Semana Neil Gaiman - Mergulhando em O Oceano no Fim do Caminho - Dia 4

Oi pessoal, curtindo a Semana Neil Gaiman? Não deixem de conferir os outros 3 posts que fiz sobre o autor e sobre seu mais novo livro: O Oceano no Fim do Caminho, e participem da promoção e concorram ao Kit do livro!!

Hoje vou convidá-los para conhecer os bastidores de O Oceano no Fim do Caminho e descobrir como e por que o livro foi feito!!

Ao pesquisar sobre Gaiman na web, cheguei até o blog da Amanda Palmer, sua esposa, e pude ler um post imenso que ela fez sobre o livro O Oceano no Fim do Caminho e sobre o casamento deles.
Amanda nos conta que alguns anos atrás, quando ela e Neil estavam na Austrália se recuperando de uma corrida no parque, caminhando bem devagar e saboreando o momento em silêncio, começou a compor uma música em sua cabeça, quando Neil bateu no seu braço e disse que tinha uma coisa que queria dizer a ela, algo muito pessoal e que queria dividir.

Ela disse "sim", mas perguntou se ele não podia esperar, porque estava no meio de uma composição e com aquela música presa na cabeça e queria poder chegar em casa logo e tocá-la no piano para não esquecer. Eles estavam a quatro quadras de casa. Ele concordou, mas ficou mudo depois disso.

Uma hora mais tarde, quando ela já estava acessível novamente, percebeu que ele tinha fugido para o seu "mundinho" particular e que não ia mais voltar, e que ela ia ficar sem saber a história que ele queria contá-la. Ela implorou para que ele dissesse. Ele disse "não, o momento passou". Amanda se sentiu culpada, egoísta e estúpida. A gente não consegue recuperar esses momentos, eles nunca voltam uma vez perdidos e muitas vezes somos idiotas o suficiente para não compreendê-los e deixá-los passar. Amanda percebeu que havia colocado seu trabalho acima do seu marido, podendo quiçá comprometer sua relação.

Mas ao mesmo tempo, Amanda ficou fula da vida pensando no por que estava sendo punida se ela, assim como ele, também era uma artista e também tinha direito a ter momentos de inspiração. "Por que você não me ama?", ela pensou. 

A questão é, ambos sempre estiveram muito acostumados a ter controle sobre seus pensamentos, seu tempo, seu domínio criativo. Estiveram sozinhos por muito tempo e administrar uma vida de casado nem sempre é fácil. É bonito na teoria, mas na prática, é difícil, pois tem de haver todo um manejamento de atividades e horas livres, bem como uma flexibilidade por parte do casal, e naquela época, naquele contexto, Neil se sentiu rejeitado por não ter tido atenção da esposa na hora em que quis. Hoje, Amanda diz que não se arrepende de ter feito o que fez, porque se não o tivesse feito, O Oceano no Fim do Caminho talvez não tivesse sido escrito e entregue de presente para nós.

Pouco tempo depois, com a relação ainda um pouco estremecida pelo ocorrido, Neil resolveu voltar para os Estados Unidos enquanto Amanda permaneceu na Austrália para trabalhar no seu álbum. Atualmente, Amanda percebe o quanto foi difícil para Neil ficar longe dela durante o tempo em que ela esteve trabalhando na Austrália. Amanda ficou totalmente focada no trabalho, tão mergulhada que deixou todos de lado, e isso foi extremamente prejudicial para o seu casamento.

Enquanto Amanda havia se transformado numa esposa "zumbi", Neil começou a trabalhar num conto. O conto não se tratava apenas de uma mistura de memórias, mas de um presente para a sua esposa, ali estava a história que nunca havia sido compartilhada no dia em que eles corriam no parque na Austrália!!

E foi isso.. enquanto Amanda gravava seu álbum, Neil desatou a escrever uma sequência de palavras que transbordavam do seu coração por causa do vazio e da distância que se instalou entre eles. Depois de aproximadamente 1 mês, Neil e Amanda se encontraram em Texas para passarem uma semana juntos. Ele chegou até ela e disse "Eu acidentalmente escrevi um livro inteiro. Posso lê-lo para você?". "Sim", ela disse, e dessa vez ela escutou a história toda.

Neil havia escrito o livro à mão, capítulo por capítulo, como se fosse um escrito de um diário e teve que passá-lo para o computador, aproveitando as horas livres enquanto Amanda trabalhava no estúdio de mixagem. À noite, quando ambos chegavam em casa, Neil lia para Amanda o que ele tinha digitado.

