com as cenas de sexo descritas no texto, pelo contrário, até as achei mais criativas e dinâmicas do que em Cinquenta Tons. Quem não tem problema com erotismo explícito e essas outras questões que citei, vai adorar o livro! Eu não achei ele nem tão ruim, porque sim, consegui me envolver com a história e fiquei o tempo todo extremamente curiosa para saber o que ia acontecer em seguida; muito menos tão bom a ponto de merecer 5 corações, porque definitivamente ele não tem como ser nenhum bestseller, por isso, fiquei no meio termo na minha avaliação. Para mim está muito aquém de Cinquenta Tons, mas tudo vai depender do gosto de cada um, né?!

Se eu recomendo? Para quem curte o gênero, sim. Para quem não curte, passem longe!

Os Noventa Dias de Geneviève - Lucinda Carrington
Editora Planeta
288 páginas
Comprar: Saraiva

35 comentários

  1. Esse é um livro pra eu passar longe. É claro que já li livros desse gênero mas não tão fortes quanto esse. Dá até vontade de vomitar com essas coisas que você citou, acho que eu jamais me submeteria a algo assim. Mas fiquei curiosa quando disseste que no final há uma grande surpresa.
    Beijos, Greice.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Greice, o final me deixou de boca aberta.. hehe acho que amenizou um pouco o asco que senti no decorrer da história. Beijos

      Excluir
  2. Oi Mirelle! Olha desde todo o bafafá com 50 tons que perdi o interesse por esses livros. Cheguei a folhear o primeiro capitulo de alguns nas livrarias, mas não me fisgaram de jeito nem um. A série que ainda me interessou um pouco foi a dos irmãos sillivan da escritora Bella Andre, mas até essa já to perdendo o interesse. A enxurrada desse gênero foi tão grande que saturou.

    www.cabanadoslivros.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente Jean, acho que o tiro saiu pela culatra. Fizeram tanta onde em cima dos romances eróticos que cansou o povo. Mas ainda assim sou fã inveterada de 50 Tons. Amo demais a trilogia. Talvez até por isso não consiga gostar de nenhum outro livro, porque o que me atraiu em 50 Tons não foi o gênero, e sim a história. Beijos

      Excluir
  3. Oi! :)
    Esses livros ainda estão em um clima mais ou menos comigo. Não sei se leio, não sei se não leio... Não sei o motivo de fazerem TANTA publicidade em cima deles, mesmo que o 50 Tons tenha se tornado bestseller. Acho que todo mundo foi nessa onda de eróticos que acabou meio que perdendo a graça pra mim. :(
    Então é por isso que esse livro não me atrai tanto, entende? Pra mim não tem nada de TÃO original assim. :( Talvez minha opinião mude daqui a um tempo, quando tirarem o foco disso, mas agora...

    Um beijo,
    Luara - Estante Vertical

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Luara, entendo e me sinto de forma parecida. Só li esse livro para ver o quão parecido ou diferente ele é e 50 Tons e entender a onda dos romances eróticos. No final das contas gostei de ler, mas com certeza não é meu gênero literário favorito.. hehe Beijos

      Excluir
  4. Gosto desse tipo de livros, mas não são todos que me agradam
    A historia tem que ter mais enfase do que esse conteúdo erótico

    Beijos
    @pocketlibro
    http://pocketlibro.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Angela, concordo com você, eu preciso me apegar a uma história por trás, que foi o que aconteceu com o 50 Tons para mim. Já este, infelizmente, é praticamente só sexo. E a leitura só não se tornou enfadonha porque a parte sexual na minha opinião foi bem explorada. Beijos

      Excluir
  5. Oi Mi, tudo bem?

