Resenha - Morte Súbita

"Quando Barry Fairbrother morre inesperadamente aos quarenta e poucos anos, a pequena cidade de Pagford fica em estado de choque. A aparência idílica do vilarejo, com uma praça de paralelepípedos e uma antiga abadia, esconde uma guerra. Ricos em guerra com os pobres, adolescentes em guerra com seus pais, esposas em guerra com os maridos, professores em guerra com os alunos… Pagford não é o que parece ser à primeira vista. A vaga deixada por Barry no conselho da paróquia logo se torna o catalisador para a maior guerra já vivida pelo vilarejo. Quem triunfará em uma eleição repleta de paixão, ambivalência e revelações inesperadas?"
O livro começa falando sobre Barry Fairbrother, um importante membro do Conselho local, amado por uns e odiado por outros habitantes de Pagford. No dia do aniversário do seu casamento, ele tem um AVC bem na entrada do restaurante onde ia celebrar com a esposa Mary. Apesar de socorridos pelo casal, Miles e Samantha, Barry não resiste e, ao morrer, acaba potencializando o clima de discórdias e disputas entre a população do pequeno vilarejo.

A morte de Barry acaba mexendo com a cidadezinha tão pacata, virando o assunto da vez. Todos disputam, com um prazer mórbido, a chance de ser o primeiro a contar a trágica notícia, nos mínimos detalhes, aos outros que ainda não sabiam.

Além disso, uma cadeira do Conselho de Barry fica vaga, sendo declarada a vacância em razão da morte súbita do titular. Uma campanha eleitoral é iniciada e 3 candidatos disputam a vaga deixada por Barry

Cada um deles tem seus motivos particulares para quererem vencer as eleições. Colin quer continuar lutando por Fields em memória do seu amigo Barry. Miles quer se tornar uma figura importante em Pagford, assim como o pai Howard, que é venerado por todos. Já Simon tem interesse apenas em poder participar mais de perto das tramóias políticas e desvios de dinheiro para lucrar algum.

Mas as coisas acabam saindo do controle de todos. Postagens anônimas começam a aparecer no site do Conselho sob o nome do Fantasma de Barry, e expõem para toda a cidade podres dos habitantes locais, atraindo a atenção da imprensa e deixando as relações entre os cidadãos, que já era frágil, ainda pior.

Breve resumo sobre os personagens
 
Saindo da questão cidade/disputa eleitoral/pró Fields, nos deparamos com os dramas familiares de diversos personagens. Na verdade são essas histórias que vão dando sentido ao livro e transformando-se no cerne principal do enredo criado por J.K.

Mary Fairbrother, uma viúva arrasada e mãe de 4 filhos, se vê sozinha depois de anos e perde as forças para lutar pois, ao mesmo tempo que sofre pela morte do marido e sente falta dele, guarda mágoas e rancores muito grandes de Barry por ter sido sempre deixada de lado.

Howard é casado com Shirley e, se Pagford fosse um Município, podia-se se dizer que ele era o Prefeito. Um sujeito bonachão e pedante, que tem como objetivo fechar a clínica de Belchapel e devolver Fields para Yarvil e se livrar do bairro desprezado pela alta sociedade de Pagford. Sócio de Maureen numa delicatéssen, esconde um segredo que pode valer sua vida.

Miles é filho de Howard e Shirley, casado com Samantha, tem 2 filhas. É advogado e sonha em ganhar as eleições para comandar de perto a cidade com seu pai. Seu casamento está em crise, mas ele não consegue perceber o quanto a esposa é infeliz.

Gavin, colega de trabalho de Miles, é um homem medíocre e covarde que tem pânico de relacionamentos sérios. Kay, "namorada" de Gavin, é assistente social e mãe de Gaia. Ambas se mudaram para Pagford, pois Kay tinha esperanças de conseguir casar com Gavin e dar a Gaia o pai que ela nunca teve, mas as coisas não eram fáceis como ela imaginava.

Terry é uma viciada em heroína que tinha tido vários filhos que foram levados em razão da sua dependência. Ex-prostituta e mãe de Krystal e Robbie, se compromete pela última vez a realizar o tratamento com metadona na clínica da Belchapel numa tentativa de manter a guarda dos filhos.

Simon é um homem truculento, grosso e violento, que espanca os filhos e sua esposa Ruth sem dó nem piedade cada vez que é contrariado ou quando seu humor não está muito bom. Seu filho, Andrew, guarda uma mágoa profunda da mãe que aceita calada as investidas do pai e uma raiva gigante de Simon, aguardando sempre pela oportunidade em que poderá se vingar dele.