"Foi uma longa e aterrorizante história. Foi uma linda história. Foi uma estranha história, misturando realidade com ficção de uma forma que me senti completamente mundana. Ele leu e leu e eu as vezes caía no sono. De manhã Neil me perguntava: "Qual é a última coisa da qual você se lembra?". A escova de dentes, eu diria, (...) ou Lettie aparecendo com o balde... e um pouco mais depois disso. E ele então recomeçava, lendo algumas páginas anteriores e me lia a história até terminar o capítulo. E ele fez isso, noite após noite, até terminar a história toda."

Eu achei muito engraçado porque Amanda disse que apesar de ter gostado da história, não conseguiu entender todos os significados apresentados no livro.

"Eu não sei. Talvez eu tenha levado tudo muito ao pé da letra. Essa ideia me aterroriza. Eu cresci numa atmosfera sem metáforas (...). Eu fico frustrada quando não consigo juntar os pontos. Quando finalmente chegaram as provas do livro, eu pude lê-lo em poucos instantes, com meus próprios olhos. Lê-lo, não ouvi-lo. E tudo passou a fazer sentido. Eu chorei muito. E mesmo assim, eu continuei sem compreender a história. Um dia, quando estávamos caminhando e conversando sobre o livro, eu fiz a ele uma pergunta sobre um dos simbolismos da história (...) Ele parou e olhou para mim e zombou de mim. Então ele preencheu os espaços em branco e conectou todas as pontas soltas. Eu o amei tanto naquele momento. E por um segundo, uma fração de segundo, eu me tornei fã de Neil Gaiman. (...) E por amá-lo como eu o amo, espero que vocês leiam o que li, e vejam o que eu vi, isto: um lugar obscuro onde homem e escritor se fundem em um só (...) misturados como ingredientes em um liquidificador que ao mexê-lo você consegue ver o todo, (...) como uma alma tão frágil, tão humana e tão vulnerável que você deve amar independente do que esteja lá, incondicionalmente, porque você não tem outra opção. Os ingredientes são absurdamente bonitos."

Impossível não nos emocionarmos com um relato desses, né?! Li o post da Amanda antes de ler O Oceano no Fim do Caminho e não pude saboreá-lo com imparcialidade ao saber que se tratava de uma belíssima história de amor e de entrega, dele para a sua amada Amanda.

Quem quiser ler o post completo escrito pela Amanda, clique AQUI. Eu o traduzi da melhor forma que pude.

Espero que tenham gostado de saber um pouco mais sobre a origem do livro.

Beijos e até amanhã!!

32 comentários

  1. Uau! Uma história realmente linda a dos dois. Quem iria imaginar que algo assim se tornaria um livro. Acho que é aquela velha história de que os melhores textos saem nos piores momentos de nossas vidas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Ana. E que bom que algumas pessoas conseguem transformar o sofrimento em algo tão belo como esse livro. Beijos

      Excluir
  2. Nossa, que legal!
    Agora acho que fiquei ainda mais interessada em ler o livro, ainda não li nada do Neil Gaiman.
    Quero ler! :D



    Beijos!
    Livros e Tsurus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, eu fiquei super curiosa para ler o livro depois que soube disso tudo também ;o) Beijos

      Excluir
  3. É então eu estou com ela, muita coisa ainda não entendi, talvez porque não tenha terminado, casal bonito e bem nostálgico...:D Interessante saber da mistura da realidade com fantasia...ele tem uma imaginação fora do comum isso sim...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mi, eu acho o seguinte, não se prenda muito aos significados, senão você ficará frustrada se não entender algum. De qualquer forma não existe interpretação certa ou errada. Tente apenas sentir o livro. Beijos e boa leitura.

      Excluir
    2. Então eu gosto muito de fantasia, mas gosto de ter uma interpretação lógica dela, como se pudesse ter uma explicação pra aquilo mesmo que seja ilógica, acho que na verdade é a forma mais fácil de se escrever também, seguindo uma metodologia...a interiorização dele no livro acredito que seja uma forma diferente e pra mim até agora única...o que o torna realmente interessante, o fato é que estou me preparando pra ler a partir da história do autor, que ao contrário de nostálgica está se tornando uma revelação alegre já que teve um propósito e um surpreendente desfecho de vida o livro, tô ficando muito interessada no livro, acho que vc tem que ser contratada direta da divulgação do livro aqui no Brasil heim...bom trabalho!!!!!