    Essa dinâmica de acordo de trabalho que envolve sexo está meio batido, ando lendo tantos livros assim que cansei... mas bem, até que tenho curiosidade com relação a esse livro, principalmente por causa do final, está todo mundo falando que o desfecho é impactante. Sobre as partes picantes, sou como você, não tenho preconceito, mas acho abusivo o que alguns autores fazem, e mesmo que eu respeite quem gosta desse estilo de submissão, não consigo achar normal. O último livro adulto que li e tinha isso, ou pelo menos um pouco dessa falta de respeito eu abandonei, como são 15 mini livros, li o primeiro de 120 páginas e desisti dos outros, sei lá, é muito ruim ver uma mulher sendo tratada assim ;/ Mesmo assim, a curiosidade fica, vamos ver se ainda vou ler esse livro, rsrs

    Beijokas

    Pah, Livros & Fuxicos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Pah, concordo, não consigo engolir a forma como algumas mulheres são tratadas em livros desse estilo. Acho que quando as coisas são feitas com respeito e vontade mútua, tudo é possível. Mas como comentei na resenha, não só o final é interessante como a própria abordagem sexual. Achei bem diferente essa parte do 50 Tons e muito mais dinâmica. Bom, se você ler, me diga depois o que achou. Beijos

      Excluir
  6. Eu estou na categoria dos passem longe. Sempre termino esse tipo de livro irritada com a "burrice" da personagem por se deixar tratar dessa forma e achando falhas e mais falhas no enredo e em tudo. Na verdade já começo a ler procurando defeito, então...melhor nem começar a ler, neh?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Thais, na verdade de burra ela não tem nada. Ela manipulou o Sinclair tanto quanto ele a manipulou. Ela se submeteu a tudo que ele quis porque ela tinha interesses escusos por trás, não porque ela era um ingênua, bobinha ou romântica. Mas sim, se você não curte esse tipo de livro, melhor nem ler para evitar frustrações.. hehe Beijos

      Excluir
  7. É, Mi, vou ter que ler então. Não tenho preconceito nenhum e acho que ia até gostar (em partes) do livro. Quanto ao vinho no pires, comida no chão e essas coisas... Tudo faz parte da Submissão. É normal pra quem pratica, então só acho que a autora mostrou uma parte que a E.L.James não havia mostrado em Cinquenta Tons.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então leia Babi, ele é tão curtinho, você vai ler rapidinho. Sim, você tem razão, faz parte da submissão mesmo, eu que me impressionei demais com isso. Mas acho que a autora abordou outros pontos da relação BDSM muito melhores que a EL James. Acho que a EL James ficou numa "mesmice" sabe?! Enquanto a Lucinda foi muito mais criativa!! Depois me conte o que achou. Beijos

      Excluir
  8. Laís Souza11/07/2013 21:32

    Oi, Mi.
    Muito obrigada por essa resenha e pelo aviso sobre gostar ou não do gênero. Eu, por exemplo, escolho passar longe, haha!
    Não sou preconceituosa e acredito que bons livros podem surgir dentro de qualquer gênero literário. Pra você ter uma ideia, jamais gostei do chamado New Adult, mas amei “Entre o agora e o nunca”. O que me faz tomar birrinha desses livros mais picantes é que fica difícil entender o desenrolar da história apresentada. O problema não é o chicote e nem o fato das mulheres se entregarem a noites tórridas com o tal galã CEO de alguma empresa. Apenas acho meio grotesca a forma como tudo acontece rápido, facilmente, e por uns motivos pra lá de esquisitos. Já li livros onde o homem chama para uma entrevista de trabalho, aperta a mão num cumprimento diplomático e em cinco minutos já está mandando a mulher abaixar a saia. M-A-N-D-A-N-D-O. E esse ESTRANHO tem o seu pedido atendido por causa dos ombros largos e olhar penetrante que deixam a dita cuja toda molhada só com um flerte. Depois de camas, camas, um ataque de ciúme e mais uma cama, o livro dá uma forçada na história, inventa que o rapaz tinha medo de amar e transforma o sexo selvagem em amor para toda vida. Não consigo ser convencida, entende? Abordagem mais erótica é uma faca de dois gumes: pode ser aproveitada para formar uma conexão ainda mais íntima entre um casal ou deixa o livro com cara de pornô barato. Gosto de livros que sabem usar o sexo sem se restringirem simplesmente a isso. E, sim, acredito que até uma literatura erótica pode conseguir esse feito. Volto a dizer: se a mulher é maior de idade e que viver essa atração, é um problema dela. Forçar a narrativa e tratar química na cama como se fosse amor é que fica meio absurdo. Acho que o livro ganha quando mostra de forma eficiente que o casal se move além das loucuras dentro de um quarto...Até pode começar numa atração, mas evolui para o cotidiano dos dois. Isso que cria uma ligação consistente entre o par da história. Eu sei que o erótico foca no sexo, mas isso não impede de que seja construída uma base nos personagens e na trama como um todo. Sei lá. Sinto falta de um relacionamento entre os casais dessas histórias.
    Beijos, Mi.
    Oops, Exagerei de novo. Desculpa.
    Vou ver se comento ainda hoje os outros posts, hihi.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu entendo Laís e realmente esse livro é raso nesse ponto, pelo menos na opinião de quem esperava um desenvolvimento melhor da trama e não apenas sexo. Mas para quem curte erotismo, sexo explícito, BDSM e não tem pretensões de ler um bestseller, irá gostar e se divertir com a leitura rápida de Os Noventa Dias.. mas quem não curte deve mesmo passar longe.. hehe Beijos