Tessa e Colin eram os melhores amigos de Barry e Marry. Têm um filho, o Bola, um menino insuportável, que reclama da vida e nunca está satisfeito com nada. Vive destratando a todos e persegue estudantes no colégio atormentando suas vidas e suas mentes. Colin é um homem bom, em termos, porém esconde um grande segredo. Atormentado pelo seu TOC, vive a vida sobressaltado e aguardando as desgraças acontecerem.

Parminder é uma médica local, casada com Vikhram, tem 3 filhos. Era uma grande amiga de Barry, também Conselheira local, e tenta a todo custo dar seguimento aos projetos do falecido amigo. Mas isso irá lhe custar um preço alto. Sukhvinder, uma de suas filhas, é uma garota tímida, mal compreendida, disléxica, e vítima de bullying no colégio e, por causa disso, acaba se automutilando como uma forma de expiar todos os sentimentos ruins que nutre por si mesma.

Tentei fazer um apanhado geral de todas as histórias principais que irão permear a obra. Todas elas se cruzarão e farão de Morte Súbita o livro extraordinário que é.

***

De início, quando comecei a ler o livro, achei que tudo fosse girar em torno de Barry e/ou sua morte, que talvez ele fosse o protagonista da história. Mas estava redondamente enganada. Ele é um dos protagonistas. Digo "um" porque nunca vi uma história tão recheada de protagonistas, na verdade o centro da história é a própria cidade de Pagford e todos que lá habitam. 

Está aí, para mim, a primeira grande ousadia de J.K. Para quem escreve, vai entender o que vou dizer: se já é difícil criar uma história que gire em torno de 2 ou 3 personagens protagonistas, imagine criar um enredo que gire em torno de mais de 20 personagens principais (fora os secundários, e isso, se não tiver esquecendo algum), todos extremamente complexos, com personalidade muito bem criadas, uma história de vida, sentimentos, temores, segredos, etc. Tirei o chapéu pra ela!! Não é a toa que o livro tinha que ter mais de 500 páginas.

Confesso que por causa disso, fiquei um pouco confusa no início da história, porque até conseguir entender quem era quem, quem era parente, amigo, inimigo de quem.. Vixe, foi difícil, mas depois que você associa o nome a pessoa, a história flui divinamente. 

O livro é dividido em capítulos e subcapítulos. Cada subcapítulo vai contar a história de um dos personagens, que irá se conectar ao enredo principal, ou seja, tudo está interligado e ao longo da história a gente vai juntando o imenso quebra-cabeça.

Apesar de ver o pessoal falando que o livro gira em torno de uma grande guerra surgida em Pagford em razão da cadeira vazia que Barry deixou no Conselho ao morrer, ou então das pequenas disputas entre pais e filhos, vizinhos, etc, eu vou mais além. Acho que a história de Morte Súbita gira em torno dos relacionamentos humanos, suas fragilidades, suas complexidades, suas inconsistências, etc.

J.K. escreveu uma história que descreve uma realidade social. O que aconteceu em Pagford pode perfeitamente acontecer em qualquer lugar, no seu bairro, no seu prédio, na sua cidade. Eu que já morei em interior e sei bem como as coisas são diferentes e como se acentuam ainda mais. O texto de J.K. é tão realista que chega assustar. Ela aborda problemas como dependência de drogas, adoção, prostituição, rede de intrigas e corrupção, politicagem, problemas familiares, hipocrisia, falsidade, bullying, automutilação, etc.

A história é extremamente envolvente e os personagens, apesar de não serem muito flores que se cheirem e terem um milhão de problemas, nos cativam. Com exceção de alguns, como por ex. Bola, que detestei. Vontade de entrar no livro e dar uns murros nele. Mas o detestei justamente por ele ser muito bem escrito e ser real demais.

O final é tremendamente triste, fiquei muito emocionada, porque lá no fundo torcia por um final feliz para alguns dos personagens (como Krystal, uma das minhas favoritas), mas acho que não podia ser diferente, afinal, J.K. nos deixa muito claro que o nosso destino está relacionado as atitudes que tomamos, e elas refletirão não só nas nossas vidas, mas em todos que estão ao nosso redor. Isso é viver em sociedade, e o livro representa isso muito bem!!