      Excluir
    3. kkk Adorei Mi! Obrigada pelo carinho! Olha, não ia ficar triste de ser oficialmente contratada pela Intrínseca, hein! Amo os livros dele, e quando gosto realmente de algo, eu gosto! O problema é quando não gosto, porque também não consigo esconder.. hehe e que bom, porque sou sempre sincera.
      Olha, eu te entendo, eu também sou muito racional e sempre gosto de saber o por que das coisas e ter uma explicação lógica para tudo! Mas nem sempre dá, e as vezes temos que perder um pouco a lógica e o controle sobre as coisas.. e talvez esse livro nos ensine um pouco isso.. saber curtir o momento sem se preocupar tanto sabe?! Ouvir mais o coração do que a razão! Beijos

      Excluir
    4. Totalmente apoiada...o post "Quotes de O Oceano no Fim do Caminho - Dia 6" me deixou com água na boca...:D

      Excluir
    5. Uhuu, feliz em saber!! hehe Beijos

      Excluir
  4. Oi Mi! udo bem?
    As palavras que a Amanda usou pra contar a história realmente fazem com que a gente não leia a história como uma simples história, mas sim como uma história de amor que, na vida real acabou unindo mais o autor e sua mulher. Muito tocante o jeito como ela descreveu a história! Adorei o post! Te indiquei para uma Tag lá no meu blog, se quiser responder >>>
    http://letrasdepijamas.blogspot.com.br/2013/06/tag-selinho-liebster-award.html
    Abraços - Gabriel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gabriel, no fim é exatamente isso, e é incrível que por meio desse livro o casamento deles ficou ainda mais forte, cheio de vida e de amor! Obrigada pela indicação, vou lá conferir! Beijos

      Excluir
  5. Que bacana! Só de ter a Austrália no meio já está ótimo u_u haha <3 Adorei como tudo se passou e se encaixou. Neil é extremamente criativo e reflexivo. E esse relato ai? Sensacional :o

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal, né Rodrigo?! Incrível ver como Neil misturou tudo e criou um lindo livro para nós. Beijos

      Excluir
  6. Gente...achei perfeito!! Fofo e inspirador. Achei legal ver duas pessoas tão fortes e independentes que resolvem juntar suas vidas e decidem fazer isso dar certo. É bonito de ver que apesar de se afastar eles não se perderam no caminho. Acredito que esse livro deva refletir isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No fundo Thais, acho que reflete sim.. e talvez você tenha me feito enxergar uma outra metáfora que deixei escapar, o contraponto entre o início do caminho e o final do caminho que o Neil nos apresenta na história. Obrigada :o) hehe Beijos

      Excluir
  7. Que lindo!
    Achei muito legal este post e ler um pouquinho de uma história de amor real às vezes faz um bem à alma. Não tenho ideia de como é ser casado, além do casamento dos meus pais, mas sei que deve ser bem complicado. E essa coisa de pôr o trabalho acima de outras coisas geralmente gera problemas em um relacionamento. Parece que o Neil e a Amanda se deram bem nessa parte.

    Beijos, Greice.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Greice, realmente não é fácil manter um casamento.. e com o passar do tempo as coisas geralmente vão se acomodando, entrando numa zona de conforto que nem percebemos, e acaba ficando comum colocar outras coisas acima do seu companheiro, como o trabalho, filhos, etc. Então foi muito legal eles terem tido a oportunidade de freiar esse estágio e refletir sobre a relação deles. No fim das contas, foi importante eles terem passado um tempo separados, né, para ter chance de reavivar as coisas. Beijos

      Excluir
  8. Saber que a criação do livro de uma história como essa, dessa história deixa eu mais profundo do que eu imaginava, acho que não existe uma palavra para descrever como eu acho que esse livro será, mas tenho certeza que não estou colocando expectativas demais, vai ser isso e muito mais, talvez.
    Bem, obrigada, Amanda, não é? Afinal, se não fosse ela o livro não existiria. Os dois formam o belo casal. Assim que terminar O Diário de Anne Frank, irei dar toda a minha atenção para o livro!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Duda, devemos agradecer a Amanda e ao seu momento de egoísmo.. kkk tadinha.. Que legal, você está lendo a Anne! Tá gostando?? Ou tá detestando por provavelmente ser leitura obrigatória no colégio? Voltou a receber os posts do blog no email? Consegui arrumar. Obrigada por ter me avisado. Beijão

      Excluir
    2. Estou adorando! Quem dera o colégio mandasse ler um livro como esse. Menos de 80 páginas, já vou começar O Oceano no Fim do Caminho!
      Voltei sim, já ia comentar sobre isso, agora volto a saber de todas as postagens :D Beijos!