      Excluir
  9. Mais um livro que eu passo longe, apesar dessa surpresa no final, não acho que aguentaria ler todas essas situações pelas quais a personagem teve de passar, me dá até nojo. Hoje eu terminei Entre o Agora e o Nunca, e antes de chegar ao final simplesmente estava odiando a história, por dois motivos, exatamente. O primeiro é a quantidade de palavrões no livro, metade do que saía da boca de cada um era palavrão, eu não imagino uma pessoa de verdade que fale tanto assim. Já o segundo é a linguagem coloquial demais, nunca tinha lido assim, não gostei nem um pouco, até que eu percebi que provavelmente eu falo muito assim, então o livro era apenas bem realista. Depois do final, eu olhei a história toda com outros olhos, e não gostei no começo por nunca ter lido nenhum livro com essas características. Assim como em Os Noventa Dias de Geneviève, acho que é como uma questão de primeira vez. Como eu nunca tinha lido resenha nenhuma do livro não sabia disso, acho que se soubesse não leria, em questões como essas, prefiro não ter primeira vez, realmente não me agrada nem um pouco.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sério que você não gostou do Entre o Agora e o Nunca? Nossa, só vejo resenhas positivas por aí. Interessante você alertar para esses aspectos, pois não foram levantados em nenhuma resenha que li. Quanto aos palavrões, só lendo para te dizer se me incomodam ou não. Mas quanto a linguagem coloquial devo dizer que adoro. Morro de dificuldades e implicância ao ler um livro com linguagem formal. Acho que por isso detesto os clássicos.. hehe Mas como você disse, talvez seja um estranhamento por ter sido uma primeira experiência, ou não.. hehe Beijos

      Excluir
    2. Eu até gostei no final, mas o principal dessas histórias já está virando clichê pra mim, enfim...
      O problema dos palavrões foi mais eles falando demais um para o outro, quando falavam alguma palavra carinhosa a minha cara definitivamente dizia "É sério, isso??"
      Eu também não gosto de ler clássicos por conta da linguagem, é formal demais, mas em Entre o Agora e o Nunca era "cê tá muito louca" "qual teu número" "cê tá ligado", aí acabou que eu não gostei muito. Sou mais a linguagem nem tão certa, nem tão errada, kk
      Beijos

      Excluir
    3. Hum, agora entendi o que você quis dizer com linguagem coloquial. Acho que isso tá até mais para gírias, né?! Assim também não gosto não. Eu gosto da linguagem coloquial simples, como quando conversamos livremente com um amigo sem nos preocuparmos tanto com regras.. mas assim já é demais, né?! hehe Fiquei agora ainda mais curiosa para ler o livro.. kkk Beijos

      Excluir
  10. Eu curto literatura Eróticas, mas acredito que elas tem que ter enredo, essencialmente.
    Esse parece interessante, mas vi comentários um tanto quanto negativos... Fora que parece meio forte, não?
    Me falaram que as últimas 10 páginas fazem valer a pena, vamos ver...

