Resenha - As Mentiras que os Homens Contam

"Quantas vezes você mente por dia? Calma, não precisa responder agora. Também não é sempre que você conta uma mentira. Só de vez em quando. Na verdade, quando você mente, é porque precisa. Para proteger o outro - e de preferência, a outra. Foi assim com a mãe, a namorada, a mulher, a sogra. Questão de sobrevivência. Tudo pelo bom convívio social, pela harmonia dentro de casa, para uma noite mais simpática com os amigos. Você só mente, no fundo, para poupar as pessoas, e, sobretudo, para o bem das mulheres. Luis Fernando Verissimo, este observador bem-humorado do cotidiano brasileiro, reúne aqui um repertório divertido de histórias assim - tão indispensáveis que, de repente, viram até verdades. Depende de quem ouve. Depende de quem conta."
Terminei a leitura do meu segundo livro do ano, que ganhei da miguxa Manoella. O livro é bem fininho, ou seja, devorei ele em poucas horas. Ele é bom, em alguns momentos engraçado, em outros, cansativo e até bobo.

Me lembrou miuto o Comédias da Vida Privada, inclusive tinha uma história no Comédias que foi repetida nesse: A aliança. Curiosamente essa era a história que mais gostei quando li Comédias da Vida Privada aos 12 anos, aproximadamente.

A aliança fala sobre um homem que perde sua aliança ao trocar o pneu do carro, que tinha furado. Ao chegar em casa ele fica em dúvida sobre o que falar para a esposa. Imagina que, se disser a verdade, ela não vai acreditar e vai pensar que ele a perdeu quando esteve num motel com sua suposta amante. Resolve, portanto, mentir e dizer que justamente tirou sua aliança para namorar e acabou perdendo-a. Inacreditavelmente a mulher acredita, fica magoada, vai para o quarto, e quando retorna alega que seu casamento está passando por uma crise mas que juntos irão superá-la e vai fazer a janta.

É engraçado que 15 anos atrás, quando li pela primeira vez, achei a história muito engraçada. Hoje, confesso que achei deprimente. É triste perceber a discrepância entre o universo masculino e feminino. As mulheres não são literais, um simples "não" dito por um homem abre margem para milhares de interpretações e reflexões na mente feminina: "O que será que ele quis dizer com aquele não?", "Aquela entonação foi de ironia ou dúvida?", etc. Isso evidencia o quanto a história contada por Veríssimo se aproxima da realidade, pois, acredito que numa situação real, a maioria das mulheres realmente não acreditariam na história verdadeira contada pelo homem. Ficariam pelo resto da vida tentando descobrir pormenores que nunca existiram. 

Sábio foi o homem ao "mentir" para sua mulher, que de uma forma meio torta, preservou seu casamento. Porém, triste realidade o fato dele ter tido que mentir para ela acreditar nele.

Outra coisa que me incomodou nessa crônica, em específico, foi o fato de a mulher ter, tão rapidamente, digerido a história da traição, ter declarado que aquilo era apenas uma crise e ter ido fazer a janta, como se nada tivesse acontecido. O pior de tudo é que isso é o que acontece muitas vezes. As esposas não questionam a traição, no máximo por alguns segundos, muitas vezes acham que a culpa são delas pela infidelidade do marido ou pior, como mulher é um bicho muito competitivo, o simples fato de o homem ter mencionado ter uma amante, acende na mulher um sentimento de rivalidade cruel em que, ao invés dela largar o traste, ela resolve fazer tudo por ele para provar que consegue ser melhor que a amante.

Tristeza foi mais ou menos o sentimento que tive ao ler todas as histórias. Não consegui me divertir com o livro o tempo todo, não consegui ler o livro como uma compilação de crônicas leves e bem-humoradas, porque o tempo todo a mentira estava lá, impregnada em cada fala, ação, omissão, como forma das pessoas se safarem, se preservarem ou como diz o Veríssimo, proteger o outro. E isso me incomodou muito. Não pelo texto dele em si, que é sempre maravilhosamente e ironicamente bem escrito, mas por me dar conta de que é exatamente isso que acontece todos os dias, com todos nós. E chegar a conclusão de que a mentira faz parte das nossas vidas, e que pior, é necessárias em muitas vezes, é triste.

Mas tirando essa minha opinião, totalmente individual, recomendo o livro, porque adoro o Veríssimo e novamente ele foi magistral ao nos apresentar essas histórias sobre a mentira. Espero que vocês consigam ler o texto de forma mais descontraída do que eu, porque daí sim garanto, vocês irão se divertir muito :o)    

As Mentiras que os Homens Contam - Luis Fernando Veríssimo
Editora Objetiva
166 páginas
Comprar: Submarino / Saraiva
 

2 comentários

  1. Eu já disse e vou repetir: quero muito ler alguma obra do Veríssimo.
    Eu acho o humor dele meio pastelão por algumas coisas que eu vi na TV, mas ainda sim a curisidade fala mais alta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu adoro a escrita do Veríssimo, ele é mestre na comédia e na ironia, só que infelizmente não consegui achar o livro engraçado por se tratar do tema mentira. Beijos

      Excluir