      Excluir
    3. Que engraçado, meu primo leu a Anne no colégio e justamente por ter sido obrigado detestou.. hehe mas que bom que você tá curtindo. Eu li quando bem pequena e amei. Até escrevia no meu diário "Querida Anne".. hehe Eba, estou louca para saber o que você vai achar do livro. Beijos

      Excluir
  9. A cada post eu quero ler o livro logo que coisa linda essa história,ler também o que leu pra ver de que maneira eu entendo, nossa estou super curiosa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que está gostando! Beijos e boa leitura.

      Excluir
  10. Tipo o livro já parece ser lindo e ainda por cima tem toda uma história(real) de amor do escritor para com a sua amada Amanda rsrsrs(amada Amanda foi boa kkk)

    assim eu fico impossibilitada de não pensar neste livro Mi kkkkk

    Estou amando demais saber um pouco mais sobre o livro o escrito a história do livro,enfim:Tudo sobre Mergulhando em O Oceano no Fim do Caminho.

    Eu posso ser uma prematura ,como escritora,ou seja,uma artista,portanto eu posso te afirmar que eu sei o que a esposa dele passou.As vezes ficamos presos no que estamos criando e acabamos por esquecer o que está ao nosso redor,as vezes aquela inspiração chega depois de tanto tempo esperando e ser interrompido diante de algo tão como uma inspiração não é uma coisa boa,acabamos por tratar mal quem o faz.Já aconteceu isto comigo.Fico feliz em saber que não é só eu que sofro disso.

    eueminhacultura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ka, eu entendo perfeitamente o momento vivido pela Amanda. Os artistas têm essas coisas e precisam desses momentos criativos e de inspiração. Por um lado o Neil devia ter entendido, porque ele sabe como é.. mas quando se trata de casamento, tudo isso cai por terra e tem vezes que exigimos total atenção do outro, uma atenção que é difícil de suprir. Eu to adorando essa semana porque nunca imaginei que pudesse existir tanta história por trás e um único livro! hehe Beijos

      Excluir
  11. OWN que liindo *----------*
    agora mesmo que eu quero ler o livro!
    saber os bastidores dele me deixou emocionada!
    Temos que agradecer a Amanda por essa obra que nos foi dada de presente tambem rs.
    E nossa, ele escreveu um livro inteiro a mão..
    UAU! não consigo pensar em outra expressar rs
    realmente surreal isso.. mas muito bacana tambem.

    Beeijinho. Dreeh
    Livros e tudo o que há de bom

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você imagina o que deve ser escrever um livro todo à mão?! Pirado né?! Mas ao mesmo tempo eu entendo o Neil. Quando escrevi minha monografia, também escrevi toda à mão, minha mãe quase me matou, porque ela quem teve que corrigir, e eu ia entregando páginas e páginas para ela. E só depois passei a limpo no pc.. hehe Beijos

      Excluir
  12. Laís Souza30/06/2013 11:45

    A história do livro é tão linda quanto o próprio livro parece ser. Esse tipo de coisa é normal entre amigos, namorados, cônjuges, artistas ou não-artistas. Nós somos tão acostumados ao nosso mundinho, interesses e aspirações que acabamos querendo o outro envolvido exclusivamente conosco...O que eles passaram nada mais é do que aquele momento em que os dois se descobrem errados e precisam ajustar suas atitudes para alcançar o equilíbrio. Normal. Fico feliz em saber que o casal tem uma sensibilidade aflorada pra tirar da experiência um livro tão profundo e tantos ensinamentos bonitos. Eles cresceram e nós ganhamos por tabela. =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lindas e sábias considerações Laís.. acho que foi isso mesmo.. mas pelo menos nós e muitos outros leitores se beneficiaram dessa pequena rusga que eles tiveram, né?! hehe Beijos

      Excluir
  13. Meu Deus, Mi!!!
    Quanta profundidade!!!
    Eu adorei a história do livro e adorei o egoísmo deles pois assim nos proporcionaram uma história que acredito ser fantástica.
    Fique com muito mais vontade de ler, espero que seja logo!!!

    Beijos
    Chrys Audi
    blog Todas as coisas do meu mundo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eba, que bom que gostou amiga!! Eu também amei demais saber da história por trás da história.. kkk Beijos

      Excluir