    Beijoos,
    www.segredosentreamigas.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bah, eu não tenho nada contra literaturas eróticas, mas concordo que qualquer história deve ter um enredo plausível e prazeroso de ler. Não sei se é o caso desse livro. De qualquer forma ele tem pontos positivos e negativos na minha opinião. O final é legal sim porque vemos que as coisas não eram exatamente como imaginávamos. Mas só você lendo para tirar as suas conclusões.. hehe Beijos

      Excluir
  11. Oi Mi,
    Eu li 50 tons e o achei razoável. Não leio muitos eróticos por falta de oportunidade mesmo, mas depois da sua resenha fiquei em dúvida se leria esse, me parece ser bem chocante. Gosto de livros eróticos que tenham uma relação de amor entre os protagonistas e não simplesmente sexo. Achei a capa bem bonita.
    bjs

    http://entrepaginasesonhos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Joyce, como esse é apenas o segundo livro que leio nessa linha, não tenho muita base de comparação. Mas realmente, de história de amor ele não tem praticamente nada com exceção do final que aborda o romance de forma torta. Então se é isso que você busca num romance erótico, não sei se esse seria a escolha certa para você, mas vai saber, né?! Só lendo.. hehe Beijos

      Excluir
  12. Vou confessar que eu devorei a trilogia de Cinquenta Tons! Porém desde entã não consegui encarar mais nenhum livro do gênero. Estou com dois parados aqui na estante. Será que é uma ressaca literária de livros eróticos? Não sei, nem ao menos sei se isso existe ... kkkk ... mas enfim, pelo que consta na sua resenha eu acho que eu não iria gostar disso. Tanto pelo fato de eu odiar que uma mulher se submeta a um homem, ainda mais para ganhar status na vida profissional. Eu ia ter sérios problemas tanto com a protagonista feminina como o masculino que como vc descreveu ai parece ser o pior homem do mundo. Sei lá, acho que não encararia essa leitura atualmente!

    xoxo
    http://amigadaleitora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha Thais, eu acho que se você está sofrendo de algum mal, eu estou sofrendo do mesmo mal que você. Como eu amei 50 Tons, também não consegui ler nenhum outro livro na mesma linha.. Para você ver, só depois de praticamente 1 ano é que me rendi a ler outro romance erótico e não pude deixar de fazer mil comparações com o 50 Tons. A impressão que tenho é que nunca mais vou gostar de nenhum outro livro nessa temática.. hehe Beijos

      Excluir
  13. Esse tipo de leitura para mim tem uma única função:passar o tempo!!...Eu leio pq não tenho preconceito literário...acho que ler coisa "ruim" desenvolve ainda mais o nosso senso crítico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Dea, concordo, esse livro é exatamente para isso, passar o tempo e se divertir um pouco se a pessoa ainda gosta do gênero. Também não tenho preconceito, acho que tudo merece ser lido e avaliado. Não existe leitura ruim. O ruim é relativo. Cada um terá uma medida do que é bom ou ruim para si. Tudo vai depender do leitor que está lendo o livro. Beijos

      Excluir
  14. Oi Mirelle,
    Já li alguns livros deste gênero e ate confesso que gosto, não sou de esconder isso, mas este livro ainda não tinha conhecido.Pela sua resenha eu fiquei super curiosa e também achei que pode ser uma leitura pesada e bem desafiadora por causa de alguns comentários que vc deixou. Anotei o nome dele pois vou quer ler, quero saber como é esta historia.
    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Kênia, realmente, talvez esse livro seja uma leitura desafiadora por abordar aspectos mais pesados do BDSM, mas acho uma boa leitura para quem curte. Eu mesma gostei do livro, apesar de ter detestado algumas partes.. Foi meio que uma relação de amor e ódio.. hehe de qualquer forma não me arrependi de ter lido. Espero que goste. Beijos

      Excluir
  15. Tenho lido muito literatura erótica, alias eu leio de tudo. Principalmente romances. Achei os noventa dias de Genevieve fraco. Me despertou a leitura mas o final nao correspondeu ao enredo. Como ele tava a fim se nao rolou nem um beijo. Só sexo. E na verdade ele a expôs demais. Pensei que ele ia transar amis com ela de diferentes maneiras. A exposição nao me convenceu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O final me surpreendeu por mudar todo rumo da história, mas também não achei condizente. Não precisava ter terminado daquele jeito. A exposição para mim nem foi o problema, apesar de ter achado desnecessário, mas a forma como ele a tratou, que para mim foi meio agressiva.. mas, sabemos que rola disso por aí, e não tenho nada contra, desde que para os participantes sirva. Beijso

      Excluir
  16. Este livro tem continuidade?

    ResponderExcluir
  17. Apesar deste livro ter vindo com o selo
    Citando Cinquenta tons, ele foi escrito bem antes, acho que em 1996. Inclusive, li que a autora de Cinquenta tons, o usou para estudo.
    o

    ResponderExcluir