Só posso dizer, comprem, leiam e se apaixonem!! Mas por favor, não esperem encontrar alguma semelhança com o texto de Harry Potter. J.K. escreveu uma história muito adulta nesse livro que nem de longe se aproxima da maior coleção de sucesso da história literária. Sugiro que vocês leiam o livro como se estivessem degustando um novo autor, uma nova forma de escrita para não se decepcionarem. Leiam de mente aberta e aceitem esse presentão que J.K. fez pra nós!!

Queria muito poder gravar um vídeo para vocês. Mas mordi feio a minha língua e estou com um corte enorme e muitoooo dolorido, mal conseguindo falar. Mas assim que me recuperar, tentarei fazer e postarei o vídeo a parte, por aqui ok (mas não prometo.. hehe).

Bjs, espero que tenham gostado!!

Morte Súbita - J.K. Rowling
Editora Nova Fronteira
501 páginas 

Compre aqui: Submarino / Saraiva
 

22 comentários

  1. Nossa!!!!
    Que complexidade esse livro. Eu realmente não espero nada parecido com HP, mas não imaginei que desse a impressão da história ser real. Pelo que entendi a história não tem aquele final feliz em que tudo dá certo, gosto disso. Com certeza irei comprar.
    Adorei a resenha.
    Greice.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi flor, pois é, põe complexidade nisso.. kkkk Não, a história não tem um final feliz, afinal, são poucos casos na vida real que tem neh.. e a autora é fiel a isso.. ela nos mostra aonde nossas escolhas nos levam pela vida.
      Fico feliz que tenha gostado da resenha. Depois que ler me conta o que achou. Espero que goste.

      Bjss, Mi

      Excluir
  2. Que resenha hem! Eu ja queria livro, agora quro mais ainda. Sua resenha foi uma das melhores que li até agora.

    Obrigado pelo comentario lá no blog, te espero sempre.

    http://mundodosmngas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aiii que bom, fico feliz que minha resenha tenha o incentivado ainda mais a ler o livro.. hehe as vezes tenho medo de criar falsas expectativas nos leitores, pq qdo eu gosto de um livro, eu levo ele pras alturas mesmo.. hehe mas opinião é tão subjetiva neh.. kkkkk Bom, mas só posso dizer, leia, leia, leia.. hehe

      Bjokas

      Excluir
  3. Não vi um mau comentário sobre o Morte Súbita e, confesso estou doida para ler!

    Tecido_Doce
    Sorteio
    Twitter

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi flor, que bom, pq confesso que eu quase deixei de comprar o livro por ver o pessoal falando mal, decepcionado. Mas daí entendi q eles estavam esperando, sei lá, um novo tipo de HP.. hehe

      Bjs

      Excluir
  4. Primeiro, Adorei a resenha e sua forma de escrever o que achou, muito fácil de ser lida e bastante objetiva, segundo andei fuçando por ai e seu blog é super legal, gostei muito mesmo da sua politica de resenhas.

    Agora sim... Esse livro parece ser perfeito, mais como uma eterna apaixonada por Harry Potter confesso que tenho um certo receio de ler e me decepcionar, sei que é uma historia super adulta e diferente do bruxinho com o qual eu cresci, mais bate aquele insegurança sabe, mais isso logo passa e eu vou devorar Morte Súbita por que sei o quanto J.K é boa escritora e não deixaria um livro mal feito.

    Beijinhos
    http://osuficientee.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi querida, obrigada pela visita e pelos elogios. Fico mto feliz que tenha gostado das minhas resenhas :o)

      Entendo perfeitamente o que vc quer dizer. Como fui de mente aberta, como se fosse ler uma nova autora, deu super certo, mas sei de mtaaa gente que decepcionou por causa do Harry Potter. Querendo ou não a JK será eternamente lembrada por HP, e vai ser difícil desvincular esse rótulo que ela ganhou caso ela queira continuar na carreira de escritora.

      Acho que agora entendo pq tem tantos autores que publicam com nomes diferentes, para terem liberdade de escrever gêneros diversos sem preconceitos por parte dos leitores.

      Pelo que lembro isso tb aconteceu com a Meyer, qd escreveu A Hospedeira.. o pessoal caiu em cima pq em nada lembrou o Crepúsculo, e o pessoal já tava meio viciadinho na saga e se decepcionou total com o outro livro.. hehe

      Tente ler o livro como se fosse de outra autora, quem sabe vc não se surpreende neh.. hehe

      Bjusss

      Excluir
  5. Oi Mirelle!!
    Vc deixou seu link no meu skoob e (desculpe a demora rs) aqui estou :)
    Gostei bastante da sua resenha!!
    Bem explicativa e direto ao ponto!!
    Estou bem curiosa para ler esse livro e ver esse lado mais adulto da JK :)

    Beijos

    Ka Wozniak
    Cinco das Artes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ká, obrigada pela visita. Fico feliz que tenha gostado da resenha. Bjs e boa leitura.

      Excluir
  6. Gostei muito do jeito que você vê o livro, como muita gente liga a J.K. ao HP, as vezes realmente se decepciona, mas gostei do que ela aborda, até achei um pouco real e interessante!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gabi, que bom que gostou da resenha. Sim, fiz esse alerta porque a JK do HP é totalmente diferente da JK do Morte Súbita. O livro é muito mais adulto e real, e merece ser lido e analisado de forma separada aos livros do HP. Depois se você ler me diga o que achou. Beijos

      Excluir
  7. Nunca li HP e nem tenho vontade, mas fico curioso por Morte Súbita. Acho que vai ser legal ver o que eu acho do livro, já que nunca li nada da JK!

    Cheguei ao blog pelo teu recado no Skoob! Já estou seguindo! Quando der passa lá no MúsicaTVetc também! Bjs!

    Gabriel Costa - www.musicatvetc.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Gabriel, fico feliz que tenha ficado curioso para ler Morte Súbita. A JK é uma autora brilhante. Ela se saiu muito bem tanto nesse quanto em HP, mesmo tendo estilos literários tão diferentes.
      Beijos e volte sempre

      Excluir
  8. Oi Mi! Tinha te dito que tinha uma vontade de ler esse livro só pra conhecer J. K. Rowling né? Então, tua resenha me convenceu! Tô louca pra provar do que essa mulher é capaz, porque ora, como fazer um livro com tantas personagens principais ser tão bom assim? No começo, pela sinopse, não fiquei com tanta vontade. Mas depois que tu contou das postagens anônimas, me interessou muito! Fiquei curiosa messsmo. Conseguiu fazer mais um entrar pra minha lista! Cada vez ela cresce mais, quero ver como vou dar conta com minhas aulas chegando! :( hahaha
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi querida, kkkk, que bom que consegui convencê-la com mais uma resenha, mas isso se torna preocupante para você né?! Vai que você lê mais uma resenha e também acaba seduzida pelo livro? kkkk Devia vir um aviso do tipo "as resenhas devem ser lidas com moderação".. kkk brincadeiras a parte, sei bem como é complicado querer ler tantos livros e não ter tempo sobrando para isso. Até hoje não consigo entender como dou conta, tendo tantos comprimissos e coisas para fazer. Mas no fundo, quando a gente quer, a gente dá um jeito né.. hehe Beijos e boas leituras!!

      Excluir
  9. De fato esse livro é bem complexo, porém deve ser bacana ver a autora escrevendo para um público alvo diferente. Eu acho a escrita e a criatividade dela brilhante e excepcional.É muito difícil encontrar um autora tão boa quanto. Quero ler esse livro porém acho que é muito pesado pra mim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo em tudo. Pois é, veja se você teria estômago para uma leitura tão densa como essa. Tirando esse aspecto, me arrisco a dizer que foi um dos livros mais bem escritos que já li. Beijos

      Excluir
  10. Laís Souza18/06/2013 20:55

    Estou tentando me desapegar de Harry Potter para encarar esse livro. Afinal, esse livro parece ter sido um recado claro da Rowling de que ela é muito mais do que Hogwarts. Falam muito bem de "Morte Súbita". Quero ler, sim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faça isso mesmo. Leia o livro como se fosse de outro autor qualquer, não tente compará-lo a HP, mas de qualquer forma vai ser impossível você não perceber a genialidade da JK por trás da história. Eu tirei o chapéu para ela. Essa autora tem muito potencial e não vejo a hora dela continuar escrevendo e nos presenteando com excelentes histórias. Beijos

      Excluir
  11. Me surpreendi!! Parece ser mais um dos livros que vão entrar estourando nas livrarias, todos vão querer ler, inclusive eu hahahah

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade ele foi bem polêmico no lançamento. Acho que não deslanchou quanto imaginavam porque muitos leitores que compraram eram fãs do Harry Potter e acharam que fossem encontrar na história algo semelhante e se decepcionaram. Então teve muita opinião divergente na época. Eu sempre lembro que ao contrário de HP, MS é um livro para adultos, extremamente ousado e bem escrito. Espero que goste. Beijos

      Excluir